DESTAQUE

Força-Tarefa UFO do Pentágono obterá acesso maior à documentos de inteligência sobre UFOs

Por
09 de Agosto de 2021
Nova lei permitirá maior acesso da Força-Tarefa UFO a documentos ufológicos.
Créditos: Shutterstock

A Força-Tarefa UFO (UAPTF) agora terá maior acesso às informações coletadas por agências de inteligência dos Estados Unidos sobre os fenômenos aéreos não identificados, de acordo com as disposições incluídas na última Lei de Autorização de Inteligência aprovada para o Ano Fiscal de 2022 (IAA). O novo projeto de lei dará à Força-Tarefa acesso irrestrito aos dados, relatórios e registros de UFOs.

O projeto de lei, que visa aumentar a supervisão do Congresso para várias atividades da comunidade de inteligência (IC), foi aprovado pelo Comitê de Inteligência do Senado em uma votação bipartidária de 16-0 no final de julho. O projeto também fornecerá financiamento e autoridade legal para vários componentes da IC. “A Lei de Autorização de Inteligência para o Ano Fiscal de 2022 autoriza o financiamento para agências de inteligência da América e garante que elas tenham os recursos, pessoal e autoridades de que precisam para manter nosso país seguro enquanto operam sob supervisão e acompanhamento vigorosos”, disse o presidente do Comitê, Senador Mark Warner (D-VA) em um comunicado emitido logo após o projeto de lei ser aprovado. O projeto também apoiará “(...) os esforços da IC para avaliar fenômenos aéreos não identificados, acompanhando o trabalho da Força-Tarefa UFO”, de acordo com um comunicado de imprensa do escritório da Warner.

A seção 345 do projeto de lei, intitulada “Apoio e supervisão da Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados”, instrui o Secretário de Defesa e Diretor de Inteligência Nacional a exigir que “cada elemento da comunidade de inteligência e do Departamento de Defesa com dados relativos a fenômenos aéreos não identificados disponibilize esses dados imediatamente para a Força-Tarefa e para o Centro Nacional de Inteligência Aérea e Espacial.” Curiosamente, a menção do projeto ao Centro Nacional de Inteligência Aérea e Espacial indica que a Força Aérea dos Estados Unidos, que permaneceu incrivelmente silenciosa sobre a questão dos UFOs por décadas, agora parece estar envolvida novamente na investigação do fenômeno.

O projeto de lei também estabelece um prazo de 90 dias para a entrega dessas informações ao Congresso após a promulgação do IAA, em relatórios que serão publicados posteriormente a cada trimestre. O projeto afirma que os relatórios devem ser emitidos pela Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados da Marinha (UAPTF) “(...) ou qualquer outra entidade que o Secretário Adjunto de Defesa possa designar como responsável por questões relacionadas a fenômenos aéreos não identificados.” Os relatórios trimestrais devem incluir, no mínimo, informações sobre todas as ocorrências relatadas de UFOs que ocorreram no período anterior de 90 dias . Significativamente, o projeto de lei também determina que todos os eventos relacionados a fenômenos aéreos não identificados relatados que ocorreram durante um período diferente dos 90 dias anteriores, mas não foram incluídos em um relatório anterior, também devam aparecer nos relatórios.

Não está claro se isso deixa em aberto a possibilidade de inclusão de dados históricos de UFOs coletados por agências do governo dos Estados Unidos, semelhantes aos obtidos pelo Projeto Blue Book, a investigação sistemática da Força Aérea dos Estados Unidos de fenômenos aéreos não identificados que operou do início dos anos 50 até 1969. O projeto também estabelece que quaisquer dados sobre UFOs incluídos nos relatórios trimestrais solicitados devem ser apresentados de forma sigilosa. As disposições da Lei de Autorização de Inteligência FY22 se baseiam nos esforços atuais da Força-Tarefa UFO, que entregou sua avaliação preliminar ao Escritório do Diretor de Inteligência Nacional (ODNI) em junho. Junto com a orientação que fornece para relatar mais incidentes de UFOs ao Congresso, o projeto também abordará as preocupações que a IC enfrenta por adversários estrangeiros como a China, bem como “Incidentes Anômalos de Saúde” (AHI) associados à “Síndrome de Havana”, que agora foi relatado por centenas de funcionários dos Estados Unidos e seus familiares.


O senador Mark Warner é uma das figuras políticas que mais batalha para que a verdade sobre os UFOs seja divulgada.
Fonte: Wikimedia Commons 2.0

O senador Marco Rubio (R-FL), vice-presidente do Comitê, disse que o projeto de lei “(...) reafirma o papel crítico do Comitê na supervisão da Comunidade de Inteligência por meio de disposições que protegem os direitos da Primeira Emenda dos americanos, garantem que os gastos sejam feitos de forma judiciosa e mantêm as agências de inteligência responsáveis por suas atividades.” A Lei de Autorização de Inteligência do FY22 recentemente aprovada, além de ajudar a facilitar relatórios e análises futuras de UFOs pelos militares dos Estados Unidos, também recebeu elogios de ex-funcionários do governo com conhecimento e experiência relativos ao fenômeno. “Acho que este é um grande passo na direção certa”, disse o ex-piloto da Marinha, o tenente Ryan Graves, ao Debrief. “Está claro que este é um problema contínuo e esta etapa para codificar a cooperação garante que mais ramos ‘tímidos’ não possam se esconder atrás da não participação”, disse Graves.

Luis Elizondo, um ex-Agente Especial da Contraespionagem do Exército e ex-funcionário do Gabinete do Subsecretário de Defesa para Inteligência, expressou elogios semelhantes às disposições do projeto de lei. “Não é nenhuma surpresa, pois este é um ‘próximo passo’ natural e esperado para o governo dos Estados Unidos formalizar a UAPTF e lhe dar autoridade para acessar informações em todo o governo”, disse Elizondo ao Debrief. Elizondo, que até 2017 dirigia o Programa de Identificação Avançada de Ameaças Aeroespaciais (AATIP) do Pentágono, que analisava os UFOs, disse que as disposições da Lei de Autorização de Inteligência FY22 são “(...) necessárias e prudentes para lançar mais luz sobre este fenômeno.” Ele acrescentou que “(...) devemos permanecer cientes do fato de que adversários estrangeiros também têm interesse neste tópico, portanto, devemos assumir que não somos os únicos a tomar essa atitude.”

A China não está isenta do crescente interesse nos UFOs demonstrado por militares de todo o mundo nos últimos anos. Antes da divulgação da avaliação preliminar pela UAPTF no início deste ano, uma declaração do Exército de Libertação do Povo (PLA) disse que a China tinha sido sufocada nos últimos anos pela rápida enxurrada de relatórios de avistamento de uma ampla gama de fontes militares e civis do que passou a ser chamado de “condições aéreas não identificadas”, conforme relatado pelo South China Morning Post. Chen Li, da Academia de Alerta Antecipado da Força Aérea do PLA, foi citado dizendo que “(...) a ocorrência frequente de condições aéreas não identificadas traz sérios desafios à segurança da defesa aérea da China.” Elizondo disse ao Debrief: “Em breve ficaremos sabendo que outros países estão igualmente investidos nessa questão, e alguns desses países não são amigos dos Estados Unidos. Eu aplaudo aqueles em nossos ramos legislativo e executivo que continuam a se esforçar para encontrar respostas a respeito desse enigma.”

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos