DESTAQUE

Novas revelações a respeito do vídeo de perseguição de um UFO por caças norte-americanos

Por
20 de Dezembro de 2017
O porta-aviões Nimitz, cujas aeronaves perseguiram e filmaram um UFO em 2004
Créditos: Arquivo

Continua a intensa repercussão a respeito da revelação da existência de uma investigação ufológica oficial do Pentágono na mídia mundial. Cerca de 22 milhões de dólares foram investidos no programa, que durou de 2007 a 2012, e ainda restam questionamentos quanto à continuidade do projeto, chamado de Identificação de Ameaças Aéreas Avançadas, até os dias de hoje. Além disso, outro destaque da revelação foi o vídeo, gravado a partir de um caça Boeing F-18 Hornet da Marinha norte-americana, baseado no porta-aviões Nimitz e que foi obtido sobre o Oceano Pacífico em 14 de novembro de 2004. As imagens mostram um UFO sendo perseguido pela aeronave pilotada pelo então comandante David Fravor (e não Flavor, como publicamos no texto anterior).

Em entrevista à rede ABC News, David Fravor relatou sua experiência: "Posso dizer que acredito que não era deste mundo. Não sou louco, não bebi. Foi algo diferente. Após 18 anos de experiência de voo já havia visto de tudo nesse campo, mas esse caso foi muito diferente. Nunca em minha carreira vi nada semelhante, em termos de desempenho ou aceleração, e ainda mais em uma coisa que não tinha asas". Naquele dia o ex-militar havia iniciado uma missão de treinamento com seu F-18, junto a colegas, quando um dos navios que acompanhava o Nimitz reportou que objetos estavam praticamente caindo do céu, baixando de 24.000 m de altitude em altíssima velocidade. O grupo de F-18 manobrou para se aproximar dos intrusos e Fravor comenta que todos ficaram surpresos, questionando uns aos outros a respeito dos desconhecidos.

David Fravor prossegue: "Olhamos para baixo e percebemos uma perturbação de cor branca na água, parecia algo abaixo da superfície provocando ondas, mas a próxima coisa que vimos estava voando próximo a nós, tinha o formato de uma bala Tic Tac e era branco, movendo-se para esquerda, direita, para frente, para trás, aparentemente aleatório". O UFO, que pela descrição também poderia ser um Objeto Submarino Não Identificado (OSNI), não tinha rotores como um helicóptero nem jatos como os de um avião. Os caças passaram a voar baixo, perseguindo o intruso, que acompanhou seus movimentos antes de desaparecer, como descreve Fravor: "Estávamos seguindo o objeto e este acelerou rapidamente, subiu além de nossa altitude e desapareceu em alta velocidade". O piloto já reformado continua: "Ele se aproximou de nós, tinha mesmo o formato de um Tic Tac, a parte dianteira era redonda, não sei o que era. Não sei o que vi. Era realmente impressionante, muito rápido, e eu adoraria voar nele".

CAPACIDADES DE VOO IMPRESSIONANTES

A perturbação branca na água igualmente havia desaparecido, mesmo quando eles voaram próximo a superfície para investigá-la. Eles retornaram a missão de treinamento e novamente pelo rádio receberam a notícia de que o mesmo objeto, ou outro semelhante, havia reaparecido. Outro caça foi lançado do Nimitz e conseguiu obter mais imagens do UFO em infravermelho, contudo sofreu interferência em seu radar de bordo. Fravor conversou com o piloto e disse: "Ele se aproximou o suficiente para ver dois objetos, depois eles subiram e escaparam da tela da câmera infravermelha". David Fravor completa: "Foi muito impressionante ver um objeto cilíndrico branco de 12 metros, sem asas, se mover em qualquer direção, indo pairar sobre o oceano, até acompanhar nossas manobras e acelerar até desaparecer".

Confira a entrevista com David Fravor

Leslie Kean comenta em entrevista o caso

Assista a um documentário sobre o USS Nimitz

Pentágono admitiu pesquisa ufológica realizada entre os anos de 2007 e 2012

Piloto da Marinha norte-americana que perseguiu UFO fala sobre sua experiência

CIA indica como investigar casos de discos voadores

Saiba mais:

Livro: OSNIs: Segredos dos Russos

crédito: Revista UFO
OSNIs: Segredos dos Russos
OSNIs: Segredos dos Russos

O país que durante décadas foi um dos mais fechados do mundo é também o que tem a mais rica e intensa casuística ufológica, em especial de objetos submarinos não identificados (OSNIs). O ucraniano naturalizado norte-americano Paul Stonehill e o inglês Philip Mantle não se intimidaram diante dos desafios e juntos se puseram a coletar os mais impressionantes registros da manifestação de UFOs e OSNIs e da ação de seus tripulantes em todo o vasto território da então União Soviética, ou Rússia após a queda do comunismo.

DVD: OSNIs: Alerta nos Mares

Já está no ar a Edição 239 da Revista UFO. Aproveite!

Outubro de 2016

Eles têm bases em nossos oceanos?

UPDATED CACHE