DESTAQUE

Impressionante avistamento de UFO por pilotos em 1968

Por
08 de Agosto de 2016
Um Caravelle da Iberia semelhante ao que protagonizou o incrível caso em 1968
Créditos: Arquivo

Pilotos de linhas aéreas, que diariamente operam equipamentos de milhões de dólares e a quem são confiadas as vidas de centenas de pessoas, são considerados as melhores testemunhas de observações de objetos voadores não identificados. Preparados para lidar com distâncias, velocidades e posições relativas, e conhecedores de fenômenos atmosféricos e astronômicos, eles não são facilmente confundidos quando protagonizam avistamentos, e muitas vezes seus relatos são consubstanciados por registros de radar e outros. Infelizmente as pressões profissionais acabam por impor uma cortina de silêncio sobre essas ocorrências, mas mesmo assim muitos casos marcantes são conhecidos, por profissionais que corajosamente decidiram vir a público narrar suas experiências.

Um desses casos teve como protagonista Juan Lorenzo Torres, veterano piloto da Iberia Airlines da Espanha. Nascido em Madri e filho de militar, ele teve uma distinta carreira nas Forças Armadas e chegou mesmo a voar com o Rei Juan Carlos, além de ter sido diretor de uma academia de aviação. Como é comum entre esses profissionais ele se voltou para a aviação civil e teve uma extraordinária experiência em 4 de novembro de 1968. Eram 18h23 e ele pilotava um Caravelle 6-R que havia saído de Londres com destino a Alicante, o voo Iberia Flight 249. O voo seguia normalmente quando a torre de Barcelona ordenou que realizassem uma manobra para baixar sua altitude de 31.000 pés para 28.000, a fim de não conflitar com outra aeronave no mesmo corredor aéreo. Como os pilotos já haviam pedido jantar e as bandejas com as refeições estavam na cabine, eles procuraram efetuar logo a manobra, a fim de não enfrentar turbulência enquanto estivessem comendo.

Torres ordenou ao copiloto que estivesse atento ao outro tráfego, para que depois pudessem jantar calmamente. Contudo, em segundos o que eles viram foi um fortíssimo facho de luz rumando precisamente contra seu avião, em curso de colisão. O comandante disse: "Ficamos boquiabertos e derrubamos as bandejas, pois aquilo era algo que jamais havíamos visto. Chamamos uma comissária para também testemunhar o que víamos". A equipe da cabine ficou aterrorizada enquanto o UFO se mantinha a uma distância aparente de dez metros do nariz do avião, movendo-se para cima, para baixo e para os lados, mas sempre retornando para uma posição diante da aeronave. Torres chamou pelo rádio em espanhol e inglês, mas não houve resposta do intruso. O contato com a torre de Barcelona não deu resultado, pois estavam longe da área de sua cobertura de radar, e o piloto então iniciou uma chamada de emergência no canal 121,5, de forma que qualquer aeronave nas proximidades poderia se comunicar com eles.

TENTATIVA DE COMUNICAÇÃO COM O OBJETO

crédito: Arquivo Revista UFO
Documento sobre o caso liberado nos anos 90
Documento sobre o caso liberado nos anos 90

O capitão Torres teve outra iniciativa: a de acender todas as luzes de seu avião na tentativa de se comunicar com o objeto. Ele conta: "Pelo rádio eu disse em espanhol que ligar e desligar as luzes duas vezes significava não, e uma vez significava sim". O comandante, nas diversas entrevistas que concedeu nos anos após o episódio, era sempre questionado se o UFO respondeu a sua sinalização, e afirmava: "Havia certa lógica nos movimentos do intruso". Torres ainda comenta: "Naquela noite, conforme descobrimos depois, todos dormimos muito mal. Fizemos um pacto de silêncio, mas o tenente-coronel Abreu, da torre de Barcelona, me chamou quando pousei e me disse que o radar do leste da Espanha havia captado a ocorrência. Pedi uma cópia dos registros e ele conseguiu para mim".

crédito: Arquivo
Outra página do documento
Outra página do documento

Contudo, o registro foi confiscado pelo tenente-coronel Ugarte após novo incidente na mesma rota, envolvendo outro Caravelle. Este era pilotado pelo comandante Ordovas e o mesmo engenheiro que acompanhava Torres, Jose Coenca, estava a bordo. Este caso ganhou a imprensa, pois uma comissária que o testemunhou era namorada de um jornalista, contudo a conclusão de Ugarte era que o responsável pelos dois avistamentos havia sido o planeta Vênus, com a qual o comandante Torres nunca concordou.

crédito: Arquivo
Juan Lorenzo Torres
Juan Lorenzo Torres

Dois casos envolvendo pilotos e UFOs na Argentina em 1974

Pilotos falaram sobre avistamentos de UFOs na FIDAE

Pilotos comerciais temem os UFOs

Piloto perseguiu UFO em 1957

Avistamento de discos voadores por pilotos nos céus do continente

Agência Federal de Aviação acusada de adulterar gravação de UFO

Saiba mais:

Livro: Terra Vigiada

crédito: Revista UFO
Terra Vigiada
Terra Vigiada

Terra Vigiada não é um livro comum, mas um verdadeiro dossiê fartamente documentado que comprova que inteligências extraterrestres observam e monitoram nossos arsenais atômicos. O livro contém dezenas de depoimentos prestados por militares norte-americanos que testemunharam a manifestação de discos voadores sobre áreas de testes nucleares, nas décadas de 40 a 70, comprovando que outras espécies cósmicas mantêm nossas atividades bélicas sob severa e contínua vigilância. Hastings vai mais além e mostra em Terra Vigiada que não é incomum discos voadores interferirem nos experimentos de lançamento, muitas vezes inutilizando as ogivas nucleares a serem detonadas, ou sobrevoarem silos de mísseis armados.

DVD: A Política de Acobertamento

Já está no ar a Edição 219 da Revista UFO. Aproveite!

Janeiro de 2015

Claro, eles voltaram!