NOTÍCIA

Invasão alienígena na Noruega? Não; Teste da NASA

Por Mel Polidori | 09 de Abril de 2019

Configurações de luz estranhas e coloridas após uma aurora fizeram parte de um teste de foguetes da NASA.
Créditos: NASA Wallops

Invasão alienígena na Noruega? Não; Teste da NASA

Auroras são espetaculares shows de luzes fora do comum, mas uma exibição recente nos céus do norte da Noruega parecia coisa de outro mundo - ou quase isso. Na sexta-feira (05), aglomerados de luzes roxas, azuis e amarelas apareceram no céu noturno do país. À medida que as formas fantasmagóricas pairavam, seu brilho sinistro e sua formação incomum convidavam a especulações sobre a visita de espaçonaves alienígenas.

Mas os extraterrestres não estavam por trás da demonstração. Foi a NASA, lançando um novo sistema de foguetes da Noruega para estudar o fluxo de ventos na atmosfera superior da Terra, conforme representantes do Wallops Flight Facility da agência em Wallops, na Virgínia, twittaram naquele dia. [ Fotos da Aurora: as luzes do norte deslumbram nas imagens do céu noturno ]

 

 

 

Após a aparição de uma aurora boreal naquela noite, a NASA criou outro espetáculo de luz espetacular com compostos químicos, expelidos pelo Experimento de Foguetes de Elevação da Zona Auroral (AZURE). 

Esta é a primeira das oito missões de foguetes a serem lançadas nas bases norueguesas em Andoya e Svalbard. As missões analisarão as interações das linhas e partículas do campo magnético terrestre que bombardeiam nosso planeta, de acordo com uma declaração da NASAO AZURE foi o alvo da ionosfera, a camada de atmosfera eletricamente carregada que fica de 75 a 1.000 Km acima da Terra.

 

 

Durante o lançamento, os foguetes usaram traçantes químicos - trimetilalumínio (TMA) e uma mistura de bário e estrôncio - que se ionizam à luz do sol, permitindo aos pesquisadores rastrear o fluxo de partículas neutras e carregadas. Esses rastreadores ajudarão a NASA a medir os ventos verticais que misturam partículas eletricamente carregadas e energia através da atmosfera, registrando a densidade e a temperatura dos ventos, disse a agência.

Os traçadores foram liberados em altitudes de cerca de 114 a 249 km acima da superfície da Terra, e não representavam perigo para os residentes na região, ressaltou a NASA.  Quando os dois foguetes AZURE foram lançados - partindo quase ao mesmo tempo do Centro Espacial Andoya da Noruega - o fotógrafo Michael Theusner já tinha sua câmera treinada no céu, de um local a cerca de 180 Km ao sul do lançamento. 

Theusner, escrevendo em uma descrição do lapso de tempo no YouTube , disse que "coincidentemente" capturou imagens dos foguetes e de seu show subsequente de luzes. Quando Theusner viu as luzes coloridas da NASA, ele não sabia o que eram no começo; ele se referia às luzes como "um ataque alienígena", mas uma busca na internet logo revelou o que os causou, escreveu Theusner no YouTube.

Usando instrumentos nos foguetes e no solo, os especialistas irão rastrear os movimentos das coloridas nuvens "alienígenas" em três dimensões. Essa análise fornecerá dados importantes sobre como as partículas viajam pela ionosfera, para que os cientistas possam entender melhor o complexo balé de energia que gera as luzes do norte , disse a NASA.

Fonte: Live Science

 

Veja Mais:

Geraldo Lemos e os criadores de 'Data Limite segundo Chico Xavier' em Peruíbe

Uma física assustadoramente infinita de mundos possíveis

Existe vida lá fora? A possibilidade é de 110%, calcula Gevaerd

UFO no Morenão: 37 anos do maior avistamento coletivo da história

Meteoro cruza o céu de Campo Grande nesse domingo

Conheça o encantador de baleias...e de ETs

Hipótese da Simulação: a Matrix pode ser real?

Lech Walesa discursa sobre uma possível invasão alienígena

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 266 da revista

Comentários

Livros
recomendados

DVDs
recomendados

Edições
recomendadas