DESTAQUE

NASA quer padrões para avaliar alegações de vida extraterrestre

Por
28 de Julho de 2021
Cientistas podem um dia anunciar que encontraram vida nos mares da lua de Saturno, Titã. Mas como teremos certeza?
Créditos: NASA/JPL-Caltech

O crescente campo da astrobiologia e sua busca por vida além da Terra tem muitos obstáculos, desde a caça por exoplanetas habitáveis até a tentativa de entender a vida como não a conhecemos. Todas as etapas desta pesquisa são desafiadoras, mas a última etapa pode ser a mais assustadora de todas: como provar aos colegas cientistas que as alegações sobre vida extraterrestre são válidas e, em seguida, como comunicar as descobertas ao público de forma responsável.

Com mais alegações desse tipo esperadas no futuro, o cientista-chefe da NASA Jim Green e seus colegas estão cada vez mais interessados em criar padrões da comunidade para avaliar tais descobertas. Desde a exploração da sonda Viking a Marte na década de 70, e tão recentemente quanto as especulações do ano passado sobre uma possível vida na atmosfera de Vênus, as alegações de possível vida extraterrestre encontraram forte resistência e debate contencioso de outros cientistas. Alguns pesquisadores da área se preocupam com o fato de que conflitos recorrentes colocam em risco a credibilidade da astrobiologia ou diminuem a real importância científica de algumas descobertas porque, em última análise, se descobriu que não são detecções de vida.

Como resultado, mais de uma centena de cientistas representando uma variedade de disciplinas estão se reunindo (virtualmente) sob os auspícios da NASA. Eles discutirão questões que vão desde como aumentar a confiança científica em detecções de bioassinatura até a melhor forma de transmitir o nível de confiança em novas descobertas para não cientistas. A esperança é que isso leve a “melhores práticas” formais e talvez até mesmo a protocolos de relatórios para cientistas que trabalham na área. Green disse em uma entrevista: “A descoberta de uma bioassinatura potencial na atmosfera de um planeta é importante, mas é apenas o começo. Você tem que examinar os potenciais falsos positivos, se existem maneiras não biológicas de formar o produto químico, se a medição é um artefato do seu instrumento, se o ambiente no planeta é propício ou hostil à vida, se a água está presente.”

Aplicar essa cadeia de raciocínio poderia resultar em uma espécie de escala de credibilidade para o público em geral recorrer ao ler sobre novos resultados em astrobiologia. “O que imaginamos é uma escala a ser trabalhada pela comunidade; uma avaliação mais formal de confiança que eles podem usar para descrever o quão longe um achado pode estar na detecção da vida.” Green e Mary Voytek, cientista sênior de astrobiologia da NASA, começaram a discutir seriamente a necessidade de novas diretrizes para relatórios de detecção de vida no ano passado e, em seguida, trouxeram vários colegas da NASA. Um deles foi Tori Hoehler, um cientista pesquisador da NASA Ames que se concentra na habitabilidade de ambientes além da Terra e na detecção de qualquer vida que possa residir lá.

Hoehler disse que o grupo que organizou o workshop desta semana tinha uma ideia do que poderia ser necessário, mas queria a opinião da comunidade em geral: “Isso pode envolver mudanças em como as coisas são tradicionalmente feitas – por exemplo, para uma equipe de pesquisa ter discussões francas com outros cientistas em seu campo antes de enviar um artigo para publicação. Mas há muita discussão a ser realizada primeiro sobre bioassinaturas e como avaliar e aumentar a confiança nas afirmações feitas sobre elas.” Este aumento de confiança é essencial porque qualquer “descoberta” provavelmente será relatada em termos de probabilidade. Por exemplo, uma probabilidade de 90% pode ser considerada uma descoberta robusta de que a vida realmente foi encontrada.


Recentes descobertas, como metano em Marte, não necessariamente representam evidências de vida.
Fonte: Nasa/JPL-Caltech

Embora a ideia de um workshop tenha vindo de funcionários da NASA, ela foi organizada e muitas de suas ideias foram desenvolvidas sob os auspícios da iniciativa Nexus for Exoplanet System Science (NExSS) e seu grupo Network for Life Detection (NfoLD). As chefes do workshop, Victoria Meadows, da Universidade de Washington, e Heather Graham, do Goddard Space Flight Center da NASA, fazem parte dos comitês diretivos desses grupos, que são patrocinados pela NASA, mas incluem membros de muitas outras instituições. Em seu discurso de abertura para os participantes do workshop, Meadows argumentou porque os padrões de evidências e os protocolos de relatórios são importantes.

Ela disse: “A detecção de vida extraterrestre em nosso sistema solar e além provavelmente não será instantânea nem inequívoca, mas é uma conquista científica de alto risco que atrairá enorme interesse público.” Os objetivos do workshop, ela disse aos participantes, são estabelecer padrões de confiança amplos separados do processo de revisão por pares que já vai decidir quais descobertas e artigos são adequados para publicação em periódicos de pesquisa. A copresidente Heather apresentou a ideia de cinco “Níveis de Confiança” para avaliar novas alegações relacionadas à biologia extraterrestre. Eles incluem testes rigorosos de qualquer bioassinatura reivindicada, análise de artefatos de instrumentos e um estudo profundo para saber se o ambiente era possivelmente propício à vida. Também incluiria testes rigorosos da “hipótese nula”, que nesses casos é presumir que qualquer biologia observada, ou sugestão de biologia passada, é devido a erro de amostragem ou experimento até que se prove o contrário.

Ela achou que as sessões do workshop poderiam esquentar – como algumas discussões sobre possíveis descobertas de detecção de vida – mas aconselhou os participantes a serem colegiais. Ela disse aos participantes: “Muitos desses tópicos são profundamente apaixonantes e pessoais para nós e esperamos um debate ativo. Vamos nos divertir com isso. Devemos realmente abraçar a grande emoção deste campo.” O workshop incluiu sessões de discussão focadas em exoplanetas, Marte e mundos gelados. Os participantes discutiram como a confiança desejada em um determinado achado poderia ser aumentada por meio de várias linhas de detecção usando uma variedade de instrumentos; por meio de uma análise rigorosa sobre se o planeta em questão poderia ou não realmente sustentar a forma de vida reivindicada; e incluindo na análise uma ampla gama de cientistas de diferentes disciplinas.

As conclusões e recomendações da conferência de quatro dias, que incluiu a participação de cientistas na Europa e na Ásia, serão sintetizadas em um livro que será apresentado neste outono (hemisfério Norte, primavera no Sul) para as comunidades mais amplas de astrobiologia, ciência planetária e astronomia, e então para a NASA. Green colocou o esforço no contexto de outras escalas de confiança nas quais a agência confia. A escala Torino de 1 a 10, por exemplo, é usada para avaliar a probabilidade de um asteroide atingir a Terra. A NASA também usa uma escala de Nível de Prontidão Tecnológica para julgar se os instrumentos espaciais ou outro hardware ainda em desenvolvimento estão maduros o suficiente para serem incluídos em missões espaciais.

Green disse: “Precisamos de mais disciplina quando se trata de alegações de vida extraterrestre, e isso pode envolver uma reunião de marcos científicos. Eles podem ser úteis para discussões contínuas entre cientistas e, certamente, para comunicações com um público que espera de nós a confiança nas principais descobertas.”

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos