DESTAQUE

Estudo de UFOs da Agência Espacial Francesa - 600 casos ao longo de 64 anos

Por
23 de Junho de 2021
O GEIPAN liberou uma análise de centenas de contatos ufológicos aéreos, resultando em dados estatísticos jamais vistos.
Créditos: GEIPAN

O GEIPAN, que significa Groupe d'Études et d'Informations sur les Phénomènes Aérospatiaux Non-identifiés (Grupo De Pesquisa e Informação de Fenômenos Aeroespaciais Não-Identificados), reportando-se à Agência Espacial da França (CNES), é uma unidade pouco conhecida que investiga os UFOs, com o diferencial que torna suas descobertas públicas. A contraparte francesa da Força-Tarefa UAP oferece uma análise detalhada de 600 casos em 64 anos.

Enquanto todos estão focados na versão americana do estudo, que conterá mais de 120 eventos, o GEIPAN divulgou um relatório que cobre mais de 600 incidentes registrados por pilotos em um período de 64 anos. O artigo concentra-se em 290 desses incidentes, quando um dispositivo aéreo não-identificado teve (ou poderia ter tido) um impacto na segurança de um voo. Embora o estudo tenha recebido pouca atenção, existem vários pontos que são essenciais para estabelecer ou verificar aspectos particulares dos fenômenos. Será fascinante ver se o relatório ao Congresso norte-americano apresentará resultados comparáveis ou se eles divulgarão essas descobertas na esfera pública.

Os 600 casos são distribuídos por ano e revelam que 320 ocorrências (53%) aconteceram ao longo de um período de 14 anos (de 1946 a 1960), com 275 casos (46%) ocorrendo entre 1950 e 1957. O ano com mais ocorrências (83 casos) foi 1952, seguido por 1954, com 40 casos. Os anos de 1952 nos Estados Unidos e 1954 na Europa são considerados os dois anos de pico para avistamentos de UFOs. Não há tendência sazonal perceptível na distribuição desses 600 casos por mês. Julho tem o maior número de casos (75) em comparação com os outros meses e abril tem o menor número de casos (29). Os 10 meses restantes tiveram entre 42 e 56 ocorrências, o que não parece ser uma diferença substancial.

As testemunhas não indicaram a hora do dia em 38 casos (6%). Das 562 ocorrências restantes, 305 (54%) ocorreram à noite e 257 (46%) durante o dia. Os avistamentos de UFOs registrados por pilotos militares são os mais comuns entre as 600 ocorrências documentadas durante um período de 64 anos: 251 ocorrências (42%). Os pilotos comerciais relataram 233 casos (39%), enquanto os pilotos privados registraram 105 (18%). Quando a última seção do intervalo de tempo investigado (1990 a 2010) é incluída, o resultado é completamente diferente. As ocorrências de aeronaves comerciais são as mais frequentes do total de 70: 49 (70%). Os pilotos militares relataram 12 casos (17%), enquanto os pilotos privados relataram 9 casos (13%). Isso pode estar relacionado ao sigilo que militares em todo o mundo assumiram quando se trata de divulgar avistamentos de UFOs.

Um estudo aprofundado da distribuição de casos de aeronaves militares por ano revela que 75% deles (189 casos) aconteceram durante um período de 13 anos (de 1946 a 1959). A maioria desses casos foram casos militares da década de 50, e vários registros oficiais desse período foram desclassificados nos anos que se seguiram (projetos norte-americanos como o Sign, Grudge e Blue Book). Em 141 casos (24%), quase um quarto dos 600 casos, o fenômeno foi observado de duas ou mais aeronaves em voo. Houve duas ou mais testemunhas oculares em 415 incidentes (69%). O piloto ou copiloto foi a única testemunha em 185 incidentes (31%). Os resultados revelam que, em mais de dois terços dos 600 casos, havia duas ou mais testemunhas.


Um bom número dos casos de avistamento em pleno voo tiveram risco de colisão com os estranhos objetos voadores.
Fonte: UFO Sightings Daily/MUFON

A distribuição dos incidentes por fase de voo revela que a grande maioria dos avistamentos ocorreu quando a aeronave estava em voo de cruzeiro. Ressalta-se que o piloto tem mais tempo para olhar para o céu nesta fase do voo, pois a aeronave fica frequentemente em piloto automático. Os pilotos, por outro lado, concentram sua atenção no voo e nos instrumentos durante as outras fases do voo. Dentre os 600 casos escolhidos, uma verificação por radar (positivo ou negativo) foi realizada em 278 (46%) deles. Os pilotos classificam as coisas que veem em duas categorias: pontos de “luz” e “objetos”, que têm uma aparência “sólida”.

O UFO relatado por pilotos e tripulações é descrito como tendo um aspecto material ou tridimensional sólido em mais de três quartos dos casos (74%). O UFO é descrito como sólido, embora seja mais comumente relatado como “objetos”, que vêm em uma variedade de formas. As formas mais comumente relatadas são redondas (ou elípticas) com uma aparência metálica (esfera, disco prateado etc.). Enquanto isso, várias formas adicionais foram notadas, algumas das quais eram bastante estranhas e contraditórias aos designs aerodinâmicos tradicionais.

Objetos se aproximaram de aviões em rota de colisão em 78 ocasiões, e houve quase colisão com a aeronave em seis. Os pilotos foram obrigados a tomar medidas evasivas em 31 ocasiões para evitar colisão com os UFOs, incluindo três casos (todos os incidentes com aeronaves comerciais) em que os passageiros foram feridos durante o movimento. Em 59 dos incidentes, o UFO circulou ou se aproximou da aeronave. Esse tipo de ocorrência é o que mais relata (20 casos) suspeita de impactos eletromagnéticos em equipamentos de aviação, principalmente em aeronaves comerciais (8 casos) e particulares (8 casos).

O elemento mais problemático dos contatos com UFOs parece ser as situações em que impactos eletromagnéticos permanentes ou transitórios ocorreram nos sistemas da aeronave durante o voo, seja direta ou indiretamente, como resultado da presença relativamente próxima de um ou mais objetos. Em 81 dos 600 casos escolhidos, interferência eletromagnética alegada foi vista e relatada (14%). Tudo, desde rádios a armamentos, foi afetado. Deve-se se lembrar dessas informações e perceber que já existem estudos que fizeram um grande esforço para nos ajudar a descobrir a natureza do Fenômeno UFO. Eles foram estudados por organizações conceituadas formadas por cientistas e profissionais qualificados.

Para acessar a análise, clique aqui.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos