DESTAQUE

Grão de poeira alienígena é encontrado na Antártida

Por
07 de Maio de 2019
Antártida
Créditos: iStock

A minúscula partícula de poeira estelar foi encontrada dentro de um meteorito condrítico na Antártida, tendo sido originalmente lançada no espaço por uma estrela nova quando da sua explosão, que morreu antes mesmo de nosso próprio Sol existir.

Pedaços de grãos como a nova descoberta podem ajudar a recriar a mistura inicial de materiais que ajudaram a formar o Sol e nossos planetas - e, eventualmente, a vida. Mas eles raramente são vistos, porque é muito difícil que eles sobrevivam ao caos do início de um Sistema Solar.

Agora os cientistas esperam que o pequeno e sortudo grão possa oferecer uma visão das condições que ajudaram a formar tudo o que nos rodeia. "Como a poeira real das estrelas, esses grãos pré-solares nos dão uma visão sobre os blocos de construção a partir dos quais nosso sistema solar se formou", disse Pierre Haenecour, principal autor do novo estudo publicado na Nature. "Eles também nos fornecem um panorama instantâneo das condições da estrela no momento em que este grão foi formado."

 

 O grão foi nomeado LAP-149 (Foto: University of Arizona/Heather Roper)

 

O grão foi nomeado LAP-149 e é a única peça conhecida de grãos de grafite e silicato que os cientistas podem rastrear até o tipo particular de explosão estelar que conseguiu sobreviver. Depois de ser expulso por aquela erupção, voou através do espaço e chegou à área que é agora o nosso Sistema Solar, ficando preso em um meteorito primitivo.

Estrelas novae - como a que jogou fora a partícula de poeira - surgem quando um sistema estelar binário inclui o núcleo remanescente de uma estrela moribunda conhecida como anã-branca, ligada a outra estrela de sequência principal ou uma gigante vermelha. À medida que a anã-branca se desvanece, ela afasta a substância de sua companheira maior e, uma vez grande o bastante, lança novos elementos químicos no espaço, jogando-os pelo universo e ajudando a espalhar materiais inteiramente novos para outros sistemas solares.

Esse processo ajudou a tirar do universo o hidrogênio, hélio e lítio que estavam presentes quando começou o rico e variado conjunto de elementos que nos cercam hoje. Sem essa dispersão, não haveria vida, composta dos elementos mais complexos e novos espalhados em tais encontros violentos.

  

Haenecour ao lado de um dos microscópios  que permitiram analisar o grão a nível atômico./ University of Arizona) 

   

Para entender mais sobre esse processo, os pesquisadores pegaram o minúsculo grão e o analisaram em nível atômico, usando tecnologia altamente desenvolvida. Quando o fizeram, descobriram o quão estranho era encontrar enormes quantidades de um estranho isótopo de carbono conhecido como 13C.

"As composições isotópicas de carbono em qualquer coisa que já provamos que vieram de qualquer planeta ou corpo em nosso sistema solar variam tipicamente por um fator na ordem de 50", disse Haenecour. "O 13C encontrado no LAP-149 é enriquecido em mais de 50.000 vezesEstes resultados fornecem evidências laboratoriais adicionais de que grãos ricos em carbono e oxigênio de novae contribuíram para os blocos de construção do Sistema Solar".

As estrelas que deram origem aos minúsculos grãos de poeira estelar agora estão mortas. Mas estudando como eles são inventados, os cientistas podem entender as condições de onde vieram, escrevem os pesquisadores no novo artigo.

    

Grãos ricos em carbono e oxigênio de explosões estelares contribuíram para formação do Sistema Solar.

(Foto:  NASA/JPL-CALTECH/T. PYLE)

  

"Nossa descoberta nos fornece um vislumbre de um processo que nunca poderíamos testemunhar na Terra", acrescentou Haenecour. "Ela nos fala sobre como os grãos de poeira se formam e se movem dentro deles enquanto são expelidos pela nova. Agora sabemos que os grãos de poeira carbonácea e silicada podem se formar na mesma nova ejetada e são transportados através de pedaços de poeira quimicamente distintos dentro da estrela, algo que foi previsto por modelos de novae, mas nunca encontrado em um espécime".

Os cientistas são incapazes de dizer exatamente quantos anos o grão tem, porque não possui átomos suficientes. Eles esperam encontrar peças novas e maiores para tentar entender como eles ajudaram a levar à formação do Sistema Solar.

Fonte: Independent.co

  

Conheça o  Curso A Nova Humanidade

www.anovahumanidade.com.br

 

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre