DESTAQUE

Ex-esposa de Bob Lazar afirma que ele mentiu sobre sua formação e trabalho na Área 51

Por
20 de Abril de 2020
Placa na Área 51
Créditos: Mystery Wire

Bob Lazar, o homem responsável pela fama da Área 51, que diz ter trabalhado em um disco voador é um dos mais controversos informantes ufológicos. Agora, surgem novas informações sobre sua vida e história, que contradizem sua afirmação. Por outro lado, um renomado cientista valida suas declarações. Onde está a verdade?

 

Em seus mais de 70 anos de história a Ufologia produziu uma série de figuras dúbias que são rotuladas como “informantes”, cujos passados e alegações são sempre muito difíceis de comprovar.

Algumas dessas pessoas surgem e desaparecem rapidamente, deixando suas histórias nos arquivos da teoria da conspiração para serem sacadas quando forem oportunas. Bob Lazar não é uma dessas pessoas.

Sucesso nos anos 90, muito por ação do jornalista de Las Vegas George Knapp, especializado em notícias sobre Ufologia e paranormalidade, e mais tarde por ação de John Lear, outra figura importante entre os teóricos da conspiração, Bob Lazar ainda faz sucesso.

 

Elemento 115

 
Arte sobre o elemento 115. Crédito: Despabilate

Sua história, que começa no final dos anos 80, diz que ele foi selecionado para trabalhar como engenheiro contratado do governo dos Estados Unidos via uma empresa privada, para exercer suas funções em uma instalação secreta dentro da base da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) conhecida como Área 51, designada como S4.

A S4 seria um conjunto de nove hangares  a 25 km das instalações principais da base, camuflados na encosta de uma montanha, uma área tão secreta que muitos sequer tinham ouvido falar sobre ela.

Segundo Lazar, ali ele trabalhou em engenharia reversa em um disco voador e teve contato com diversos conceitos e tecnologias muito avançadas e desconhecidas da população. Lá, ele teria também conhecido o famoso elemento 115, que seria criado por meio de algum tipo de explosão de alta energia.

Ao ser bombardeado por prótons, o elemento 115 se tornaria o elemento 116, que se decomporia em seguida criando uma grande explosão. Essa dinâmica seria usada como propulsão para naves espaciais.

Por razões familiares, Lazar teria sido “afastado” de suas funções e em retaliação à intrusão dos espiões governamentais em sua vida íntima, ele teria levado seus amigos até o deserto de Nevada para assistirem, em uma área altamente vigiada, segura e perigosa, ao voo de discos voadores.

 

Novas informações

 
Bob Lazer desenha o disco voador em que teria trabalhado na Área 51
Crédito: Mystery Wire

Agora, surge uma nova informação sobre Lazar, desta feita vinda de sua ex-esposa Tracy Ann Merck. A história, na verdade, veio à público durante uma entrevista de John Lear ao programa Kevin Moore Show.

Durante a conversa com o entrevistado, Moore comentou sobre Lazar e sobre aquilo que Tracy havia lhe contado, em relação à formação acadêmica de ser ex-marido.

Como ninguém consegue comprovar absolutamente nada sobre a vida de Lazar, pois aparentemente ela foi completamente apagada, não se pode afirmar quem tem razão nessa questão. Mas segundo Tracy, Lazar nunca foi formado em nada e mentiu sobre ser um cientista, academicamente falando, e por consequência sobre sua atuação na S4 da Área 51.

As declarações que temos vêm de Kevin Moore e podem ser conferidas no vídeo abaixo:

 

Opinião abalizada

 
Rudy Schild durante entrevista com George Knapp
Crédito: Mystery Wire

Bob Lazar continua um nome quente dentro da Ufologia e principalmente dentro das teorias da conspiração, e se tornou novamente conhecido para as gerações mais novas por causa de um documentário disponível no Netflix.

Porém, muito embora muitos ufólogos olhem para toda essa história com desdém e vejam Lazar apenas como mais um desinformante ou apenas como um alucinado, recentemente um renomado e respeitadíssimo cientista passou a se interessar por aquilo que Lazar tinha a dizer.

Em entrevista a George Knapp, o doutor Rudy Schild, astrofísico da Universidade de Harvard-Smithsonian discutiu assuntos como o papel da consciência, especialmente no que se refere a assuntos periféricos, como UFOs e supostos sequestros alienígenas. 

Schild diz que é a favor da divulgação do governo, mas está preocupado com recentes revelações limitadas sobre estudos secretos de UFOs no Pentágono. 

“Receio que essa inteligência gerenciada possa ser um prelúdio para uma submissão do orçamento de um programa de US $ 100 bilhões para armar o espaço ... E eu gostaria de ver uma divulgação completa do governo, incluindo a abertura dos arquivos”, disse ele.

 

Assista, abaixo, o trecho da entrevista em que Schild fala sobre Lazar e a área 51:

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre