DESTAQUE

O mistério do nono planeta pode estar para ser desvendado e ele não é o que se imaginava

Por
11 de Julho de 2020
Concepção artística do encontro de um cometa da nuvem de Oort e um buraco negro hipotético no Sistema Solar externo.
Créditos: Space.com

Em 2019, astrônomos e físicos propuseram que o tão procurado planeta Nove, um corpo escuro indescritível nos confins do nosso Sistema Solar pode, na verdade, ser um buraco negro primordial, um remanescente teórico do Big Bang. Ou talvez haja outra explicação.  

 “A periferia do Sistema Solar é o nosso quintal. Encontrar o planeta Nove é como descobrir um primo morando no galpão atrás de sua casa que você nunca conheceu ”, disse o astrônomo de Harvard Avi Loeb sobre o novo método da Iniciativa Black Hole (BHI).

A iniciativa busca encontrar um buraco negro do tamanho de uma toranja com uma massa de cinco a 10 vezes a da Terra, e juntamente com ele, determinar de uma vez por todas a verdadeira natureza do hipotético planeta Nove. 

 

Primeira evidência do planeta Nove


Planeta Nove ou planeta X Crédito: NASA

A primeira evidência de que pode haver um planeta gigante traçando uma órbita bizarra e altamente alongada através do Sistema Solar externo foi apresentada em 20 de janeiro de 2016, pelos astrônomos da Caltech Mike Brown e Konstantin Batygin

Em junho, Brown e Batygin acompanharam com mais detalhes, incluindo restrições observacionais na localização do planeta ao longo de sua órbita.

Loeb, Frank B. Baird Junior, professor de ciências em Harvard e diretor da Black Hole Initiative, e Amir Siraj, um estudante de graduação em Harvard, desenvolveram o novo método para procurar buracos negros no Sistema Solar externo com base em explosões resultantes da ruptura de cometas interceptados. 

O estudo sugere que a futura missão Legacy Survey of Space and Time (LSST) tem a capacidade de encontrar buracos negros observando explosões de acréscimo resultantes do impacto de pequenos objetos da nuvem de Oort.

 

Sinais de queima de acréscimo


Buraco negro supermassivo. Crédito: Agência SINC

"Nas proximidades de um buraco negro, os pequenos corpos que se aproximam dele derreterão como resultado do aquecimento da acumulação de fundo do gás do meio interestelar", disse Siraj. "Depois que derretem, os pequenos corpos estão sujeitos a perturbações das marés pelo buraco negro, seguidas pela acumulação do corpo perturbado pelas marés no buraco negro"

Segundo Loeb, “como os buracos negros são intrinsecamente escuros, a radiação que a matéria emite a caminho da boca do buraco negro é nossa única maneira de iluminar esse ambiente escuro".

O LSST tem um amplo campo de visão, cobrindo o céu inteiro repetidamente e procurando explosões transitórias. 

“Outros telescópios são bons em apontar para um alvo conhecido, mas não sabemos exatamente onde procurar o planeta Nove. Conhecemos apenas a ampla região em que ela pode residir”, disse Loeb.

 A capacidade do LSST de examinar o céu duas vezes por semana é extremamente valiosa. Além disso, sua profundidade sem precedentes permitirá a detecção de explosões resultantes de impactores relativamente pequenos, que são mais frequentes do que os grandes.

Um novo planeta dois séculos depois  


Em busca do planeta Nove Crédito: NASA

O planeta Nove é uma explicação convincente para o agrupamento observado de alguns objetos além da órbita de Netuno. Se sua existência for confirmada por meio de uma pesquisa eletromagnética direta, será a primeira detecção de um novo planeta no Sistema Solar em dois séculos, sem contar Plutão.

Segundo Sirai, a falha na detecção de luz do planeta Nove - ou outros modelos recentes, como a sugestão de enviar sondas para medir a influência gravitacional - tornariam o modelo do buraco negro intrigante. 

“Tem havido muita especulação sobre explicações alternativas para as órbitas anômalas observadas no Sistema Solar externo. Uma das ideias apresentadas foi a possibilidade de o planeta Nove ser um buraco negro do tamanho de uma toranja com uma massa de cinco a 10 vezes a da Terra”.

O foco no planeta Nove é baseado tanto no significado científico sem precedentes que uma descoberta hipotética de um buraco negro de massa planetária no sistema solar manteria, bem como no interesse contínuo em entender o que está lá fora.

Fonte: Daily Galaxy

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre