DESTAQUE

Humanos podem ter ancestralidade marciana, diz novo estudo

Por
31 de Maio de 2021
Teria a base para a vida na Terra vinda de Marte?
Créditos: GettyImages

Um dos temas fundamentais da astrobiologia é buscar averiguar a origem e distribuição da vida no cosmos. Como parte disso, o campo também trata de como a vida pode ser transferida de um sistema planetário para outro. Pesquisas recentes podem nos dar uma ideia de como podemos detectar traços desse processo intrigante no futuro.

O professor assistente de astrobiologia da Florida Tech, Manasvi Lingam, junto com pesquisadores da Ecole Polytechnique Federale de Lausanne, na Suíça, e da Universidade de Roma, na Itália, recentemente concluíram o artigo Feasibility of Detecting Interstellar Panspermia in Astrophysical Environments (Viabilidade da Detecção de Panspermia Interestelar em Ambientes Astrofísicos), que foi aceito para publicação no Astronomical Journal.

A pesquisa analisa o processo de como os planetas são bombardeados por rochas e como os micróbios portadores de vida que podem estar nessas rochas se espalham de um planeta para levarem vida a outro. A vida nos planetas pode ter sido iniciada pela panspermia, uma teoria de que micróbios que vivem em meio à poeira espacial, cometas e asteroides são transferidos para o planeta quando esses objetos colidem com sua superfície.

Em seu artigo, Lingam e sua equipe apresentam um modelo matemático sofisticado que leva em consideração por quanto tempo os micróbios sobrevivem, as taxas de dispersão das partículas e as velocidades de ejeção – o material expulso como resultado do impacto – para avaliar as perspectivas de detecção de panspermia interestelar. O artigo mostra que as correlações entre pares de sistemas planetários portadores de vida podem servir como um diagnóstico eficaz de panspermia interestelar, desde que a velocidade do material ejetado portador do micróbio seja maior do que as velocidades relativas das estrelas.

A equipe gerou estimativas práticas dos parâmetros do modelo para vários ambientes astrofísicos e concluiu que aglomerados abertos e aglomerados globulares (ou seja, ambientes fortemente agrupados) parecem representar os melhores alvos para avaliar a viabilidade da panspermia interestelar. Como uma reação em cadeia em um reator nuclear, a vida em planetas pode ser iniciada pela colisão de um objeto portador de vida atingindo um planeta (semeando-o assim), e os objetos portadores de micróbio naquele planeta sendo posteriormente ejetados para o espaço, espalhando em vários planetas na área.


É bem possível que a Terra tenha sido semeada por outros orbes próximos, como Marte, durante os primórdios de sua existência.
Fonte: takeshape.io

Além desse mecanismo de panspermia, os cientistas acreditam que a vida também pode ser criada a partir de sistemas não vivos em um processo conhecido como abiogênese. Examinando assinaturas biológicas em planetas, Lingam e sua equipe conduziram pesquisas que indicam quão longe e com que eficácia a panspermia pode atingir planetas vizinhos. Lingam disse: “O que mostramos é que havia certos ambientes onde a panspermia é mais propícia e outros ambientes onde é menos. A segunda coisa que mostramos é que a diferenciação entre as duas hipóteses (panspermia e abiogênese) pode ser realizada usando uma grandeza matemática conhecida como função de correlação de pares. Se você tiver uma função diferente de zero, isso implicaria que a panspermia está operacional, e se você tiver uma função zero, significa que a vida é criada em mundos independentemente uns dos outros.”

Para Lingam, o artigo pode dar lugar não apenas para a compreensão de quais planetas são impactados pelas viagens de organismos vivos, mas também para fornecer uma melhor compreensão de como aqueles na Terra podem estar biologicamente conectados com outras formas de vida em nosso sistema solar. Por exemplo, os micróbios em Marte podem vir de panspermia envolvendo a Terra de alguma forma.

Ele disse: “Se fôssemos detectar vida em Marte, precisaríamos encontrar boas ferramentas de diagnóstico para entender se esta vida é realmente uma segunda gênese, originando-se completamente independente da vida na Terra, ou se foi semeada da vida na Terra. Há evidências de que o início de Marte era muito habitável, tinha água corrente e as temperaturas também podem ter sido mais altas. Em princípio, a vida poderia ter se originado em Marte primeiro, depois morreu ou se tornou subterrânea, mas então essa vida poderia ter se espalhado para a Terra, caso em que teríamos uma ancestralidade marciana.”

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 284 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2021

Biden revelará os segredos dos UFOs?