DESTAQUE

Novas estimativas calculam que haja 300 milhões de planetas habitáveis na Via Láctea

Por
30 de Outubro de 2020
Nossa galáxia tem milhões de planetas que podem abrigar vida. Parte dela pode estar nos visitando?
Créditos: Phys.org

Uma pesquisa feita por um grupo de instituição de todo o planeta sobre os dados coletados pelo agora aposentado Kepler indica que há ao menos 300 milhões de planetas habitáveis na Via Láctea. E este número, dizem os cientistas, pode ser muito maior.

 Graças a novas pesquisas usando dados do telescópio espacial Kepler, estima-se que pode haver até 300 milhões de planetas potencialmente habitáveis ??em nossa galáxia. 

Alguns podem até estar bem próximos, com vários provavelmente a 30 anos-luz de nosso Sol. As descobertas serão publicadas no The Astronomical Journa, e a pesquisa foi uma colaboração de cientistas da NASA, do Instituto SETI e de outras organizações em todo o mundo.

"Esta é a primeira vez que todas as peças foram colocadas juntas para fornecer uma medição confiável do número de planetas potencialmente habitáveis na galáxia", disse o co-autor Jeff Coughlin, pesquisador de exoplanetas do Instituto SETI e Diretor da Kepler Science Office. 

"Este é um termo chave da Equação de Drake, usado para estimar o número de civilizações comunicáveis. Estamos um passo mais perto na longa estrada para descobrir se estamos sozinhos no cosmos".

A Equação de Drake é um argumento probabilístico que detalha os fatores a serem considerados ao estimar o número potencial de civilizações tecnologicamente avançadas na galáxia que poderiam ser detectadas. 

A equação também é frequentemente considerada um roteiro para a astrobiologia e orienta grande parte da pesquisa no Instituto SETI.

 

Rochosos e com água líquida


Ilustração mostrando o legado do telescópio Kepler. Crédito: NASA

Para desenvolver uma estimativa razoável, os pesquisadores analisaram exoplanetas semelhantes em tamanho ao da Terra e, portanto, com maior probabilidade ??de serem planetas rochosos. 

Eles também observaram estrelas semelhantes ao Sol, com aproximadamente a mesma idade que nosso Sol e aproximadamente a mesma temperatura. Outra consideração para habitabilidade é se o planeta poderia ter as condições necessárias para suportar água líquida.

Estimativas anteriores sobre a determinação do número de exoplanetas potencialmente habitáveis ??em nossa galáxia estavam fortemente baseadas na distância entre planeta e sua estrela. 

Já esta nova pesquisa também considera quanta luz atinge o planeta a partir de sua estrela, o que afetaria a probabilidade de que o planeta pudesse suportar água líquida. 

Para fazer isso, a equipe analisou não apenas os dados do Kepler, mas também os dados da missão Gaia da Agência Espacial Europeia sobre quanta energia a estrela do planeta emite.

 

Estrelas semelhantes do Sol


Estrelas semelhantes so Sol estão entre os critérios de busca por planetas habitáveis
Crédito: NASA

Ao levar em consideração os dados do Kepler e do Gaia, os resultados refletem melhor a diversidade de estrelas, sistemas estelares e exoplanetas em nossa galáxia.

"Saber quão comuns são os diferentes tipos de planetas é extremamente valioso para o projeto das próximas missões de descoberta de exoplanetas", disse a coautora Michelle Kunimoto, que recentemente ingressou na equipe do telescópio de trânsito TESS, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts em Cambridge.

"Pesquisas direcionadas a pequenos planetas potencialmente habitáveis ??ao redor de estrelas semelhantes ao Sol dependerão de resultados como esses para maximizar sua chance de sucesso", explicou a cientista

Mais pesquisas serão necessárias para entender o papel que a atmosfera de um planeta tem em sua capacidade de suportar água líquida. 

Nesta análise, os pesquisadores usaram uma estimativa conservadora do efeito da atmosfera para estimar a ocorrência de estrelas semelhantes ao Sol com planetas rochosos que poderiam ter água líquida.

A missão Kepler, que oficialmente parou de coletar dados em 2018, identificou mais de 2.800 exoplanetas confirmados, com vários milhares de candidatos esperando para serem confirmados. 

Até agora, os pesquisadores identificaram várias centenas de planetas na zona habitável de sua estrela em dados do Kepler. Pode demorar um pouco para encontrar todos os 300 milhões.

 

Fontes: Instituo SETI e Phys.org

Já está no ar a Edição 280 da Revista UFO. Aproveite!

Outubro de 2020

Intervenção extraterretre