DESTAQUE

ETs, a agulha no palheiro cósmico

Por
18 de Outubro de 2018
Ilustração
Créditos: Instituto SETI

Quando se trata da Busca por Inteligência Extraterrestre [Search for Extraterrestrial Intelligence, SETI], a maior questão para os astrônomos é: onde está todo mundo? Esta questão é a maneira mais curta de descrever o paradoxo de Fermi, que contrasta a probabilidade de vida inteligente surgir no universo com o fato de que até agora não observamos nenhuma evidência de sua existência.

Em um novo artigo publicado recentemente, pesquisadores da Universidade da Pensilvânia  [Pennsylvania State University, PSU] criaram uma ferramenta que ajuda a determinar a eficácia da pesquisa, bem como uma estimativa aproximada de quão perto estamos de completar o SETI. A ideia é que, até agora, o SETI só pesquisou um número infinitesimal de estrelas no universo em busca de sinais de vida inteligente. Em outras palavras, a razão pela qual ainda não encontramos nenhum extraterrestre inteligente é porque mal começamos a procurar.

Como observam os pesquisadores da PSU, no entanto, a capacidade de determinar se uma coisa hipotética existe ou não requer ser capaz de definir o espaço de busca onde essa coisa pode existir. Por exemplo, se estou procurando uma agulha em um palheiro, só posso concluir que a agulha não existe no palheiro depois que eu examinei cada pedaço de feno. Se eu olhar apenas para o fundo do palheiro ou apenas examinar metade do feno, não posso dizer conclusivamente que uma agulha não existe. 

O SETI tem o mesmo princípio, exceto que em vez de procurar agulhas, astrônomos estão procurando por assinaturas tecnológicas extraterrestres - sinais de vida alienígena inteligente, que incluem mensagens de rádio ou laser intencionais, espaçonaves interestelares, mudanças na atmosfera de um planeta devido à industrialização, ou projetos de megaconstrução, como esferas de Dyson.

Jill Tarter, o radioastrônomo do Instituto SETI, propôs um “palheiro de nove dimensões” no qual as buscas do SETI variam entre as três dimensões espaciais, tempo, duas dimensões de polarização do sinal de rádio, a frequência central do sinal de rádio, a sensibilidade dos receptores e a forma como a informação é codificada no sinal. Usando o palheiro de nove dimensões, Tarter comparou todas as buscas do SETI até hoje para extrair uma xícara de água de todos os oceanos da Terra e procurar evidências de que os peixes existem apenas naquele copo.

Quando os pesquisadores da PSU colocaram oito parâmetros em sua ferramenta, eles descobriram que todas as pesquisas do SETI até o momento eram mais como procurar vida em uma amostra do tamanho de uma banheira de água do oceano. Mesmo que isso seja significativamente maior do que um copo de água, ainda é pequeno no grande esquema das coisas e os pesquisadores observam que esses tipos de cálculos podem ser úteis para refutar o equívoco de que pode ser dito que o SETI falhou em encontrar o que procura.

Devemos ter cuidado, no entanto, em não deixar que esse resultado balance o pêndulo das percepções públicas do SETI para longe, sugerindo que o palheiro do SETI é tão grande que nunca poderemos esperar encontrar uma agulha. O palheiro inteiro só precisa ser pesquisado se for necessário provar que há zero agulhas - porque a vida tecnológica pode se espalhar pela galáxia, ou porque espécies tecnológicas podem surgir independentemente em muitos lugares, podemos esperar que haja um grande número de agulhas a ser encontrado.

Fonte: Institute SETI Motherboard

Leia o artigo completo da Universidade da Pensilvânia publicado no arXiv.

Já está no ar a Edição 261 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2018

Nikola Tesla e a Vida Extraterrestre