NOTÍCIA

Gigante gasoso pode ser a primeira lua alienígena conhecida

Por Mel Polidori | 07 de Outubro de 2018

A impressão artística do planeta Kepler-1625b em trânsito na sua estrela, com a possível exolua a reboque.
Créditos: Dan Durda

Gigante gasoso pode ser a primeira lua alienígena conhecida

Encontrar luas alienígenas é um negócio complicado. Porém, astrônomos acreditam ter descoberto a primeira lua conhecida além do nosso sistema solar, em órbita de um gigantesco planeta a 8.000 anos-luz, na constelação de Cygnus. Esta possível descoberta não significa que estamos prestes a começar a descobrir centenas de exolunas. Parece muito improvável. Como explicou René Heller , cientista do Instituto Max Planck de Pesquisa do Sistema Solar, a detecção de exolunas é uma tarefa extremamente complexa para instrumentos atuais e até futuros.

Esta chamada exolua, que é estimada como sendo do tamanho de Netuno, também seria a maior lua conhecida, excedendo em muito o que se sabe do nosso próprio sistema solar. A equipe por trás da possível descoberta disse que precisava de mais confirmações, mas que eles não conseguiram encontrar nenhuma outra explicação convincente para seus dados. "A primeira exolua é obviamente uma alegação extraordinária e requer evidências extraordinárias", disse David Kipping, astrônomo da Universidade de Columbia, em Nova York, que passou mais de uma década procurando luas alienígenas.

O astrônomo acredita que o tamanho estimado da lua está em uma escala que "dificilmente poderia ter sido prevista" e "desafia a explicação fácil", baseada nas atuais teorias da formação de luas. Kipping e seu colega Alex Teachey fizeram a descoberta depois de analisar dados de cerca de 300 planetas distantes descobertos usando o telescópio espacial Kepler. Os planetas são revelados por uma momentânea redução da luz das estrelas à medida que passam diante de sua estrela hospedeira, no que os astrônomos chamam de trânsito.

Kipping e Teachey notaram estranhas anomalias nos dados de trânsito de um planeta gasoso, Kepler 1625b, que é várias vezes o tamanho de Júpiter. "Vimos pequenos desvios e oscilações na curva de luz que chamou nossa atenção", disse Kipping.

 Os resultados foram intrigantes o suficiente para ganhar 40 horas de observação no telescópio espacial Hubble , quatro vezes mais poderoso que Kepler. Usando o Hubble, eles viram uma segunda redução no brilho da estrela 3,5 horas após o trânsito do planeta, sugerindo “uma lua arrastando o planeta como um cachorro seguindo seu dono na coleira”, disse Kipping. Em outro trânsito, o planeta apareceu 1,25 horas antes do previsto. Isso é coerente com o planeta e a lua orbitando um centro de gravidade comum, fazendo o planeta balançar de sua localização prevista.

A lua é estimada em apenas 1,5% da massa do planeta que a acompanha, o que é próximo da relação de massa entre a Terra e sua Lua. Acredita-se que a Lua da Terra tenha se formado através de uma colisão inicial com um corpo maior que explodiu material que depois se aglutinou em uma bola. No entanto, Kepler 1625b e sua lua são gasosos, não rochosos, levantando questões sobre como tal lua poderia ter se formado em primeiro lugar.

Com base na distância da lua de sua estrela, sua temperatura de superfície foi estimada em 80°C, o que é considerado o limite das condições que poderiam suportar a vida conhecida. No entanto, os astrônomos disseram que não se debruçaram sobre a questão da habitabilidade, uma vez que se acredita que a lua seja composta de gás. Não se assemelharia à exolua fictícia Pandora no filme Avatar, Teachey disse.

Os resultados foram publicados no artigo da revista Science Advances 

Fonte: NationalGeographic

Veja mais:

A Academia To The Stars revela ter sete pedaços de UFOs acidentados

Assinaturas tecnológicas: a nova ferramenta para detectar vida lá fora

A Terra está pronta para o Contato Alienígena?

Agência Espacial Europeia escolhe a Airbus para construir base na Lua

Opportunity finalmente encontrado sob a poeira de Marte

E se o universo for realmente consciente?

Avistamento de Ney Matogrosso esclarecido pelos analistas da UFO

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 260 da revista

Comentários

Livros
recomendados

DVDs
recomendados

Edições
recomendadas