DESTAQUE

O ex-diretor do Observatório do Vaticano calcula a possibilidade de contatos extraterrestres

Por
08 de Setembro de 2020
UFO sobre o Vaticano
Créditos: Revista UFO

Talvez a melhor maneira de entrar em contato com uma civilização extraterrestre seja mudar os programas SETI de uma forma que busque "caminhos alternativos de mensagem", diz o jesuíta José Gabriel Funes

 O jesuíta José Gabriel Funes, astrônomo e ex-diretor do Observatório do Vaticano deu algumas novas sugestões ao SETI na última edição do International Journal of Astrobiology, editado pela Universidade de Cambridge. 

Funes é um dos três autores de um artigo intitulado Estimativa Monte Carlo Sobre a Probabilidade de Contatos Causais entre Civilizações Como o título indica, Funes e seus dois colegas pesquisadores – M. Lares e L. Gramajo – calcularam a probabilidade de contato com outra civilização extraterrestre.

Para isso, eles usaram uma técnica de simulação matemática chamada "Monte Carlo", que usa o acaso para substituir as fórmulas por valores difíceis de calcular ou desconhecidos. 

 

Sai a equação de Drake, entram os dados


José Gabriel Funes em palestra na NASA. Crédito: NASA

Essa é justamente uma das novidades de seus cálculos, como Funes e seus colegas explicam no artigo. Normalmente, outro método, a equação de Drake, era usado para fazer essas operações. 

O ex-diretor do Observatório do Vaticano ressalta que, justamente, nosso desconhecimento dos valores a serem determinados naquela fórmula faz com que os resultados tenham pouca validade, uma vez que os elementos de cálculo são arbitrariamente fixados.

A equação de Drake foi proposta em 1961, e calcula o número de civilizações com as quais poderíamos nos comunicar levando em consideração 5 fatores: quantos planetas habitáveis ??existem na Via Láctea, quantos deles têm formas de vida, quantas têm civilizações com tecnologia para enviar uma mensagem ao espaço e quantos delas existem atualmente. 

O problema é que esses valores não podem ser verificados empiricamente e é um dos maiores pontos fracos dessa equação.

 

O momento das civilizações é a chave


As distâncias universais são a chave para as comunicações? Crédito: Ciencianautas

A simulação matemática que Funes e seus colegas fizeram calculou processos de comunicação originados em diferentes pontos da galáxia selecionados ao acaso. Olhando para os resultados, eles chegaram a uma conclusão principal: o tempo é o fator chave. 

A explicação para isso deve ser encontrada em Einstein: a velocidade máxima que pode existir no universo tem um limite, que é a velocidade da luz. Nada pode ir mais rápido. 

Por exemplo, uma mensagem de uma civilização a 500 anos-luz de nós precisaria de uma civilização com 1.000 anos de duração. Meio milênio para chegar até nós e, se pudéssemos responder imediatamente, mais meio milênio para a resposta chegar até eles. 

Claro, isso pode significar que o "reconhecimento" interestelar chegou quando o primeiro não existia mais, E é aqui que a sugestão de mudar os programas SETI faz sentido. 

Com base em sua simulação matemática, um dos resultados é que o momento de maior probabilidade de receber um sinal é, justamente, o momento em que o receptor é conectado. 

Pode ter acontecido, segundo os cálculos, que a mensagem extraterrestre já tivesse passado pela Terra, mas com uma tecnologia de emissão diferente. Portanto, dada a nossa limitação de tempo, a coisa mais sábia a fazer seria tentar maneiras alternativas de receber uma mensagem estranha.

 “O curto intervalo entre a ascensão e a queda das civilizações, face à extensão da nossa galáxia, é uma limitação fundamental do número de contatos. A dimensão do tempo, que falta na equação de Drake, é um fator chave para a compreensão da rede de contatos em diferentes ambientes”, conclui o estudo

Por favor, clique aqui para ler o artigo publicado no International Journal of Astrobiology

 

Fonte: Revista Ecclesia

Já está no ar a Edição 278 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2020

Miscigenação com aliens