DESTAQUE

Marinha retém dados sobre UFOs, diz congressista americano

Por
10 de Setembro de 2019
Congressista americano Mark Walker
Créditos: Stealingshare

O deputado Mark Walker, da Carolina do Norte, membro do subcomitê de Inteligência e Contra-Terrorismo, pediu ao secretário Richard V. Spencer em julho que descrevesse quais recursos a Marinha está dedicando à investigação dos avistamentos de UFOs. Ele também perguntou se as autoridades encontraram ‘evidências físicas’ para substanciar as alegações e se estão cientes de nações estrangeiras ou empresas privadas que introduziram tecnologias inovadoras que poderiam explicá-las.

O subsecretário da Marinha, Thomas Modly, respondeu em uma breve carta em 31 de julho que “o Departamento da Marinha leva esses relatórios muito a sério e continua registrando avistamentos e investigando completamente os relatos“, de acordo com uma cópia fornecida ao site POLITICO.

Mas Walker disse que está desencorajado pela aparente falta de vontade da Marinha em fornecer ao seu comitê mais dados sobre os chamados fenômenos aéreos não identificados – o termo que o Pentágono prefere aos ‘objetos voadores não identificados’, ou UFOs.

Ele expressou preocupação publicamente que essas naves poderiam representar uma ameaça para as forças ou o território dos EUA. Walker disse ao POLITICO em um comunicado: "Embora eu esteja encorajado, o Subsecretário da Marinha confirmou que os encontros com UAPs (UFOs) são totalmente investigados, mas há uma frustração com a falta de respostas às perguntas específicas sobre a ameaça que aeronaves superiores que voam no espaço aéreo dos Estados Unidos podem representar."

O porta-voz da Marinha, Joe Gradisher, respondeu que o serviço está preparado para acomodar quaisquer outras solicitações de informações do Congresso. Ele afirmou por e-mail ao POLITICO: "No momento, porém, não recebemos novos pedidos de atualizações sobre esse assunto."

O interesse do Congresso nos relatórios de aeronaves não identificadas aumentou desde que o POLITICO e outros meios de comunicação no final de 2017 noticiaram que o Pentágono havia investigado os avistamentos por meio de um programa estabelecido em uma década pelo ex-senador Harry Reid, de Nevada.

Entre as revelações estavam avistamentos relatados por pilotos e outro pessoal designado para os grupos de batalhas dos porta-aviões USS Nimitz e USS Theodore Roosevelt em 2004, 2015 e 2016, incluindo imagens de naves desconhecidas exibindo características que parecem desafiar propriedades aerodinâmicas conhecidas.

O Pentágono também financiou uma série de estudos teóricos para tentar explicar como a aeronave poderia operar – variando de ‘Detecção e rastreamento de alta resolução de veículos em velocidades hipersônicas a “Motor de Dobra Espacial”, Energia escura e manipulação de dimensões extras.

Membros do Congresso em vários comitês de supervisão também buscaram informações confidenciais do Pentágono sobre a pesquisa nos últimos meses. A Marinha insistiu que está levando os relatos a sério, inclusive o potencial dos avistamentos serem explicados por ‘sistemas aéreos não tripulados’ ou drones sem piloto.

A breve carta de Modly a Walker, por exemplo, explica que “a ampla proliferação e disponibilidade de sistemas aéreos não tripulados (de sigla em inglês, UAS) baratos tornaram cada vez mais o conflito no espaço aéreo um problema para nossos aviadores”.

Em su resposta, Modly acrescentou que “as tripulações aéreas navais receberam orientações para determinar a frequência e a localização dos UAS (drones) operando em áreas de treinamento” e que a Marinha “continua a dedicar recursos ao rastreamento e investigação de relatos que podem afetar a segurança de nossas tripulações aéreas”.

O POLITICO informou pela primeira vez em abril que a Marinha atualizou o processo para o pessoal reportar aeronaves não identificadas. Mas Walker questionou especificamente a Marinha sobre ‘UAPs’ (UFO), não drones – citando relatórios de aeronaves viajando em alta velocidade e fazendo manobras que vão muito além do que se acredita ser tecnologicamente possível.

Em sua carta de 16 de julho a Spencer, Walker fez uma série de perguntas específicas sobre os avistamentos, incluindo: “O Departamento continua a dedicar recursos para rastrear e investigar as alegações? Em caso afirmativo, em que medida? O Departamento encontrou evidências físicas ou caso contrário, que substancia essas reivindicações?"

Em uma entrevista recente, Walker disse acreditar que o Congresso precisa saber o que mais os militares vêm fazendo desde que o Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais, criado por Reid, foi oficialmente encerrado em 2012. Walker perguntou: "Terminou? Se terminou, estamos documentando alguma coisa? De onde vêm os recursos? Essa é uma pergunta justa que os eleitores e o povo americano gostariam de saber."

Walker disse ao POLITICO que seu interesse permanente é principalmente por preocupação de que um adversário em potencial como a Rússia ou a China possa ter ultrapassado os Estados Unidos em tecnologia aeroespacial. Ele disse em comunicado ao POLITICO: "Se a Marinha acredita que a China ou a Rússia possuem tecnologias aeroespaciais avançadas que representam uma vulnerabilidade de segurança nacional, o povo americano tem o direito de saber o que seu governo está fazendo a respeito."

Na recente entrevista, Walker, um ex-pastor, também reconheceu que está aberto à possibilidade de que não haja explicações fáceis – ou que as respostas podem mudar a maneira como a humanidade percebe o universo conhecido. Ele adicionou: "A maneira como vejo isso: e se as agências governamentais dos EUA já souberem disso, mas o resto de nós não? Eu certamente tenho uma mente aberta para ver aonde isso nos leva. Vamos continuar no assunto e seguir adiante, como dissemos que queríamos fazer."


Colaboração: Canal João MArcelo e Tunguska Legendas

Fonte)

Já está no ar a Edição 271 da Revista UFO. Aproveite!

Agosto de 2019

Abdução em Pascagoula

UPDATED CACHE