DESTAQUE

Nono planeta do Sistema Solar pode existir, de acordo com astrônomos

Por
21 de Janeiro de 2016
Concepção artística do proposto Planeta 9, que possivelmente será encontrado em breve
Créditos: Caltech/R. Hurt

Por anos, a existência de um Planeta X, que seria o nono mundo do Sistema Solar, foi taxada pelos astrônomos como uma bobagem. Contudo, em artigo publicado no The Astronomical Journal dois astrônomos do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), Konstantin Batygin e Mike Brown, apresentaram cálculos que comprovariam, segundo eles, a existência desse distante mundo. Brown é famoso por ter descoberto Sedna, planeta anão situado no Cinturão de Kuiper e que levou à reclassificação de Plutão na mesma categoria.

Contudo, os mistifcadores que defendem a existência de mundos imaginários como Nibiru não devem se animar. O Planeta 9, como está sendo chamado, teria uma órbita extremamente distante e eliptica. O periélio, máxima aproximação com relação ao Sol, seria de 200 Unidades Astronômicas (AU), ou seis vezes a distância entre a estrela e Netuno, o planeta mais distante. O afélio, ponto de máximo afastamento, estaria entre 600 e 1.200 AU. O astro levaria algo entre 10.000 e 20.000 anos para completar uma volta em torno do Sol.

Em seu trabalho, Batygin e Brown afirmam que a massa do Planeta 9 seria aproximadamente dez vezes a da Terra. Isso o colocaria na classe das superterras, ou mesmo dos mininetunos, caso seja um mundo gasoso. Os dois astrônomos começaram o trabalho pesquisando as estranhas órbitas de objetos do Cinturão de Kuiper, como Sedna e 2012 VP113, este último também codescoberto por Brown. Suas órbitas são muito excêntricas ou elípticas, e apontadas para a mesma direção do espaço. Além disso as inclinações de tais órbitas são muito similares, cerca de 30 graus em relação a dos planetas principais, e esses pequenos mundos ainda se movem a velocidades diferentes. A possibilidade de tal fenômeno ocorrer sem qualquer influência é de 0,007 por cento, o que de acordo com a dupla de astrônomos sugere que um corpo de grande porte, situado muito além de Netuno, poderia tê-los colocado em suas presentes trajetórias devido a sua influência gravitacional.

COMPLEXOS CÁLCULOS E SIMULAÇÕES MATEMÁTICAS

crédito: Caltech/R. Hurt
Órbita proposta para o Planeta 9; o pequeno círculo central é a órbita de Netuno
Órbita proposta para o Planeta 9; o pequeno círculo central é a órbita de Netuno

Por meio de complexas simulações de computador, eles analisaram as órbitas excêntricas dos pequenos mundos no Cinturão Kuiper, chegando à conclusão de que o periélio do hipotético mundo estaria no lado oposto do Sol em relação aos demais planetas. Dessa maneira a simulação teve uma exata correspondência com os planetas anões, e vale lembrar que Netuno foi descoberto, ainda no século XIX, graças a uma série de cálculos matemáticos sobre a órbita de Urano. O nono e hipotético mundo teria massa 5.000 vezes maior que a de Plutão, dominando inteiramente sua vizinhança e preenchendo os requisitos da União Astronômica Internacional para ser classificado como planeta. É possível que esse astro já tenha aparecido em imagens dos extremos do Sistema Solar, faltando somente uma análise para encontrá-lo. E como Brown e Batygin previram que o novo mundo seja visível no hemisfério norte neste momento, o instrumento mais adequado para procurá-lo é o telescópio Subaru, no Havaí. Este tem 8,2 metros de abertura, e já foi utilizado para refinar o artigo dos dois cientistas. Agora que os cálculos finais já foram apresentados, o telescópio será apontado para as regiões mais promissoras. Mike Brown afirma que, caso exista, a magnitude do Planeta 9 seja de 24º ou 25º grandeza.

Abaixo, mais uma imagem da órbita do Planeta 9, de acordo com os cálculos:

crédito: Sciencemag.org
Órbita que os cálculos indicam para o Planeta 9
Órbita que os cálculos indicam para o Planeta 9

Segue uma imagem da alegada órbita de Nibiru:

crédito: Arquivo
Suposta órbita de Nibiru
Suposta órbita de Nibiru

Como fica evidente, não há qualquer relação entre o possível fato científico e as alegações de mistificadores.

O artigo de Konstantin Batygin e Mike Brown foi publicado no The Astronomical Journal

Confira um infográfico do proposto Planeta 9

Vídeo do Caltech sobre a teoria que defende o novo planeta

Confira outro vídeo sobre o Planeta 9

Boatos de fim do mundo ressurgem com alinhamentos e elipses

E o fim do mundo novamente não aconteceu

Novas fotos de Plutão exibem características intrigantes

Regiões brilhantes de Ceres são depósitos de sais

Novo objeto pode ser o mais distante corpo do Sistema Solar

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial

crédito: Revista UFO
Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial
Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial

Veja em 50 Anos de Exploração Espacial os momentos mais emocionantes da trajetória da NASA, desde o primeiro homem em órbita até as missões do ônibus espacial. A série contém ainda detalhes do funcionamento de satélites espiões, do desenvolvimento da Estação Espacial Internacional e da implantação do telescópio Hubble. Conheça a verdadeira razão de não voltarmos mais à Lua e descubra que o destino agora é Marte, Vênus, Júpiter e mundos além do Sistema Solar, e quais são os planos da NASA para alcançá-los.

Já está no ar a Edição 226 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2015

A revelação pode vir de dentro para fora