DESTAQUE

Exército dos Estados Unidos confirma realizar testes com destroços de UFOs

Por
08 de Setembro de 2021
Teremos acesso aos resultados das pesquisas dos detritos de UFOs algum dia?
Créditos: Marc Trautmann

Em outubro de 2019, a empresa To The Stars Academy of Arts & Science (TTSA) de Tom DeLonge, anunciou um acordo com o Exército dos Estados Unidos. Isso permitiu que a TTSA pegasse um número incontável de artefatos de UFOs; pedaços de destroços ou outro material relacionado de Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAP) que eles coletaram, e levar para o Comando de Desenvolvimento de Capacidades de Combate do Exército dos Estados Unidos (CCDC) para “avançar as inovações de material e tecnologia da TTSA, a fim de desenvolver capacidades aprimoradas para veículos terrestres do Exército.”

O Exército concordou em oferecer seu equipamento para testar os artefatos ufológicos que a TTSA havia coletado, a fim de ver quais resultados pudessem aparecer. Esses resultados seriam compartilhados e explorados mutuamente. Mas foi feito algo nos quase dois anos desde que isso foi anunciado? A TTSA não quis falar sobre isso, mas o site Black Vault confirmou com o Exército dos Estados Unidos que testes já foram realizados. O único problema é que os resultados reais desses testes até agora, e quaisquer descobertas no futuro, podem permanecer secretos por anos ou possivelmente para sempre. Apesar da alegação, o material veio de UFOs; o Exército não teve problemas em expressar seu interesse. “A TTSA tem um conjunto de diferentes materiais, cujas propriedades são de interesse em se investigar. Como a pesquisa de materiais em geral é de interesse fundamental para a pesquisa do Exército, este também está interessado em quaisquer percepções obtidas com a investigação das propriedades desses materiais”, disse o doutor Doug Halleaux, oficial de Relações Públicas do Centro de Sistema de Veículos Terrestres (GVSC) do CCDC do Exército, declarado em um e-mail para o Black Vault em 2019.

Um comunicado à imprensa da TTSA em outubro de 2019 também mostrou seu interesse em sua colaboração com o Exército dos Estados Unidos, e afirmava que “(...) compartilhará suas descobertas com o GVSC e com a Sobrevivência e Proteção de Veículos Terrestres (GVSP), e o Exército dos Estados Unidos fornecerá laboratórios, experiência, apoio e recursos para ajudar a caracterizar as tecnologias e suas aplicações.” Parecia que ambos os lados estavam ansiosos para trabalhar juntos e alcançar resultados. Mas compartilhar as informações com o público em geral? O mesmo público em geral que financiou os testes, caso eles ocorressem? Bem, essa era outra história completamente diferente.

Quando o Black Vault entrou em contato com a TTSA, eles não quiseram oferecer informações. Em vez disso, eles recomendaram por e-mail que o Black Vault vasculhasse uma montanha de registros em busca de respostas. “Obrigado por sua pergunta a este respeito. Devemos encaminhá-lo para nossos arquivos da Comissão de Segurança e Câmbio (SEC), comunicados à imprensa em nosso site e outras divulgações públicas sobre o Contrato de Pesquisa e Desenvolvimento Cooperativo (CRADA)”, disse a Equipe de Imprensa da TTSA ao Black Vault por e-mail. Não foram oferecidos links diretos ou citações específicas. Entre todos os itens acima mencionados, ele compreendia uma enorme quantidade de informações espalhadas entre o site da TTSA, a SEC, vários distribuidores de comunicados à imprensa e outras “divulgações públicas” a que se referiam, mas permaneceram sem nome. Depois de uma extensa pesquisa, o Black Vault não conseguiu encontrar nenhuma confirmação de que a TTSA havia feito qualquer teste. O mais próximo disso foi, na verdade, uma negação de que algo tivesse acontecido sob o acordo com o Exército norte-americano, e isso foi constatado em sua Reunião Anual de Acionistas de 2021, realizada em 24 de março de 2021.

Tom DeLonge, CEO da TTSA, disse aos acionistas: “Conforme anunciado no início de 2019, firmamos um acordo de colaboração com o Exército dos Estados Unidos. Esta é a continuação e a próxima etapa de nosso projeto ADAM para analisar e avançar nossa compreensão dos materiais exóticos coletados. O escopo do acordo militar abrangeu ciência de metamateriais, comunicações avançadas, camuflagem de veículos e propulsão de energia por feixe. Esse contrato se estende por cinco anos, dando ao Exército acesso aos dados da TTSA para apoiar sua pesquisa. Em troca, a TTSA obtém acesso a conhecimentos científicos que aceleram a qualidade e o ritmo de nossa pesquisa. Iniciamos essa parceria no início de 2020 com entusiasmo, recebendo os principais oficiais do Exército dos Estados Unidos em nosso quartel-general em San Diego. Infelizmente, logo depois disso, a pandemia assumiu o controle e todas as operações afiliadas ao nosso projeto foram fechadas devido a questões de segurança ou redirecionadas para se concentrarem em outras prioridades do governo relativas ao estado nacional de emergência. Como parece haver luz no horizonte para o fim da crise da saúde, estou confiante de que teremos alguns progressos interessantes a relatar à medida que o ano avança e o país reabre. Estamos dedicados à nossa parceria e entusiasmados para retomar de onde paramos o mais rápido possível.”


Os documentos liberados ao Black Vault via FOIA podem ser acessados clicando aqui.
Fonte: The Black Vault

Parece que, pelo menos em março de 2021, nada realmente aconteceu devido à pandemia de COVID-19, pelo menos é o que a TTSA estava dizendo aos seus investidores. No entanto, quando o Black Vault entrou em contato com o Exército dos Estados Unidos, eles foram muito mais abertos e transparentes sobre como oferecer uma atualização sobre o CRADA, embora tenham sido breves. “No geral, desde o início do CRADA, executamos com sucesso alguns testes, e esses detalhes e resultados, se liberados após a conclusão do CRADA, estarão, então, disponíveis”, disse Halleaux em um e-mail para o Black Vault em agosto. As datas desses testes são desconhecidas e os acompanhamentos para obter as datas exatas não foram respondidos até o presente momento. O CRADA original durará até setembro de 2023, porém não está claro se a pandemia estenderá as datas originais devido à perda de tempo. Ao término do acordo, o Exército dos Estados Unidos não pode confirmar se as informações serão divulgadas, pois dependerá fortemente dos resultados reais produzidos.

Se for determinado que as peças são classificadas, o que se presumiria se uma peça do material ufológico da TTSA viesse de tecnologia humana classificada, ela seria negada ao público. O outro curinga é se os resultados forem considerados “segredos comerciais”, o que isentaria o Exército norte-americano de divulgar os resultados para sempre. A determinação da liberação de quaisquer resultados provavelmente recairia sobre a TTSA se eles sentissem que o público deveria ser informado de suas descobertas. Mas, aos olhos da lei que se relaciona com a Lei de Liberdade de Informação (FOIA), o Exército dos Estados Unidos não poderia liberá-la devido à “Isenção (b) (4)”, que isenta principalmente “segredos comerciais e informações comerciais ou financeiras.” O Black Vault pediu novamente que a TTSA comentasse algo, dada a revelação de que o teste tinha ocorrido. Buscando a confirmação de que o público em geral será informado de suas descobertas e os resultados dos testes serão divulgados, eles simplesmente disseram: “Não podemos fornecer um comentário no momento.”

Quando o Exército dos Estados Unidos foi questionado sobre o fechamento de suas instalações durante a pandemia, Halleaux confirmou que havia momentos em que os laboratórios não estavam disponíveis. “A disponibilidade do laboratório e os cronogramas de teste eram intermitentes durante o auge da pandemia de COVID-19; em muitos casos, nossas medidas de proteção à saúde significavam que as viagens eram limitadas a propósitos de missão crítica, os quais os testes do CRADA não se qualificavam. Como resultado, quando as viagens eram restritas, o teste não era possível.” Quando perguntado com que frequência, ou exatamente quando as instalações estavam inacessíveis, nenhuma resposta foi dada até a publicação desta matéria.

Além de solicitar comentários para publicação diretamente do Exército dos Estados Unidos e da TTSA, o Black Vault depende muito da FOIA para remover camadas de sigilo sobre questões como essas. Assim, em janeiro de 2021, foi protocolado um pedido de FOIA para todos os memorandos, cartas, relatórios, e-mails etc., gerados em função deste CRADA até aquele momento. Ainda não está claro se este CRADA, que tanto entusiasmou, produzirá resultados que serão divulgados ao público. Do ponto de vista do Exército dos Estados Unidos, ele dependerá de vários fatores que levarão anos para serem determinados. Do ponto de vista da TTSA, eles não querem adicionar nenhum comentário. O público algum dia obterá resultados, e os detritos de UFOs possivelmente mostrarão, por meio do método científico, uma origem extraterrestre? Podemos nunca saber.

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos