DESTAQUE

Mais um impacto aconteceu em Júpiter

Por
31 de Março de 2016
Por ser o maior mundo de nosso sistema, Júpiter também é aquele que mais recebe impactos cósmicos
Créditos: NASA

O astrônomo amador irlandês John Mckeon observava Júpiter em 17 de março, a fim de capturar trânsitos das luas Io e Ganimedes com seu telescópio de 11 polegadas, modelo Schmidt-Cassegrain acoplado a uma câmera ASI120mm, quando conseguiu flagrar o momento em que uma pluma se levanta, no lado direito da imagem. O evento fortuito foi ainda captado na Austria, pelo também astrônomo amador Gerrit Kernbauer, com um telescópio Skywatcher Newton 200/1000. Os dois vídeos estão disponibilizados abaixo, mas o de Mckeon é mais claro.

Ainda não se sabe a natureza do corpo celeste que atingiu Júpiter, mas as suspeitas recaem em cometas e asteroides. O mais provável é que seja do último tipo, simplesmente porque são muito mais numerosos de acordo com Paul Chodas, que comanda o Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra da NASA. Ele acrescenta: "De nosso ponto de vista, isso nos lembra de que impactos em vários locais do Sistema Solar são reais, e Júpiter recebe a maior parte deles. Estamos observando esses fenômenos em Júpiter mais ou menos uma vez por ano, acredito que devido à melhora em nossa instrumentação". E, como já publicamos, a astronomia permanece como uma das ciências onde os amadores podem dar significativas contribuições.

Outro exemplo de impacto registrado recentemente foi o de 19 de julho de 2009, pelo astrônomo australiano Anthony Wesley, que observou um ponto escuro próximo ao polo sul de Júpiter. O objeto que o causou teve seu tamanho calculado em 500m. Wesley observou outro impacto em 03 de junho de 2010, também registrado por Christopher Go nas Filipinas. Em 20 de agosto do mesmo ano o japonês Masayuki Tachikawa observou o clarão de outro impacto, e mais um fenômeno semelhante foi visto em 12 de setembro de 2012 por Dan Peterson em Wisconsin, Estados Unidos. O mais conhecido impacto em Júpiter, e o primeiro a ser observado em outro planeta, aconteceu entre 16 e 22 de julho de 1994, quando o cometa Shoemaker-Levy 9, fragmentado em vários fragmentos de até 2 quilômetros de extensão.

crédito: John Mckeon
Momento do impacto em Júpiter
Momento do impacto em Júpiter

JÚPITER PROTEGE A TERRA DE IMPACTOS

Sabe-se hoje que o Shoemaker-Levy 9 havia sido provavelmente capturado pela gravidade do gigantesco planeta 20 ou 30 anos antes, e ao atingir certo ponto de proximidade a gravidade o despedaçou. Viajando a cerca de 216.000 km/h, os maiores impactos produziram nuvems de chamas maiores que a Terra, em fotos tomadas por vários instrumentos incluindo o telescópio espacial Hubble. Os impactos deixaram marcas escuras na atmosfera superior de Júpiter, e comprovaram definitivamente as ideias de Eugene Shoemaker, um dos descobridores do cometa, de que impactos cósmicos acontecem regularmente nos planetas. Shoemaker fora um dos especialistas que treinaram os astronautas da missão Apollo em geologia, e também um dos primeiros grandes defensores de uma iniciativa global de monitoramento dos céus, buscando proteger a Terra de impactos. E as mais recentes teorias apontam que Júpiter é essencial para a vida na Terra, atraindo boa parte de objetos que poderiam ser perigosos para nosso planeta.

crédito: NASA
Fotos do
Foto do Hubble mostrando os impactos do Shoemaker-Levy 9 em Júpiter

Confira as teorias sobre impactos de Eugene Shoemaker, parte 1, parte 2, parte 3 e parte 4

Veja o impacto gravado por John Mckeon

Gerrit Kernbauer também registrou o mesmo fenômeno

NASA abre escritório para proteger a Terra de asteroides

O meteoro, o asteróide e as mistificações

Meteoro explode no Atlântico além da costa brasileira

Falsa notícia de UFO orbitando asteroide se espalha

ONU completa primeira fase de trabalho para proteger a Terra de asteroides

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Buscando Vida Fora da Terra

crédito: Revista UFO
busca
Buscando Vida Fora da Terra

Enquanto cientistas de diversas áreas buscam respostas para a origem e o futuro da humanidade terrestre, a exobiologia vasculha vastas regiões do universo à procura de outras formas de vida. Com exuberantes imagens obtidas pela NASA e usando avançados recursos de computação gráfica, este documentário mostra como seriam as espécies que encontraremos no espaço e deixa claro que esta é apenas uma questão de tempo.

Já está no ar a Edição 203 da Revista UFO. Aproveite!

Agosto de 2013

O todo é maior do que a soma das partes