DESTAQUE

Meteorito encontrado no Saara é mais antigo que a própria Terra, revelam cientistas

Por
11 de Março de 2021
A origem do Erg Chech 002 pode ter sido um protoplaneta despedaçado em uma colisão.
Créditos: JPL/Caltech

Cientistas revelaram que uma rocha vulcânica encontrada no deserto do Saara em 2020 tem aproximadamente 4.6 bilhões de anos, ou seja, sua formação é mais antiga do que a própria Terra. Com isso, tornou-se o exemplar mais primitivo de magma do espaço já encontrado, afirma um estudo recente, publicado no periódico PNAS, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, neste mês.

O meteorito Erg Chech 002, ou EC 002, pode ter se formado a partir da crosta de um protoplaneta, ou seja, um grande corpo rochoso em desenvolvimento, conhecido como um “planeta bebê”, que foi destruído. “Outra possibilidade é que ele tenha sido absorvido por planetas rochosos maiores durante a formação do sistema solar”, informou o portal de notícias Live Science no dia 08 de março.

Entre os milhares de meteoritos de rochas vulcânicas, o EC 002, achado na Argélia em maio de 2020, se destacou na percepção dos pesquisadores, que o classificaram como um acondrito: um tipo de meteorito originário de um corpo com crosta e núcleo distintos. Após compará-lo com 10 mil objetos do banco de dados do Sloan Digital Sky Survey, a equipe, formada por especialistas de universidades francesas e uma japonesa, viu que ele era “claramente distinguível de todos os grupos de asteroides”.

“Nenhum objeto com características espectrais semelhantes ao EC 002 foi identificado até o momento”, afirma a pesquisa. Os cientistas observaram que, enquanto a maioria tem origem em lava resfriada rapidamente, rica em ferro e magnésio, a composição do EC 002 indica que a crosta de onde veio era feita de andesita que, por sua vez, é rica em sílica. O estudo concluiu que a rocha veio de um reservatório de magma parcialmente derretido na crosta de seu protoplaneta, há 4.6 bilhões de anos. Eles acreditam que o estudo deste tipo de meteorito ajude a entender como ocorre a formação dos planetas.


O estudo do meteorito encontrado no deserto do Saara pode ajudar a entender como se formam os planetas.
Fonte: A. Irving

“Este meteorito é a rocha magmática mais antiga analisada até hoje e lança luz sobre a formação das crostas primordiais que cobriam os protoplanetas mais antigos”, relataram os autores do estudo. Ainda que o meteorito seja avaliado como raro, os cientistas acreditam que crostas de andesita infundidas com sílica eram comuns durante o estágio de formação de protoplanetas no sistema solar.

No entanto, os planetas bebês podem ter sido amplamente despedaçados em colisões com outros corpos rochosos, ou absorvidos por planetas maiores, como a Terra, Marte, Vênus e Mercúrio, deixando poucos vestígios para gerar meteoritos como o EC 002. “Restos da crosta andesítica primordial são, portanto, não apenas raros no registro do meteorito, mas também são raros hoje no cinturão de asteroides”, escreveram os cientistas.

Fonte

Já está no ar a Edição 276 da Revista UFO. Aproveite!

Janeiro de 2020

A Ufologia e seus demônios