NOTÍCIA

Mesmo depois do mergulho final, Cassini nos presenteia com descobertas

Por Mel Polidori | 10 de Outubro de 2018

Sonda Cassini em Saturno
Créditos: NASA

Mesmo depois do mergulho final, Cassini nos presenteia com descobertas

A Agência Espacial Norte-Amerinaca (NASA) lançou a espaçonave Cassini, com 20 anos de idade, na atmosfera de Saturno, onde foi incinerada para nunca voar novamente. Cassini já estava praticamente sem combustível e trabalhando “hora extra”, por mais anos do que deveria durar. Porém, a queda serviu para propósitos científicos: pela primeira vez, Cassini pôde estudar o espaço entre os anéis de Saturno e o planeta.

Na última quinta-feira (4), o periódico Science publicou uma coletânea de estudos sobre as órbitas finais da Cassini: há informações sobre o campo magnético de Saturno e cinturões de radiação que cercam porções do planeta. Além da surpresa da descoberta de que o anel D de Saturno – o mais próximo do planeta – está fazendo chover moléculas orgânicas como metano, feito de carbono e hidrogênio. Antes do mergulho de Cassini na região entre Saturno e seus anéis, cientistas acreditavam, através de observações óticas de muito longe, que a região era livre de poeira.

Mas estas novas descobertas deixam claro que “10 toneladas de materiais estão entrando na atmosfera de Saturno por segundo através de seu anel mais próximo”, afirmou um dos co-autores do estudo. Isso muda a forma como cientistas pensam sobre a química acima da atmosfera de Saturno, já que agora eles sabem que algumas das moléculas atmosféricas dali provém dos anéis. 

Como muitas descobertas do tipo, ela levanta mais questões do que responde. Por exemplo: por que a poeira que chove dos anéis é composta de materiais orgânicos se são feitos de água congelada? Ademais, os pesquisadores não têm certeza se o anel D de Saturno irá eventualmente desaparecer, ou se há algum processo que irá preenche-lo novamente com outros tipos de materiais. 

Porém, o mais empolgante é que Cassini descobriu que em Encélado, uma lua de superfície complexa de Saturno, existe água subterrânea e um ambiente propício para o surgimento de vida. A  NASA confirmou que há evidências de que a lua em questão possui moléculas essenciais para o desenvolvimento de vida.

Em estudo publicado no periódico científico Nature, os pesquisadores contam que, ao analisar dados de espectrometria da Cassini, descobriram que moléculas orgânicas e ricas em carbono são expelidas das rachaduras da superfície de Encélado. A hipótese deles é de que essas moléculas sejam o resultado de reações químicas entre o centro rochoso do satélite e seu oceano subterrâneo.

Com as novas moléculas, a lua Encélado se torna o único objeto além da Terra a ter os elementos essenciais para o surgimento de vida como a conhecemos e Cassini, nossa grande desbravadora espacial.

Acesse o artigo sobre Encélado no periódico Nature

Acesse os artigos sobre Cassini na Revista Science

Veja galeria das melhores fotos de Cassini

Faça o download do Cassini eBook

Assista: Cassini End of Mission Broadcast, vídeo da NASA:

Fontes:  Galileu, Science, NASA

Veja mais:

SpaceX dá espetáculo no céu da Califórnia e emociona entusiastas

Artefato semelhante a um UFO destruído aparece na beira de uma praia 

A Academia To The Stars revela ter sete pedaços de UFOs acidentados

A Terra está pronta para o Contato Alienígena?

Agência Espacial Europeia escolhe a Airbus para construir base na Lua

Avistamento de Ney Matogrosso esclarecido pelos analistas da UFO

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 261 da revista

Comentários

Livros
recomendados

DVDs
recomendados

Edições
recomendadas