DESTAQUE

NASA está silenciosamente financiando uma caça a megaestruturas alienígenas

Por
15 de Julho de 2021
Ilustração de uma Esfera de Dyson, um tipo de megaestrutura alienígena hipotética.
Créditos: Cokada/GettyImages

O site Supercluster relatou em um artigo esta semana que a NASA silenciosamente começou a financiar a busca por “tecnoassinaturas.” São coisas como sinais de rádio ou mesmo megaestruturas; isto é, objetos artificiais em uma escala gigantesca, como hipotéticas esferas de Dyson.

As pesquisas por bioassinaturas têm sido bem financiadas nas últimas décadas. Em contraste, o financiamento da tecnoassinaturas teve uma história de altos e baixos. Em 1993, a NASA matou um programa de busca que visava encontrar sinais de micro-ondas de origem artificial. “Isso teve um efeito assustador por algumas décadas”, disse Steve Croft, um radioastrônomo e líder do projeto Breakthrough Listen, no Berkeley SETI Research Center. Mas desde o final de 2019, a NASA concedeu quatro concessões para financiar a pesquisa de tecnoassinaturas. Em novembro de 2020, a agência espacial deu uma bolsa a Ann Marie Cody, do Centro de Pesquisa Ames, da NASA, e a Croft, para pesquisar todo o céu em busca de objetos anômalos que transitem entre estrelas, causando seu escurecimento. É possível, embora incerto, que eles e seus colaboradores encontrem megaestruturas alienígenas artificiais.

Cody estuda as causas naturais do escurecimento, que fazem com que o brilho das estrelas varie. Eles podem variar de objetos em órbita, como exoplanetas ou exocometas, a fontes inerentes à estrela, como manchas solares. Em geral, escurecimento é uma ferramenta de investigação chave para descobrir novos exoplanetas ou outros objetos que “transitam” ou passam na frente de estrelas. Mas escurecer também deve fornecer uma maneira de identificar a presença de megaestruturas alienígenas, que podem bloquear a luz das estrelas. Com seus colaboradores, a dupla criará a primeira pesquisa em grande escala para tecnoassinaturas em trânsito. É um trabalho pioneiro tanto a nível técnico como organizacional.

“Estou emocionado em ver a NASA levando a caça a vida alienígena a sério”, disse David Kipping, astrônomo da Universidade de Columbia, ao Motherboard por e-mail. Kipping não estava envolvido no trabalho e realizou sua própria pesquisa de tecnoassinaturas de trânsito. Estimulada por um novo interesse no Congresso, a NASA realizou um Workshop de tecnoassinaturas em setembro de 2018. “O pessoal da NASA estava lá e eles estavam basicamente dizendo: ‘OK, o Congresso pediu para fazermos isso. Por onde começar? O que devemos financiar? O que isso implica?’”, disse Croft. Ele acredita que o aumento na detecção de exoplanetas também forneceu ímpeto para novos fundos do SETI. Por meio do uso de telescópios espaciais como o Kepler e agora o TESS, os astrônomos passaram a acreditar que uma em cada cinco estrelas tem um planeta potencialmente habitável. Como resultado, as pesquisas em astrobiologia decolaram. A NASA já gasta bilhões de dólares por ano em astrobiologia, para coisas como rovers de Marte, que ajudam a investigar se pode ter existido vida no planeta vermelho.

Na verdade, parece que se a NASA continuar a abraçar a missão de encontrar vida em outros planetas, então ela deve chegar a um acordo com a possibilidade de encontrar civilizações avançadas e distantes. Os esforços recentes do SETI foram auxiliados pelo fato de que eles se encaixam perfeitamente com a astronomia convencional. Os telescópios espaciais Kepler e TESS, que foram lançados para encontrar exoplanetas, também são instrumentos ideais para procurar tecnoassinaturas em trânsito. Em particular, o novo projeto de Cody e Croft irá analisar o conjunto de dados do TESS. O TESS foi lançado em 2018 para coletar os padrões de variação da luz em 85% do céu. Ele mede as “curvas de luz” das estrelas, que indicam como sua luz diminui, por exemplo, quando um exoplaneta passa na frente delas. As curvas de luz já revelaram mistérios além dos exoplanetas. Em 2015, astrônomos e cientistas cidadãos descobriram que uma estrela agora conhecida como estrela de Tabby, ou estrela de Boyajian, exibia escurecimento incomum, perdendo até 22% do brilho total. Desde então, os astrônomos surgiram com várias explicações naturais, incluindo possibilidades como a colisão de exoplanetas, que criaria uma mortalha de detritos grande o suficiente para bloquear a luz da estrela.


O telescópio espacial TESS será usado por Ann Marie Cody e Steve Croft para buscar sinais de tecnoassinaturas.
Fonte: NASA

“A estratégia para a pesquisa da equipe é ‘procurar o estranho’”, disse Croft - simplesmente, curvas de luz que carecem de boas explicações. A dificuldade está no tamanho dos dados. A equipe está desenvolvendo modelos de aprendizado de máquina para classificar automaticamente as milhões de variações de luz que o TESS irá captar. O objetivo é criar algoritmos bons o suficiente para classificar a maioria deles em causas conhecidas, como exoplanetas em trânsito, permitindo que os pesquisadores se concentrem nos casos que realmente se destacam. A pesquisa fornecerá uma primeira estimativa de quantas tecnoassinaturas em trânsito podem existir na galáxia. Em 2019, a NASA concedeu uma bolsa de pesquisa diferente para Adam Frank, da Universidade de Rochester, e colaboradores. Eles estão estudando o que os telescópios deveriam captar se observassem um exoplaneta com habitantes poluentes, ou habitantes que cobriram sua superfície com painéis solares. Este foi o primeiro projeto de pesquisa de tecnologia sem rádio que a NASA financiou.

Frank observou que o projeto dele e de seus colaboradores parte diretamente do trabalho com bioassinaturas. Em um trabalho inicial da década de 70, Carl Sagan observou que os astrônomos podiam usar telescópios para procurar oxigênio na atmosfera planetária. O oxigênio pode sinalizar a presença de uma biosfera e, portanto, atuar como uma bioassinatura. Mas quando os pesquisadores investigaram a ciência com mais cuidado, perceberam que havia outras maneiras de um planeta manter o oxigênio além de ter vida. Os pesquisadores desenvolveram uma ideia sofisticada do tipo de assinatura de oxigênio que seria um sinal morto. Frank e seus colegas pretendem fazer o mesmo com as assinaturas tecnológicas.

Pesquisadores como Kipping já modelaram como pode ser uma observação de uma verdadeira tecnoassinatura em trânsito. Ela poderia ser criada, por exemplo, por uma megaestrutura envolta de estrelas em formato de um abajur, com fendas cortadas. Essas fendas podem ser feitas propositalmente para diminuir a intensidade da estrela em um padrão análogo aos dígitos de pi, o que seria claramente não natural. Croft e sua equipe planejam executar esse tipo de assinatura de teste por meio de seus modelos em um processo chamado “injeção de sinal”, para garantir que o modelo os sinalize corretamente. “Se não os detectarmos, talvez o modelo simplesmente não seja sensível a esses dados, ou talvez precisemos ajustar ele de alguma forma para que detecte isso, e então ficaremos felizes”, disse Croft. Em uma colaboração com um professor do ensino médio, ele já mostrou que o software deles pode sinalizar corretamente o sinal de rádio distante da espaçonave Voyager 1 como uma tecnoassinaturas anômala em dados de rádio de fundo.

Com base no histórico de pesquisas anteriores, é improvável que a pesquisa atual encontre algo inequivocamente estranho. No entanto, é provável que surjam fenômenos intrigantes de origem natural. “Será emocionante ver o que encontraremos, mesmo que apenas estranhezas astrofísicas”, disse Cody ao Motherboard por e-mail. Não encontrar nada de estranho também é útil por outras razões. Uma vez que os pesquisadores tenham descartado um tipo de busca, eles saberão onde procurar em seguida - contanto que a NASA continue a financiá-los. Com base nas evidências do ano passado e na natureza vencedora das propostas atuais, isso parece cada vez mais provável de acontecer.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos