DESTAQUE

Exoplaneta estudado por astrônomos parece estar recriando sua própria atmosfera

Por
23 de Março de 2021
Ilustração mostra a atmosfera do planeta GJ 1132 b, formada provavelmente por gases como metano e hidrogênio.
Créditos: Dana Berry

Pesquisadores descobriram recentemente que o GJ 1132 b, um exoplaneta a cerca de 41 anos-luz da Terra, parece estar reconstruindo sua atmosfera após tê-la perdido no passado. Usando imagens capturadas pelo telescópio Hubble, os pesquisadores explicaram em um artigo publicado no Astronomical Journal que esta é a primeira vez que uma segunda atmosfera foi encontrada em um exoplaneta.

O GJ 1132 b foi descoberto pela primeira vez em 2015 por uma equipe do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics. De acordo com declarações feitas pela NASA, o GJ 1132 b é “(...) hipotetizado como um mundo gasoso com uma espessa manta de hidrogênio na atmosfera. Com várias vezes o diâmetro da Terra, acredita-se que este planeta tenha perdido rapidamente sua atmosfera primordial de hidrogênio e hélio devido à intensa radiação da jovem estrela quente que orbita.”

Os cientistas da NASA acreditam que o exoplaneta foi reduzido a um núcleo exposto por causa dessa radiação. Em uma entrevista ao Inverse, Mark Swain, um astrônomo do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL), descreveu a superfície do exoplaneta como “andar em um dos campos de lava do Havaí, onde você pode olhar para baixo nas fendas e ver o magma crescente. Só que o mundo inteiro pode ser assim.”

A possibilidade de uma atmosfera secundária, conforme observada através das imagens do Hubble, deixou muitos astrônomos surpresos e entusiasmados. Com base em evidências observacionais diretas e modelagem de computador, a equipe de pesquisa infere que essa atmosfera consista em hidrogênio molecular, cianeto de hidrogênio, metano e uma névoa de aerossol, semelhante à fumaça aqui na Terra. Então, de onde essa segunda atmosfera pode ter se originado?


Fotografia mostra a região em torno da estrela anfitriã do planeta GJ 1132 b.
Fonte: ESA/Hubble/Digitized Sky Survey 2

A camada líquida do planeta parece ser a chave. Os pesquisadores acreditam que a primeira atmosfera foi completamente destruída pela sua estrela nos seus primeiros 100 milhões de anos de vida. Mas com o passar do tempo, os gases da primeira atmosfera do exoplaneta podem ter realmente se dissolvido no manto derretido, criando uma espécie de reservatório. Alguns desses gases atmosféricos podem ter explodido devido à atividade vulcânica, retornando para as áreas externas da superfície do exoplaneta.

Enquanto os pesquisadores continuam se concentrando em exatamente como esse processo ocorreu, a possibilidade de um exoplaneta regenerar sua atmosfera é extremamente entusiasmante. De acordo com Swain, “É muito emocionante porque acreditamos que a atmosfera que vemos agora foi regenerada, então poderia ser uma atmosfera secundária. A princípio pensamos que esses planetas altamente irradiados poderiam ser muito enfadonhos porque acreditamos que eles perderam suas atmosferas. Mas olhamos para as observações existentes deste planeta com o Hubble e dissemos: ‘Oh vejam! Há uma atmosfera lá!’ É super emocionante.”

Ainda mais empolgante é que Swain e sua equipe de pesquisa terão uma visão muito mais detalhada do exoplaneta usando o Telescópio Espacial James Webb. Programado para funcionar totalmente em outubro de 2021, o telescópio foi projetado especificamente para observar e estudar exoplanetas. Isso permitirá que a equipe compreenda melhor a atmosfera do GJ 1132 b e localize onde a atividade vulcânica possa estar ocorrendo.

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 268 da Revista UFO. Aproveite!

Maio de 2019

Jung e os UFOs