DESTAQUE

ET phone Earth! Colisão de estrelas poderia ajudar ETs a nos chamar

Por
05 de Setembro de 2018
Representação da brilhante luz visível resultante da fusão de duas estrelas de neutrons
Créditos: Centro de Vôo Espacial Goddard da NASA / CI Lab

As primeiras observações da fusão de estrelas binárias surpreenderam a comunidade astronômica no ano passado, mas não tanto quanto o primeiro sinal da vida extraterrestre pode algum dia chocar o mundo. Um novo artigo argumenta que as observações de uma fusão de estrelas podem realmente ser a chave para fazer essa segunda detecção, que é a busca contínua do esforço científico chamado de Busca por Inteligência Extraterrestre, ou SETI .

"Ficamos realmente impressionados com o rápido crescimento da astronomia multi-mensageira associada à fusão de estrelas de nêutrons e começamos a pensar em possibilidades interessantes muito além dos estudos astronômicos tradicionais", disse Yuki Nishino, físico da Universidade de Kyoto, em um email para a Space.com. Nishino e seu co-autor começaram a considerar como uma civilização extraterrestre tecnologicamente avançada além da nossa galáxia poderia se apoiar nos brilhantes sinais criados pela colisão de estrelas de nêutrons para chamar nossa atenção. Sua ideia básica é que os extraterrestres teriam a capacidade de prever a fusão de uma estrela de nêutrons de outro lugar em sua própria galáxia com bastante antecedência. 

Às vezes podemos fazer isso, relembra Nishino, porque muitas estrelas de nêutrons são pulsares, que produzem um jato giratório de luz. Isso significa que podemos rastrear onde estão e como estão interagindo em sistemas binários. Em seguida, os extraterrestres precisariam produzir um sinal cronometrado em torno dessa colisão. Os cientistas já começaram a sonhar com detectores de ondas gravitacionais baseados no espaço, que acreditam que pudessem observar uma colisão com anos de antecedência. Isso significa que os extraterrestres podem chamar nossa atenção com uma assinatura artificial antes, depois ou antes e depois do sinal de colisão natural.

Eles precisariam ser um sinal bastante poderoso, dado que o estudo é focado em civilizações além da nossa própria galáxia, exigindo longos tempos de viagem, mesmo à velocidade da luz. Calcula-se que, para os extraterrestres a 130 milhões de anos-luz da Terra, o feito exigiria alimentar um telescópio como o Square Kilometre Array sobre um terawatt de potência. Claro, tudo isso pressupõe que nossos vizinhos querem nos alcançar, e não há como saber quão válida é essa suposição. 

Para o físico, o que é atraente nessa abordagem à busca por inteligência extraterrestre é que ela se baseia em observações que estão sendo coletadas de qualquer maneira. Quando se espalhou a notícia da detecção inicial de ondas gravitacionais ao colidir estrelas de nêutrons, astrônomos de todo o mundo correram para transformar telescópios em todos os tipos de comprimentos de onda em direção ao evento. Nishino quer pedir-lhes que também analisem os dados com o SETI - o que é muito mais fácil do que reunir dados separados para a busca.

Nishino pensa que o alcance é inevitável. "Acho que um dos fundamentos básicos para o desenvolvimento de uma civilização avançada é um desejo profundo de deixar informações", escreveu ele em seu e-mail. Se esse é um dos fundamentos básicos para o desenvolvimento de uma civilização avançada, que mensagens nós estaríamos deixando para trás?

Leia o artigo completo publicado em 1 de agosto no The Astrophysical Journal Letters.

Fonte: Space.com .

Já está no ar a Edição 260 da Revista UFO. Aproveite!

Agosto de 2018

O ano em que eles inundaram a Europa

UPDATED CACHE