DESTAQUE

"Não é matéria escura, é informação", diz cientista britânico

Por
25 de Janeiro de 2020
Matéria escura ou informação?
Créditos: Hyperscience

Há anos os cientistas buscam pela matéria escura, cuja existência foi teorizada por causa de efeitos gravitacionais estranhos, que só seriam explicados pela presença de uma grande quantidade extra de massa. Como ninguém consegue ver essa massa, ela ganhou o nome de matéria escura.

Agora, um físico teórico da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, encontrou uma solução para ninguém, nunca, ter conseguido detectar a matéria escura: ela não existe! O universo, na verdade, seria composto por informação. “A informação é a matéria básica do cosmos”, disse o doutor Melvin Vopson.

 

Universidade de Porstmouth

Massa-energia-informação

Mas informação tem massa? Bem, é aqui que entra a hipótese de Vopson, chamada de “Equivalência massa-energia-informação”. Para sermos claros, a ideia de que a informação é um bloco essencial de construção do universo não é nada nova. A teoria existe desde meados do século XX, e foi inicialmente proposta por Claude Elwood Shannon.

Mais tarde, ela foi trabalhada por diversos cientistas como, por exemplo, John Archibald Wheeler, cuja frase “tudo é informação”, é famosa até hoje Ele também cunhou a frase “it from bit”, querendo dizer que cada partícula do universo emana da informação inserida dentro dela. Wheeler teria dito, em 1989, que tudo no universo “deriva sua função, seu significado, sua própria existência inteiramente das respostas suscitadas pelo aparato às perguntas do tipo sim ou não, de escolhas binárias, dos bits”.

Assim, o que Vopson fez foi pegar essa noção e levá-la um passo adiante: a informação não é apenas uma unidade essencial do universo, ela possui energia e massa. “Sou o primeiro a propor o mecanismo e a física por meio da qual a informação adquire massa”, disse o físico ao portal Big Think.

 

Provando a teoria

Para provar se sua teoria é correta ele propôs um experimento aparentemente simples: um dispositivo de armazenamento de dados vazio, que seria medido com um aparelho altamente sensível, depois preenchido com informação para ser medido novamente. Em seguida, o arquivo seria apagado e medido pela última vez.

O problema é que tal aparelho de medição ultrassensível ainda não existe – e criá-lo seria, provavelmente, uma empreitada enorme e cara. A hipótese de Vopson, caso seja provada, teria implicações gigantescas. Por exemplo, se informação é massa, então Vopson descobriu a quinta forma de matéria do universo.

Fonte: Hyperscience

Veja um documentário sobre o assunto com o físico eMichio Kaku:

Já está no ar a Edição 257 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2018

Nos limites da existência