DESTAQUE

Nosso encontro com extraterrestres será chocante, aposta astrofísico de Harvard

Por
22 de Fevereiro de 2019
Ilustração
Créditos: Rafael Amorim/UFO

Como será o primeiro contato da humanidade com extraterrestres? O presidente do departamento de astronomia de Harvard, Avi Loeb, projeta um encontro chocante, mas que entrará para história como um dos momentos mais marcantes. 

Em uma entrevista concedida ao jornal alemão Der Spiegel, Loeb, famoso pelos seus comentários sobre aliens, compartilhou suas expectativas pessoais. Para ele, é difícil prever como será a reação de humanos em um eventual encontro com extraterrestres, mas ainda assim palpitou. "Será chocante, porque nós temos vieses de nossas próprias experiências, imaginamos que outros seres são similares a nós. Mas talvez eles sejam radicalmente diferentes", projetou o astrofísico.

O presidente do departamento de astronomia de Harvard é um dos autores do estudo que apontou que o objeto estelar Oumuamua poderia "ser uma sonda totalmente operacional enviada intencionalmente para as proximidades da Terra por uma civilização alienígena". Loeb também imagina que as misteriosas rajadas rápidas de rádio podem ter origens de seres extraterrestres.

Avi Loeb, de 56 anos, além de chefe do departamento de astronomia da Universidade de Harvard, publicou mais de 700 artigos sobre fenômenos astrofísicos. Suas áreas de interesse incluem buracos negros e o nascimento das primeiras estrelas do universo. Mais recentemente, Loeb se concentrou na possível existência de vida inteligente extraterrestre, um tópico sobre o qual ele atualmente está escrevendo um livro didático.

.

Entrevista de Avi Loeb para o Jornal Der Spiegel

Der Spiegel: Professor Loeb, você tem um alienígena favorito?

Loeb: Para ser honesto, eu não gosto de ficção científica. Eu tenho um problema quando a ação em um filme viola as leis da física. Nesses casos, não posso aproveitar a experiência esteticamente.

Der Spiegel: Se você não gosta de alienígenas, por que você está explorando a questão da vida extraterrestre inteligente?

Loeb: Porque é uma das questões realmente grandes. Sempre me interessei, mesmo quando criança, a pensar no quadro geral. E a mais fundamental de todas as questões é: estamos sozinhos?

Der Spiegel: Por que você considera a questão tão fundamental?

Loeb: Se em algum momento nos depararmos com outros seres inteligentes, isso mudaria radicalmente nossa perspectiva de nossa importância no grande esquema das coisas. Além disso, as inteligências extraterrestres poderiam aumentar enormemente nosso conhecimento. Aprender com eles melhoraria nossa compreensão do mundo. Poderia ser um atalho - como se alguém da Idade Média visse nosso mundo no século XXI.

Der Spiegel: As perspectivas de encontrar alienígenas são melhores hoje do que eram em épocas anteriores?

Loeb: Vivemos em um momento especial. Por um lado, só descobrimos nos últimos anos como a vida difundida pode estar em nossa galáxia. O satélite Kepler nos ensinou que cada quarta estrela tem um planeta semelhante à Terra, com temperaturas favoráveis para o surgimento da vida. E, em segundo lugar, hoje temos a tecnologia necessária para responder à questão de saber se estamos sozinhos.

Der Spiegel: Se assumirmos que alguma civilização extraterrestre foi realmente descoberta, quão significativo isso seria comparado a outras importantes descobertas da história humana?

Loeb: Eu acho que seria o maior de todos. Se você pensar sobre a história dos humanos, a perspectiva mudou à medida que evoluímos - de um único indivíduo para uma família, uma tribo, um país e, finalmente, até encontramos outros continentes com pessoas que moram lá. Se fôssemos agora encontrar outros seres além do planeta Terra, este seria o maior passo de todos os tempos.

Der Spiegel: Você acha que haverá um momento em que receberemos algum sinal inteligente do espaço e, de repente, tudo será diferente?

Loeb: Eu não posso dizer como será esse momento. Mas será chocante. Porque somos influenciados pelas nossas próprias experiências. Nós imaginamos outros seres semelhantes a nós. Mas talvez eles sejam radicalmente diferentes. Por exemplo, é bem possível que não encontremos as formas de vida, mas apenas seus artefatos. Em qualquer caso, nós mesmos não somos projetados para viagens interestelares. A única razão pela qual os astronautas sobrevivem no espaço é que eles estão sob a proteção do campo magnético da Terra. Mesmo quando viajam para Marte, os raios cósmicos se tornarão um grande problema.

Der Spiegel: Então ET é apenas um robô enviado por extraterrestres?

Loeb: Por que não? Ou os extraterrestres poderiam, em vez de se viajar, enviar impressoras 3D que poderiam imprimir artefatos, ou mesmo organismos vivos, usando o material que encontrassem em outros corpos celestes.

Der Spiegel: Você acha que o grande momento do primeiro contato acontecerá em sua vida?

Loeb: Meu palpite é que primeiro detectaremos alguns detritos tecnológicos em vez da própria vida biológica.

Der Spiegel: De que forma? Espaçonaves perdidas? Lixo abandonado?

Loeb: Exatamente. A maioria das civilizações pode ter vida curta. Em outras palavras: temo que eles não cuidem bem do seu planeta natal e que no final eles se destruam - por guerras nucleares, por intervenções no clima, pela destruição ambiental.

DEer Spiegel: Os astrônomos seriam como historiadores intergalácticos, reconstruindo culturas de alta tecnologia perdidas das ruínas?

Loeb: É por isso que eu chamo de "arqueologia espacial".

Der Spiegel: Na publicação Astrophysical Journal Letters , você recentemente apresentou a hipótese de que os primeiros extraterrestres já podem estar aqui.

Loeb: Sim. Em 19 de outubro de 2017, o telescópio PanSTARRS no Havaí detectou um objeto incomum no céu. Ele estava se movendo tão rápido que deve ter se originado de algum lugar além do nosso sistema solar, tornando-o o primeiro visitante do espaço exterior que conhecemos. Foi batizado de Oumuamua.

Der Spiegel: É surpreendente encontrar um asteroide vagando pela galáxia e finalmente encontrar o caminho para nós?

Loeb: Bastante surpreendente, na verdade. Há dez anos, antes de o PanSTARRS começar a operar, calculei junto com dois colegas se esse instrumento seria capaz de encontrar algum objeto do espaço sideral. Assumindo que tais objetos são originários de sistemas solares semelhantes aos nossos, chegamos à conclusão de que a probabilidade é algo entre 1: 100 e 1: 100.000.000.

Der Spiegel: Oumuamua não deveria existir?

Loeb: Exatamente. Além disso, é um objeto misterioso em outros aspectos também. Seu brilho muda drasticamente, sugerindo uma forma muito estranha. Uma esfera sempre refletiria a mesma quantidade de luz solar. Apenas um disco ou um corpo em forma de charuto às vezes virava sua borda e, às vezes, o seu lado mais largo em nossa direção, o que fazia com que ele tremulasse enquanto girava.

Der Spiegel: Mas só porque tem uma forma estranha, não significa que Oumuamua é uma nave espacial.

Loeb: Eu concordo. Mas quanto mais descobrimos sobre esse objeto, mais estranho ele ficou. Em junho, um artigo foi publicado na revista Nature descrevendo a órbita de Oumuamua. Difere significativamente de uma órbita moldada apenas pelo campo gravitacional do Sol.

Der Spiegel: O que você conclui disso?

Loeb: Que houve alguma força adicional agindo em Oumuamua. Por exemplo, se fosse um cometa, poderia ter emitido gases enquanto voava além do Sol. Isso proporcionaria uma propina como em um foguete. No entanto, uma parte considerável de sua massa teria evaporado - cerca de 10%.

Der Spiegel: Isso é incomum para um cometa?

Loeb: Não necessariamente. Mas deveríamos ter visto esses gases. Apesar de uma investigação intensiva, nenhuma cauda de cometa foi descoberta. E há algo mais que é realmente estranho: a rotação de Oumuamua deveria ter mudado durante a liberação de gás, mas este efeito também não foi observado.

Der Spiegel: Que conclusão você tira disso?

Loeb: Eu comecei a pensar se poderia haver outra força atuando em Oumuamua. E a única em que consigo pensar é a pressão da luz do Sol.

Der Spiegel: Essa força é suficiente para ter um efeito observável em um corpo assim?

Loeb: Esse é o ponto crítico. O poder da radiação solar é relativamente fraco. Isso só poderia ter um efeito visível se Oumuamua for um objeto muito fino.

Der Spiegel: O que você quer dizer com "muito fino"?

Loeb: Menos de um milímetro de espessura, como uma folha de papel.

Der Spiegel: Como poderia algo assim ter acontecido? Já é difícil imaginar como um charuto gigante poderia ter se formado, mas uma folha gigante de papel?

Loeb: Eu não posso imaginar uma coisa dessas também. Ficaria muito grato se alguém aparecesse para fazer uma sugestão. Mas enquanto não houver uma explicação natural, ficamos com a possibilidade de que seja um produto artificial. Uma vela leve feita por seres inteligentes.

Der Spiegel: Isso soa como uma sugestão ultrajante. Se o primeiro objeto encontrado fora do nosso sistema solar for um artefato, isso levaria à conclusão de que tais artefatos podem ser muito mais comuns do que os asteroides ou cometas naturais. O espaço interestelar poderia ser apenas um gigantesco ferro-velho repleto de destroços de civilizações alienígenas?

Loeb: Você está abordando um ponto importante aqui. Nós resolvemos: Se Oumuamua é um objeto errante aleatório, todo sistema solar teria que produzir milhões de bilhões de tais objetos. A menos que não seja aleatório. Pode ser uma missão direcionada.

Der Spiegel: Você quer dizer que Oumuamua é uma sonda espacial ativa e está nos espionando?

Loeb: Só estou dizendo que é uma possibilidade. Eu sigo a lógica de um detetive, e Sherlock Holmes disse: "Se você descartou o impossível, então o que resta é a verdade, por mais improvável que possa parecer".

Der Spiegel: Não é exatamente comum um cientista respeitado fazer essas sugestões. Como outros cientistas reagiram?

Loeb: A maioria deles concorda que Oumuamua é muito estranho. Mas ainda assim, eles hesitam em dizer que pode ser um objeto artificial.

Der Spiegel: Especular sobre alienígenas é uma ideia bem exótica. Você pode também dizer que houve mágica envolvida, ou algum criador divino.

Loeb: De modo nenhum. Pensar em civilizações distantes não é especulação. Sabemos que existimos, pelo menos uma forma de vida desenvolveu tecnologia avançada. E sabemos que existem condições semelhantes às da Terra em um quarto de todos os sistemas planetários em torno de outras estrelas. Por que, então, não deveria haver seres inteligentes em outro lugar? Eu sigo o que chamo de princípio da modéstia cósmica. Nós, seres humanos, tendemos a pensar em nós mesmos como algo especial, mas a história tem mostrado repetidamente que isso é uma ilusão. Nós pensamos que a Terra estava no centro do universo, mas gira em torno do Sol, que gira em torno do centro da nossa galáxia, que é apenas uma das bilhões de galáxias do universo. O princípio da modéstia cósmica exige que nós assumamos que também não somos nada especiais do ponto de vista biológico.

Der Spiegel: Algumas pessoas acusaram você de apenas tentar atrair a atenção com sua hipótese de nave espacial Oumuamua.

Loeb: Isso é um absurdo. Eu nem sequer publiquei um comunicado de imprensa no nosso jornal. Se eu estivesse interessado em atrair atenção, eu teria feito isso. Mas não é disso que se trata. Minha única motivação é pensar no mundo. Eu não me importo com o que as pessoas pensam.

Der Spiegel: Poderia ser essa a razão pela qual você acha que Oumuamua pode ser uma vela leve e porque você está trabalhando em um projeto como parte do Breakthrough Starshot?

Loeb: Eu não nego que minha imaginação é limitada pelo que sei. Certamente minhas ideias são influenciadas pelo que estou trabalhando, mas isso é verdade para todos.

Der Spiegel: O que é o projeto Breakthrough Starshot?

Loeb: Tudo começou quando Yuri Milner, um empresário do Vale do Silício, veio ao meu escritório em maio de 2015 e perguntou se eu estaria disposto a liderar um projeto para enviar uma sonda à estrela mais próxima, a condição é que ela chegue enquanto ainda estivermos vivos.

Der Spiegel: Isso soa um pouco absurdo. Um foguete levaria dezenas de milhares de anos para chegar ao vizinho mais próximo, Próxima Centauri.

Loeb: Eu disse a Yuri que tinha que pensar sobre isso. Próxima Centauri está localizada a quatro anos-luz da Terra. Para chegar lá em 20 anos, uma sonda teria que viajar a um quinto da velocidade da luz. Depois de seis meses, tive uma ideia clara do conceito.

Der Spiegel: Qual é?

Loeb: Uma coisa estava clara: eu tive que descartar qualquer tipo de propulsão com o combustível da sonda a bordo. Mesmo com plutônio, a densidade de energia é baixa demais para atingir essas velocidades. É por isso que uma vela leve, acelerada por um poderoso laser da Terra, parecia ser o único caminho viável. A ideia é acelerar a sonda com um raio laser de 100 gigawatts por alguns minutos. Quando estiver cinco vezes mais longe que a lua, terá atingido um quinto da velocidade da luz.

Der Spiegel: Desde que a sonda seja muito pequena e leve.

Loeb: Sim. Nós planejamos uma carga de cerca de um grama. A sonda precisa de uma câmera e também de um dispositivo de navegação e comunicação. A miniaturização da eletrônica nos permite acomodar tudo isso.

Der Spiegel: O laser teria que ser extremamente poderoso. Não há perigo de que sua minisonda se evaporar assim que for atingida pelo feixe?

Loeb: Para evitar que isso aconteça, precisamos de um material que reflita quase completamente a luz laser recebida. Deve ser um espelho perfeito que absorva menos de 100.000 da luz. Mas esses materiais já existem.

Der Spiegel: Seu plano exige continuar acelerando a sonda mesmo quando ela estiver a um milhão de quilômetros da Terra. É possível focar a luz do laser com tanta precisão?

Loeb: Sim, é. Nosso conceito é instalar muitos lasers infravermelhos pequenos em uma área de um quilômetro quadrado. Isso nos permitirá focar o raio até cerca de cinco vezes a distância da Lua. Esta é uma limitação importante, a propósito. Se pudéssemos focar o feixe a uma distância maior, poderíamos usar lasers menos potentes, porque poderíamos acelerar a sonda por um longo período de tempo.

Der Spiegel:  20 anos depois, se a sonda realmente chegar ao seu destino, ela precisa tirar fotos e enviá-las de volta à Terra. Mas é improvável que o transmissor a bordo seja mais poderoso do que aqueles em um telefone celular normal. Isso é suficiente para transmitir um sinal ao longo de quatro anos-luz?

Loeb: Viajando através de tal distância, o feixe do sinal de rádio se espalhará para mais do que o tamanho da órbita da Terra ao redor do Sol. Assim, a sonda só tem como alvo o Sol e a Terra estará dentro da pegada de sinalização. No entanto, precisaremos de um grande receptor na Terra.

Der Spiegel: Vamos supor que tudo isso realmente funcione e você receba uma foto de Próxima Centauri em algum momento de 2050 ou algo assim. Será que essa imagem vale os US $ 10 bilhões que o projeto custará?

Loeb: Por um lado, será possível enviar muitas sondas para o espaço depois que o sistema de lançamento for construído, porque a parte cara é a infraestrutura do feixe de laser. As sondas em si serão relativamente baratas. Além disso, o projeto Starshot não é sobre a foto em si. É sobre demonstrar que podemos deixar o sistema solar. Isso abrirá a porta para uma fronteira completamente nova de exploração espacial.

Der Spiegel: Você poderia também enviar uma sonda assim depois de Oumuamua para descobrir se ela realmente tem a forma de uma vela?

Loeb: Sim, isso é possível. Oumuamua está se movendo muito rápido para um foguete, mas com uma vela de luz movida a laser, seria possível alcançá-lo, mesmo a um 10% da velocidade da luz.

Der Spiegel: Ainda assim, parece improvável que isso aconteça. Existem outras maneiras de descobrir se há alguma verdade em sua hipótese de Oumuamua?

Loeb: Absolutamente. Em poucos anos, o Grande Telescópio de Levantamento Sinóptico entrará em operação, o sucessor do PanSTARRS. Se objetos como Oumuamua são aleatoriamente espalhados no espaço, este instrumento deveria ver milhares deles e então poderíamos estudá-los muito mais detalhadamente. Além disso, os corpos celestes de origem distante provavelmente já estarão orbitando dentro do nosso sistema solar. Os campos gravitacionais do Sol e Júpiter agem como uma rede de pesca que pode capturar corpos que chegam do espaço exterior.

Der Spiegel: Eles podem ser distinguidos dos muitos asteroides locais dentro do sistema solar?

Loeb: Sim. Porque eles vêm até nós a partir de direções arbitrárias, suas órbitas tendem a ser inclinadas em relação ao plano das órbitas planetárias. Nós até identificamos alguns candidatos.

Der Spiegel: E agora você gostaria de investigar mais de perto?

Loeb: Sim. Vejo isso como uma maneira totalmente nova de estudar sistemas planetários distantes sem o incômodo de viajar até eles. É como um jantar em que um convidado acaba vindo de um país distante. Apenas por entrevistar o convidado, você pode aprender muito sobre este país sem a necessidade de pagar a passagem aérea e ir para lá. Quando se trata de Oumuamua, só nos apercebemos disso depois de o hóspede já ter saído e desaparecido porta afora. Quanto ao próximo visitante, vamos estudá-lo mais cedo e mais detalhadamente.

Der Spiegel: Mudar de perspectiva por um momento: se realmente existe uma civilização altamente avançada em algum lugar lá fora, eles já terão aprendido que existem alguns seres inteligentes aqui no planeta Terra?

Loeb: Se esta civilização é tão tecnicamente avançada quanto nós, eles devem ser capazes de detectar nossos sinais de rádio a uma distância de dezenas de anos-luz.

Der Spiegel: Seria desejável entrar em contato com eles?

Loeb: Isso depende de quão otimista você é em relação às suas intenções. Se esses seres são pacíficos, poderíamos aprender muito com eles.

Der Spiegel: O evento histórico aqui na Terra que provavelmente se aproxima mais da chegada dos alienígenas foi o desembarque de Cristóvão Colombo nas Américas. Para os povos que vivem lá, esse evento acabou por ser uma catástrofe.

Loeb: Eu concordo. Portanto, a melhor coisa a fazer é ouvir primeiro. Uma vez que detectamos um sinal, podemos descobrir o que fazer.

Der Spiegel: Professor Loeb, obrigado por esta entrevista.

Fonte: Spiegel.de, Entrevista conduzida por Johann Grolle

Já está no ar a Edição 265 da Revista UFO. Aproveite!

Fevereiro de 2019

O enigma das sondas