DESTAQUE

Hipótese da Simulação: a Matrix pode ser real?

Por
01 de Abril de 2019
Ilustração
Créditos: Google

É chegada a marca dos 20 anos do filme The Matrix, que influenciou uma geração inteira com seus incríveis efeitos especiais e se tornou um fenômeno cultural com sua teoria. A Matrix talvez seja a tradução mais popular do que hoje chamamos de a “hipótese da simulação” - a ideia de que estamos todos vivendo em um gigantesco videogame online.

 

 

 

Nesse importante aniversário, Rizwan Virk, um cientista da computação do MIT, mostra por que a IA, a física quântica e os místicos orientais concordam sobre o videogame em seu livro  Simulation Hypothesis. Neste artigo, Rizwan Virk revisa 5 razões pelas quais essa hipótese pode ocorrer:

 

Da ficção científica à ciência

Reconhecidamente, a ideia parece ficção científica. Os criadores de The Matrix, os Wachowskis, alegaram ter sido influenciados pelo trabalho de Philip K. Dick. As muitas adaptações do trabalho de Dick são bem conhecidas, incluindo Blade Runner, O Vingador do Futuro, O Homem do Castelo Alto e Os Agentes do Destino. Em suas histórias, Dick era frequentemente obcecado com o que era real e o que era falso sobre a realidade e a experiência humana - lidando com questões de inteligência artificial, realidade simulada e memórias falsas.

The Matrix estrelou Keanu Reeves como Neo, um hacker que encontra referências enigmáticas em algo chamado Matrix online. Isso o leva ao misterioso Morpheus (interpretado por Laurence Fishburne e apropriadamente chamado em homenagem ao deus grego dos sonhos) e sua equipe. Morpheus dá a Neo uma escolha: pegar a “pílula vermelha” para acordar e ver o que a Matrix realmente é, ou tome a "pílula azul" e continue vivendo sua vida. Neo toma a pílula vermelha e “acorda” no mundo real para descobrir que o que ele achava que era real era na verdade uma simulação de computador intrincadamente construída - basicamente um videogame ultrarrealista.

  

 

Quando o filme The Matrix saiu, a ideia de viver em um videogame estava diretamente ligada à ficção científica. Hoje, a hipótese de simulação é debatida seriamente por cientistas da computação, filósofos, físicos e outros. A razão pela qual esse argumento é levado mais a sério agora é duplo:

1) argumento teórico de “simulação” apresentado por Nick Bostrom, de Oxford, e 
2) o rápido desenvolvimento de videogames, apresentado, entre outros, por Elon Musk.

 

Dois grandes argumentos

Quando o professor de Oxford, Nick Bostrom, publicou seu trabalho de 2003, “Você está vivendo em uma simulação?” ele não falou muito sobre videogames; em vez disso, ele fez um argumento estatístico inteligente. Bostrom teorizou que, se uma civilização alcançasse o ponto de simulação, ela criaria muitas simulações de ancestrais, cada uma com um grande número (bilhões ou trilhões) de seres simulados. Já que o número de seres simulados superaria em muito o número de seres reais, qualquer ser (incluindo nós) estaria mais propenso a viver dentro de uma simulação do que fora dela.

Na versão de videogame desse argumento, temos o rápido avanço da tecnologia gráfica. Elon Musk, falando na Code Conference em 2016, afirmou que há 40 anos, nós tínhamos PONG (que era essencialmente duas linhas e um ponto). Hoje temos VR, AR e MMORPGs (todos baseados em tecnologia 3D). Se o ritmo do desenvolvimento de videogames continuar assim, em algumas décadas teremos jogos hiper-realistas, indistinguíveis da realidade.

E é muito mais fácil ver um caminho da RV de hoje para algo como The Matrix do que era em 1999, quando o filme foi lançado. Com jogos como Fortnite e League of Legends, com milhões de jogadores online interagindo em um mundo online compartilhado, a ideia de que podemos estar em um mundo simulado conectado e compartilhado não parece tão absurda.

 

  

 

Pixels, Resolução e Realidade Virtual Aumentada

Hoje já estamos vendo que a Realidade Virtual e a “imersão total” é possível. Qualquer um que tenha jogado um game de realidade virtual convincente perceberá que é possível esquecer o mundo real e acreditar que o mundo que você está vendo é real.

Como um ótimo exemplo, o jogo de Ping Pong VR, da Free Range Games, mesmo que não fosse uma resolução realista, ao jogar, se tem a impressão que se está jogando pingue-pongue de verdade. Tamanha é a semelhança com a realidade que o jogador sente um ímpeto de largar a raquete sobre a mesa, que não existe. Em outras palavras, citando The Matrix, “a colher não existe”.

 

  

Quanta e Paradoxo de Zenão

No paradoxo de Zenão, tem-se a primeira sugestão de que o espaço poderia ser quantizado quando Aquiles aposta uma corrida com uma tartaruga. Se Aquiles estava atrás da tartaruga, e ele sempre tinha que compensar metade da distância, como ele poderia chegar na frente? A ideia era que, se o espaço fosse contínuo, como os números são, como é possível tocar um objeto como a parede? Sempre teríamos que cobrir metade da distância e chegar lá.

Os físicos de hoje geralmente reconhecem a Constante de Planck como a menor quantidade de espaço que qualquer coisa pode medir. Além disso, eles nos dizem que a maior parte do que pensamos como um objeto sólido é, na verdade, 99% de espaço vazio, principalmente se você olhar dentro do átomo. Os Quanta da física quântica consistem em quantidades discretas - de energias ou estados - em que uma partícula pode existir. Se as equações de Newton assumem uma quantidade contínua de espaço, pode ocorre que o universo seja mais quantificado do que pensávamos.

 

 O Colapso da Função da Onda, Quantum indeterminado

Na física quântica, uma das ideias mais intrigantes é a interpretação de como partículas subatômicas podem exibir propriedades de uma onda e de uma partícula sólida ao mesmo tempo. No nível de um elétron ou de um fóton, a onda é interpretada como um conjunto de probabilidades de onde a partícula pode estar a qualquer momento. Quando observamos uma possibilidade particular, temos o "colapso" e vemos uma única partícula em um determinado local. Esse é o chamado Quantum indeterminado. Mas como a função da onda colapsa? Este é um dos maiores mistérios da física. A melhor resposta que os físicos levantaram é que a consciência, de alguma forma, determina o colapso. Max Planck escreveu certa vez: "Considero a consciência como fundamental e como matéria derivada".

Um mistério ainda maior é por que o universo funciona dessa maneira? A hipótese de simulação fornece uma resposta muito boa. A razão pela qual os videogames avançaram até agora em algumas décadas é por causa das técnicas de otimização. As informações são armazenadas como modelos 3D fora do mundo renderizado e somente o que um determinado caractere pode ver de certo ângulo é renderizado. Em suma, apenas o que está sendo observado é processado. Muitos adeptos da hipótese de simulação pensam que o Quantum indeterminado é uma técnica de otimização com a mesma ideia básica: apenas renderizar aquilo que está sendo observado.

 

O Eu Futuro e os Universos Paralelos

Outro aspecto relacionado da Física Quântica, que soa como ficção científica, é a teoria dos Universos Paralelos, em que nos desdobramos em diferentes "universos" quando tomamos decisões. Se isso é verdade, então há um gráfico direcionado de múltiplos universos que estão se ramificando cada vez que tomamos uma decisão, resultando em diferentes linhas de tempo.

O físico Fred Alan Wolf, por exemplo, diz que as informações desses futuros possíveis estão chegando para nós no presente e que enviamos uma “onda de oferta” para o futuro, que está interagindo com as outras "ondas de oferta” vindas do futuro para o presente. 

O futuro possível para o qual navegamos depende de quais escolhas fazemos e de como essas duas ondas se sobrepõem, ou se anulam. Futuros eu prováveis estão enviando de volta a informação para o presente e estamos conscientemente escolhendo qual caminho seguir. Os possíveis futuros que estávamos calculando em nosso jogo realmente existem? Ou eles eram apenas probabilidades? 

  

  

 A velocidade da luz

Outro grande mistério é por que a velocidade da luz é uma das poucas constantes, um dos poucos valores fundamentais da física. De fato, toda a matéria foi equacionada com energia, que pode ser derivada da própria luz. Enquanto outras coisas mudam, incluindo a gravidade e o espaço-tempo, Einstein descobriu que a velocidade da luz permanece fixa. Por que a velocidade das ondas eletromagnéticas teria a mesma velocidade com que a informação pode viajar pelo universo?

Nos videogames, verifica-se que os pixels são baseados na luz - eles são iluminados por um período temporário e toda a comunicação acontece entre computadores à velocidade da luz. Assim como na relatividade, onde a simultaneidade não pode ser realmente garantida, o mesmo acontece com os videogames - cada jogador está trabalhando fora de seu computador e respondendo a informações sobre o jogo, que está sendo enviado para servidores em uma nuvem fora do mundo renderizado. O serviço de nuvem está fazendo o melhor possível para respeitar a simultaneidade e ordenar os eventos, mas, na verdade, pode ser que seja impossível.

  

 

Informação, não matéria

Junto com as discussões através das estatísticas das simulações e o avanço na tecnologia dos videogames, essas são algumas das razões porque os cientistas estão começando a levar a sério as hipóteses de simulação. Na verdade, muitos físicos e biólogos estão começando a perceber que abaixo dos objetos físicos que eles estão estudando, o universo é, na verdade, informação. O famoso físico John Wheeler já dizia em sua autobiografia: “it from bit” – evidenciando que os bits, não a matéria, são as “coisas” fundamentais no universo.

Isso não só seria compatível com uma simulação de videogame como no filme The Matrix, como explicaria algumas das grandes questões não respondidas na ciência como: por que isso funciona dessa maneira? Embora não possamos duplicar a Matrix neste estágio da nossa tecnologia, nossa ciência da computação e nossos videogames estão o quão longe para que possamos nos duplicar?

 

 Saiba mais sobre o Livro The Simulation Hypothesis, de Rizwan Virk.

 Fonte: Scientific Inquirer

 

Veja mais:

Lançado o VI Concurso Nacional de Ufologia da Revista UFO

ETs estariam nos observando como animais em um zoológico?

Anunciado o XIV Encontro Ufológico de Peruíbe na Data Limite

Misteriosa bola de fogo clareou o céu de Florianópolis

Explosão de meteoro liberou energia equivalente a dez bombas de Hiroshima

O que fazer se você for abduzido por ETs, de acordo com Michio Kaku

Híbridos de alienígenas com humanos vivem entre nós?

Já está no ar a Edição 266 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2019

Fomos visitados