DESTAQUE

O estranho encontro alienígena no farol da Isla de Lobos

Por
24 de Março de 2021
O incidente na Isla de Lobos é ainda um grande mistério.
Créditos: Getty Images

Na costa do Uruguai, na América do Sul, há um pequeno local chamado Isla de Lobos. Não é nada mais do que um corte desolado de rocha patrulhado por suas focas e sem muito para se ver, exceto o farol da ilha, que se estende em direção ao céu cinza com seus 66m de altura, figurando entre os faróis mais altos do mundo. Embora agora seja totalmente automatizado, houve um tempo em que uma guarnição de homens era obrigada a viver isolada neste lugar remoto para operá-lo, e com isso entramos em um estranho encontro alienígena que nunca foi explicado de forma adequada.

Por Brent Swancer

Em outubro de 1972, cinco homens estavam operando o farol da Isla de Lobos, trabalhando um turno de 15 dias, após o qual outra tripulação chegaria e assumiria. Na época, o farol era operado pela marinha e ali estacionados estavam o cabo Juan Fuentes Figueroa, os recrutas José Gomez e Hector Gimenez, o telégrafo José Lima e o suboficial encarregado Francisco Cascudo. Na noite do dia 28, por volta das 22h, o cabo Fuentes saiu em uma patrulha de rotina para verificar os geradores de energia na parte de trás da instalação, mas sua atenção foi atraída por algumas luzes estranhas no céu pairando perto do topo do edifício do gerador, aparentemente logo acima de um terraço situado a cerca de seis metros acima do solo. As luzes pareciam faróis de carro, embora isso fosse obviamente impossível, e pareciam piscar e oscilar entre uma mistura de branco, amarelo e violeta.

Fuentes ficou tão perturbado com a visão que voltou para pegar sua pistola, estranhamente sem contar a nenhum dos outros homens o que estava acontecendo. Quando ele voltou para fora para se aproximar do prédio do gerador novamente, desta vez ele pode ver que havia um objeto lá em cima aparentemente pousado no terraço, descrito como sendo um metálico cor de cobre em forma de tigela invertida, apoiado em algum tipo de trem de pouso e com uma antena giratória de algum tipo em sua parte superior. Além do mais, na iluminação assustadora das luzes, havia o que parecia ser uma figura de pé ao lado do objeto, e uma segunda e terceira figuras estavam descendo da nave. Eles pareciam estar usando algum tipo de traje escuro parecido com roupas de mergulho, suas cabeças parecendo um tanto alongadas e grandes demais, e um parecia ser visivelmente mais alto que os outros, embora Fuentes não conseguisse distinguir muitos detalhes. Ele então percebeu que eles se voltaram para ele e pareciam estar muito cientes de que ele estava ali.

Nesse momento, Fuentes foi dominado pelo medo e pelo pânico e ergueu sua pistola, apontando-a para a nave. Foi nesse ponto que ele sentiu uma sensação estranha por todo o corpo, como uma vibração que fez seus cabelos se arrepiarem, e descobriu que era incapaz de se mover, como se estivesse paralisado, enquanto uma voz ecoava em sua cabeça que dizia “Não atire porque é inútil.” Depois disso, as estranhas entidades voltaram para sua nave, aparentemente subindo degraus de algum tipo, parecendo estar se puxando para cima com corrimões. Após, a nave se fechou e começou a decolar, enquanto seus apoios de pouso se retraíam telescopicamente.

Ela pairou no ar momentaneamente, então silenciosamente acelerou em uma velocidade absurda com um flash de luz brilhante como uma bola de fogo. Nesse momento, Fuentes correu de volta para os outros e contou o que havia acontecido, mas ninguém acreditou nele. Considerando que ele era o oficial superior e ninguém acreditou nele, foi um choque, mas parece que pelo menos um dos homens, Francisco Cascudo, achou estranho que uma história assim viesse de um oficial superior.


O farol da Isla de Lobos está entre os maiores faróis do mundo. A história do estranho contato com alienígenas o torna ainda mais único.
Fonte: Wikimedia Commons

Pouco depois do fim desse turno no farol, Fuentes foi chamado à parte por altos funcionários, que o entrevistaram longamente sobre o que ele teria visto. Fuentes alegaria que também havia dois homens que ele acreditava serem da embaixada dos Estados Unidos, espreitando nos bastidores, fazendo anotações, e que mais tarde foram identificados como oficiais do “Serviço de Assuntos Espaciais”. Fuentes também viu várias fotos de diferentes UFOs e pediram a ele que apontasse quais eram mais semelhantes ao que ele havia testemunhado. Em nenhum momento ele foi questionado diretamente pelos misteriosos americanos, mas ele podia vê-los conversando animadamente com seus interrogadores em outra sala, tornando óbvio que eles estavam muito interessados em seu avistamento.

Depois disso, o caso chegou ao conhecimento do Centro Uruguaio de Investigação de UFOs, que submeteu Fuentes a alguns testes psicológicos e chegou à conclusão de que ele era uma testemunha sólida, qualificada como “sincera, descomplicada e simples, sem tendência a fabricar ou fantasiar, e carente de imaginação.” Também foi notado que Fuentes não tinha nenhum interesse prévio ou conhecimento sobre UFOs, e eles chegaram à conclusão de que ele no mínimo acreditava ter visto o que afirmava. O suboficial Cascudo apoiaria isso, descrevendo Fuentes como um “homem simples e honesto, incapaz de inventar uma história dessa natureza.”

Os céticos do caso especularam que Fuentes teria apenas visto um helicóptero e seus ocupantes, que entraram em pânico e voaram quando ele apontou sua pistola, mas como isso explica a misteriosa paralisia ou a voz em sua cabeça? Além disso, por que um homem da marinha treinado confundiria um helicóptero com um UFO, especialmente sendo considerado um homem honesto, sem propensão a pular para afirmações extravagantes? O caso do encontro com o UFO na Isla de Lobos nunca foi resolvido, e ficamos nos perguntando se tudo isso seria um conto fantástico, identificação incorreta ou talvez um verdadeiro fenômeno bizarro.

Fonte

Já está no ar a Edição 272 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2019

ETs em nossos dormitórios