DESTAQUE

Marinha americana motiva Ministério de Defesa britânico a reabrir os Arquivos-X

Por
10 de Maio de 2019
Ilustração
Créditos: Arquivo UFO

A Marinha dos Estados Unidos admitiu recentemente que UFOs foram encontrados perto de instalações militares, ao divulgar novas diretrizes para garantir que as aparições de fenômenos aéreos inexplicáveis sejam relatados e registrados adequadamente.

Agora, o Ministério da Defesa britânico (MoD) foi motivado a adotar uma abordagem semelhante para que militares e civis possam apresentar suas próprias observações misteriosas. Nick Pope, ex-chefe do departamento de investigação de UFOs do MoD, elaborou um documento estabelecendo como o Reino Unido deveria responder a eventos anômalos observados no céu.

O escritor e investigador britânico pediu que os avistamentos de UFOs fossem levados a sério e incentivou seu antigo empregador a implementar uma política semelhante às diretrizes da Marinha dos EUA. As autoridades fecharam os Arquivos-X da Grã-Bretanha, em 2009, e não mais abriram desde então. Pope publicou uma cópia de suas diretrizes e disse que estaria aberto a juntar-se ao MoD mais uma vez para investigar o Fenômeno UFO.

Pope disse: “Eu apoio fortemente a política da Marinha dos EUA, que é uma resposta sensata às questões de defesa, segurança nacional e segurança aérea levantadas pelo fenômeno - seja qual for sua verdadeira natureza. Espero que a iniciativa política dos EUA leve o Reino Unido a seguir o exemplo. É hora de reabrir o projeto UFO do MoD ou colocar alguns novos arranjos de relatórios em andamento.”

Para muitas pessoas, a sigla UFO evoca imagens de discos voadores e pequenos homens verdes. Mas há evidências crescentes sugerindo que pelo menos alguns relatos de aeronaves estranhas no céu podem ser confiáveis, embora os objetos sejam mais propensos a serem aviões espiões experimentais do que naves de exploração alienígena.

Nos Estados Unidos, os detalhes de uma campanha secreta de pesquisa chamada Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (AATIP) vazaram lentamente para o domínio público nos últimos dois anos. Além de investigar tecnologias avançadas como buracos de minhoca, antigravidade e armas a laser, o projeto investigou fenômenos aéreos inexplicáveis, incluindo observações de aeronaves viajando a velocidades extremas.

A Marinha também admitiu que recebeu uma série de relatórios de aeronaves não identificadas viajando para o espaço aéreo protegido em uma área militar, o que significa terras pertencentes às forças armadas americanas. Os chefes de defesa ficaram tão preocupados com os avistamentos que ordenaram o desenvolvimento de um novo processo para relatar e registrar visões misteriosas de aeronaves "não autorizadas" e "não identificadas".

No entanto, essas diretrizes ainda não serão divulgadas ao público. "Entendo porque a Marinha dos EUA se recusou a divulgar sua orientação política ao público, mas, para aqueles que querem saber, suspeito que minha versão seja muito semelhante à deles", acrescentou Pope.

 

Diretrizes de Nick Pope para o relato de fenômenos aéreos não identificados

  1. Uma recente iniciativa de política da Marinha dos EUA sobre “aeronaves não identificadas”, fazendo incursões em áreas controladas por militares e espaço aéreo designado, destacou a necessidade de orientação política similar no Reino Unido.

  2. O relatório atual é irregular. O término em 2009 do programa de pesquisa e investigação de OVNIs do MoD pode ter criado uma falsa percepção de que as autoridades militares não estavam preocupadas com tais relatórios. O termo “OVNI” é, por si só, inútil, tendo em vista a bagagem da cultura pop associada a ele. Os pilotos militares e civis foram dissuadidos de fazer relatórios, resultando em ocorrências potencialmente significativas que não são relatadas. Ocasionalmente, para evitar essa terminologia carregada, frases como “aeronave incomum” ou “helicóptero não convencional” foram usadas, ou - como no caso de incidentes recentes no Aeroporto de Gatwick - os avistamentos foram atribuídos a drones, que pode ou não ser a explicação neste caso. Para garantir a continuidade da terminologia, o termo UAP (Fenômenos Aéreos Não Identificados) deve ser usado.

  3. A recente iniciativa da Marinha dos EUA trouxe o requisito em foco, paralelamente ao reconhecimento pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos de alguns aspectos de seu programa AATIP (Programa Avançado de Ameaça e Identificação Aerospacial). Esse é um programa projetado para avaliar “ameaças avançadas de armas aeroespaciais estrangeiras do presente para os próximos 40 anos”, e que incluiu o estudo de “eventos anômalos, como avistamentos de veículos aerodinâmicos em manobras extremas, com fenomenologia única, relatados por Pilotos da Marinha dos EUA ou outras fontes confiáveis. ”

  4. Uma nova unidade MoD deve ser configurada para investigar todas essas ocorrências. As tripulações de todos os ramos das forças armadas que veem tais objetos/fenômenos, as tripulações civis, os operadores de radar que detectam alvos não correlacionados, e quaisquer outras testemunhas militares, MoD ou contratadas de defesa, fazem um relatório completo a esta unidade o quanto antes.

  5. O MoD deve investigar cada ocorrência minuciosamente, cruzando as visões visuais com dados de radar militares e civis, e o radar de rastreamento espacial no Sistema de Alerta Rápido de Mísseis Balísticos na RAF Fylingdales.

  6. Evidentemente, o HMG, o Ministério da Defesa, as Forças Armadas de HM e a CAA precisam estar cientes de todas as atividades na Região de Defesa Aérea do Reino Unido, devido às claras questões de defesa, segurança nacional e segurança aérea levantadas. Atividades aéreas incomuns (reais ou percebidas) podem ter várias causas diferentes, incluindo:

    • Atividade militar estrangeira (ou não estatal), envolvendo aeronaves, mísseis ou drones envolvidos em atividades operacionais, testes de voo, espionagem, terrorismo, contrabando de narcóticos ou tentativas de avaliar as capacidades de nossa rede de defesa aérea por meio de penetrações não autorizadas provocando uma resposta militar.

    • Projetos envolvendo tecnologias de protótipo operadas por outra parte das Forças Armadas, nações aliadas ou contratados de defesa, em circunstâncias em que o projeto pode ser altamente classificado, com informações mantidas apenas por poucos indivíduos com as devidas autorizações de segurança e necessidade de conhecimento.

    • Atividades com drones de empresas comerciais ou particulares envolvidos em fotografias aéreas legítimas ou ilegítimas, ou em atividades deliberadamente perigosas e/ou interruptivas. 

    • Identificações erradas de objetos ou fenômenos conhecidos.

    • Anomalias de radar.

    • Hoaxes

    • Delírios psicológicos.

    • Causas ainda desconhecidas.

 

Fonte: https://metro.co.uk

 

Conheça o  Curso

Portais Dimensionais: Os Universos Paralelos e os Seres Extraterrestres

www.portaisdimensionais.com.br

Inscriçoes abertas para o curso presencial e a distância

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre

UPDATED CACHE