DESTAQUE

Imagens do Hubble revelam novos aspectos da misteriosa matéria escura do universo

Por
12 de Setembro de 2020
Nebulosa de Orion
Créditos: NASA

Nosso universo está estruturado por algo indescritível e invisível que é responsável pela maior parte da massa nele existente, chamado matéria escura.

Os cientistas sabem que ela existe porque seus efeitos gravitacionais sobre coisas visíveis, como aglomerados de galáxias, são reais. Esses aglomerados são algumas das maiores estruturas do universo e contêm uma infinidade de galáxias individuais.

Se pudéssemos ver a matéria escura, ela poderia se parecer com o que os pesquisadores chamam de teia cósmica, que é essencialmente um andaime filamentar interconectado, onde as galáxias podem se formar.

Uma das maneiras pelas quais os astrônomos podem detectar essa misteriosa matéria é por meio de lentes gravitacionais, onde a gravidade distorce o espaço. 

Isso ocorre quando a gravidade da matéria escura, em um aglomerado de galáxias, atua como uma lente de aumento. Ela deforma e amplia a luz de galáxias distantes além do aglomerado.

Agora, os astrônomos descobriram que aglomerados menores de matéria escura, associados a aglomerados de galáxias individuais, estavam concentrados o suficiente para produzir efeitos de lente gravitacional 10 vezes mais fortes do que o esperado.

Usando o telescópio espacial Hubble e o Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul (ESO), no Chile, os cientistas detectaram essas distorções estudando 11 aglomerados de galáxias massivas. O estudo foi publicado sexta-feira na revista Science.

 

Com a ajuda do Hubble


Telescópio Hubble. Crédito: NASA

"Os aglomerados de galáxias são laboratórios ideais para entender se as simulações de computador do universo reproduzem de forma confiável o que podemos inferir sobre a matéria escura e sua interação com a matéria luminosa", disse Massimo Meneghetti, principal autor do estudo e professor adjunto do Instituto Nacional de Astrofísica de Bolonha, na Itália.

O detalhe que o Hubble pode capturar permitiu aos pesquisadores mapear a matéria escura presente nos aglomerados. Os dados também permitiram estimar a massa de cada galáxia, que incluía a quantidade de matéria escura.

Quando esses mapas foram comparados com aglomerados de galáxias simulados de massa e distância semelhantes, a quantidade de matéria escura não correspondia na escala menor - a matéria escura associada a aglomerados de galáxias individuais.

Missões futuras como o Telescópio Espacial Nancy Grace Roman, com lançamento previsto para meados da década de 2020, usarão lentes gravitacionais de grandes aglomerados de galáxias para encontrar galáxias ainda mais distantes. Esses dados podem então ser usados ??em modelos de matéria escura.

"Há uma característica do universo real que simplesmente não estamos capturando em nossos modelos teóricos atuais", disse Priyamvada Natarajan, teórico sênior da equipe de pesquisa e astrofísico teórico da Universidade de Yale, em um comunicado.

"Isso pode sinalizar uma lacuna em nossa compreensão atual da natureza da matéria escura e suas propriedades, já que esses dados primorosos nos permitiram sondar a distribuição detalhada da matéria escura nas menores escalas".

 

Fonte: CNN   https://edition.cnn.com/2020/09/11/world/dark-matter-theories-hubble-scn-trnd/index.html

Já está no ar a Edição 278 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2020

Miscigenação com aliens