DESTAQUE

O paradoxo de Fermi: onde estão os alienígenas?

Por
05 de Fevereiro de 2021
Estamos, afinal, sozinhos no universo?
Créditos: Getty Images

Ao longo da história da humanidade, nossa espécie olhou para o céu e perguntou: “Estamos sozinhos?” Em 1950, o famoso físico italiano Enrico Fermi apresentou uma nova versão da mesma questão. Se o cosmos é essencialmente feito das mesmas matérias-primas encontradas na Terra, e nosso planeta natal é muito mais jovem do que o próprio universo, então onde estão todos os alienígenas?

Civilizações com centenas de milhões, senão bilhões de anos, mais avançadas do que nós deveriam ter povoado sistemas estelares inteiros já na época de Fermi. Mas ainda não há evidências concretas e universalmente aceitas de vida extraterrestre avançada, independentemente dos milhares de planetas extra-solares identificados nas últimas três décadas e da vantagem de bilhões de anos que qualquer vida desse tipo teria sobre nós. É uma contradição aparentemente gritante, como Fermi observou pela primeira vez, e que acabou recebendo o nome dele, hoje conhecido como “O Paradoxo de Fermi”.

Ao explicar o Paradoxo de Fermi em 2018, o famoso cientista do Search for Extraterrestrial Intelligence [Busca por Inteligência Extraterrestre – SETI], Seth Shostak, disse: “Fermi percebeu que qualquer civilização com uma quantidade modesta de tecnologia de foguetes e uma quantidade imodesta de incentivo imperial poderia colonizar rapidamente toda a Galáxia. Dentro de algumas dezenas de milhões de anos, todo sistema estelar poderia ser colocado sob a asa desse império.” Shostak também aponta que os proponentes da observação de Fermi não dependem de tecnologias exóticas ou mais rápidas do que a velocidade da luz, mas sim de viagens regulares baseadas em foguetes que se movem a velocidades relativísticas.

“Você pode questionar a velocidade da espaçonave alienígena, seja 1% ou 10% da velocidade da luz. Não importa. Você pode argumentar sobre quanto tempo levaria para um novo assentamento estelar gerar suas próprias colônias. Ainda não importa. Qualquer suposição meio razoável sobre a velocidade com que a colonização poderia ocorrer ainda termina em escalas de tempo que são enormemente menores do que a idade da galáxia”, disse Shostak. Várias soluções tentam explicar esse paradoxo, indo desde a ideia de que as sociedades avançadas eventualmente se auto-aniquilam ou que a viagem interestelar é simplesmente tecnologicamente complicada ou impossível. A solução mais deprimente é que a humanidade é realmente única e, portanto, sozinha.

Em um artigo escrito por Michael Hart, em 1975, chamado “An explanation for the absence of extraterrestrials on Earth”, ele cria categorias de motivos para tal ausência, sendo as mais comuns as “explicações físicas”, “explicações sociológicas” e “explicações temporais”, com uma quarta categoria admitindo que tais seres podem ter visitado a Terra no passado, mas simplesmente não estão aqui agora. As explicações físicas de Hart abrangiam mais ou menos qualquer coisa que pudesse colocar limites físicos em qualquer expansão. Como ele escreveu, “os visitantes nunca chegaram à Terra porque alguma dificuldade física, astronômica, biológica ou de engenharia torna a viagem espacial inviável”. Como uma sociedade que só recentemente entrou na vastidão do espaço, esses limites parecem perfeitamente razoáveis e aplicáveis à nossa situação atual.


Enrico Fermi questionou, de maneira científica, nossa solidão cósmica. E acabou caindo em um paradoxo.
Fonte: National Archives

As explicações sociológicas postulam que os alienígenas podem carecer de iniciativa ou desejo de viajar para a Terra, incluindo a falta de vontade política, motivação, interesse ou simplesmente a falta de organização social para empreender uma proposta tão cara e desafiadora. Novamente, essas explicações são sem dúvida familiares aos terráqueos do século XXI. As limitações temporais abrangem as várias hipóteses de que tais civilizações podem de fato existir, mas ainda não tiveram tempo suficiente para chegar até nós. Ou eles podem ter nos visitado há muito tempo e nós sentimos falta deles.

Este último abre espaço para a existência de sociedades galácticas, mas sugere que elas possam ter morrido Eras atrás. Hoje, explicações mais exóticas foram oferecidas para o Paradoxo de Fermi, incluindo aquelas cada vez mais populares como o “Grande Filtro” e a “Hipótese do Zoológico”. O Grande Filtro postula que todas as sociedades eventualmente alcançariam o mesmo ponto no desenvolvimento tecnológico avançado e morreriam. Seja um limite físico como proposto acima, um limite social ou temporal como aqueles mencionados por Hart, ou algo completamente diferente, o Grande Filtro atua como um ponto de ajuste teórico onde civilizações semelhantes às humanas ou não poderiam avançar mais, ou simplesmente se destruiriam ou, por alguma outra razão, deixariam de existir.

Como as possíveis respostas anteriores, essa explicação faz muito sentido em nosso mundo em constante evolução e rápido avanço tecnológico. A Hipótese do Zoológico é frequentemente favorecida por aqueles que consideram todas as explicações acima insuficientes, ou têm suas próprias razões para acreditar que realmente fomos visitados no passado ou ainda estamos sendo visitados agora, e fomos simplesmente deixados por nossa própria conta pelas várias sociedades de viajantes espaciais.

À medida que a tecnologia humana evolui e nossa capacidade de se espalhar ainda mais pelo cosmos aumenta, pesquisadores de vários campos abordam essa questão milenar de todos os lados. Do doutor Shostak e seus colegas do SETI às várias equipes programadas para usar o Telescópio James Webb após seu lançamento para começar a pesquisar sistemas exoplanetários em busca de sinais de vida, esses exploradores modernos estão utilizando as ferramentas mais recentes e de ponta na esperança de finalmente encontrarem uma resposta. Até então, a questão proposta por Enrico Fermi há mais de 70 anos ainda soa verdadeira: “Onde está todo mundo?”

Fonte

Já está no ar a Edição 256 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2018

Eles estão aqui, mas por quê?