DESTAQUE

Estrela que pode abrigar uma megaestrutura alienígena está diminuindo seu brilho

Por
22 de Maio de 2017
A hipótese de uma colossal construção de uma civilização alienígena em KIC 8462852 ainda não foi refutada
Créditos: Arquivo

A estrela KIC 8462852, é o maior enigma da astronomia dos últimos tempos. Conhecida como "estrela de Tabby", homenageando Tabetha Boyajian, astrônoma da Universidade Yale líder da equipe que descobriu seu estranho comportamento, e também como "a estrela da megaestrutura alienígena", esse sol distante 1.500 anos-luz de nós tem sido observado desde que em setembro de 2015 suas estranhas alterações de brilho foram descobertas, nos dados do telescópio espacial Kepler. Em 19 de maio último o astrônomo da Penn State University, Jason Wright, o primeiro a levantar a possibilidade da megaestrutura alienígena, deu o alerta no Twitter: "A Estrela de Boyajian está esmaecendo. Isto não é um ensaio. Examinem com os telescópios nas próximas 48 horas, por favor espectros!".

O que o astrônomo pede é que a maior quantidade possível de telescópios seja apontada para KIC 8462852, e que sejam feitas análises espectroscópicas da luz recebida da estrela. Conforme Wright explicou em um webcast no mesmo dia (confira nos links abaixo), caso o fenômeno seja causado por uma nuvem de poeira nas proximidades da estrela, a composição desta será determinada pelo espectro. Se mais luz azul que a vermelha for bloqueada, isso significará que há gás na nuvem, podendo suas características serem determinadas pela análise espectral. Desde que a Estrela de Tabby está sendo observada com mais atenção, a primeira diminuição em seu brilho foi detectada em 24 de abril último, retornando ao normal uma semana depois. Porém, em 18 de maio um evento de maiores proporções teve início, e depois de uma noite a quantidade de luz havia caído 2%.

Vale lembrar que um planeta como Júpiter bloqueia tipicamente um por cento da luz de sua estrela. Tabetha Boyajian ligou às 04h00 para Jason Wright e este emitiu o alerta no Twitter, quando a estrela já tinha 3% da luz bloqueada pelo fenômeno. Entre os telescópios que logo foram orientados para as observações de KIC 8462852 estão o Las Cumbres Observatory Global Telescope Network (LCOGT), que já vinha monitorando o distante sol regularmente, o MMT Observatory no Arizona e o Observatório Keck no Havaí, composto por dois instrumentos duplos de dez metros de abertura. Existe ainda a possibilidade de a campanha ter a participação do radiotelescópio de Green Bank e do telescópio espacial Swift, que irá analisar a estrela nos espectros visível e ultravioleta. Os cientistas não fazem ideia de quanto tempo a diminuição de brilho irá durar, pois a irregularidade destes é o principal mistério que rodeia o caso.

POSSIBILIDADE DE MEGAESTRUTURA ALIENÍGENA AINDA NÃO FOI REFUTADA

crédito: Arquivo
O Observatório Keck no Havaí é um dos instrumentos envolvidos no estudo
O Observatório Keck no Havaí é um dos instrumentos envolvidos no estudo

KIC 8462852 é uma estrela do tipo F3 e uma vez e meia maior que nosso Sol. Os fenômenos de diminuição de seu brilho descobertos em 2015 foram totalmente irregulares, chegando a um determinado período a 15%, e em outro a 22%. Como mencionado anteriormente, um planeta gigante gasoso como Júpiter bloquearia no máximo 1% e o faria com regularidade, fenômeno conhecido como trânsito. Até o momento, entre as explicações naturais, encontram-se um enxame de cometas, asteroides ou planetas colidindo. O astrônomo e divulgador Phill Plait, do blog Bad Astronomy do canal SyFy Wire - Blastr, explicou que até mesmo um planeta atingido por um colossal impacto cósmico poderia explicar o fenômeno. Esse evento causaria uma nuvem imensa de detritos que acompanharia o planeta em sua órbita e tal nuvem teria seu formato grandemente alterado a cada passagem. Alguns astrônomos apontam que os períodos em que a Estrela de Tabby diminui sua luminosidade ocorrem a aproximadamente 750 dias por vez, ciclo que combina com algumas observações.

crédito: Arquivo
Destroços de uma imensa colisão cósmica poderiam talvez explicar o comportamento da estrela
Destroços de uma imensa colisão cósmica poderiam talvez explicar o comportamento da estrela

A combinação das observações do Kepler de quatro anos atrás com as mais atuais não se encaixa de forma perfeita com o hipotético ciclo de 750 dias, mas essa pode ser uma hipótese a ser testada com as observações sendo feitas neste momento por vários instrumentos ao redor do mundo. Espera-se que os resultados das atuais investigações possam auxiliar a obter respostas quanto àquela que está sendo chamada de a estrela mais misteriosa da galáxia. Contudo, é importante frisar que no momento em que nos vemos diante de um fenômeno extraordinário, a explicação mais convencional logo costuma se impor quanto mais descobrimos evidências a respeito. O caso da estrela KIC 8462852 é de fato impressionante, pois até o momento nenhuma explicação natural foi capaz de explicar completamente seu estarrecedor comportamento. O próprio Phill Plait escreveu em um artigo meses atrás que ainda não considerava a hipótese da megaestrutura alienígena, porém o comportamento visto nesse sol ao longo do último século é consistente com o fato de uma imensa obra de engenharia estelar, com o fim de construir uma Esfera ou Enxame de Dyson, estivesse sendo executada por uma avançada civilização alienígena. Ainda teremos que aguardar algum tempo pela resposta, se é que virá.

Confira o vídeo do astrônomo Jason Wright comentando o caso

Tabetha Boyajian fala a respeito das pesquisas de KIC 8462852

Como construir uma Esfera de Dyson

Cientistas ainda debatem o mistério da estrela KIC 8462852

Estranho comportamento de uma estrela pode se dever a uma civilização alienígena

Michio Kaku afirma que podemos não ser interessantes para os alienígenas

Mistério da estrela KIC 8462852 se aprofunda

Encontrada outra estrela que pode abrigar megaestrutura alienígena

Misteriosas emissões de rádio podem ser de alienígenas impulsionando naves estelares

Estrelas podem ter civilizações alienígenas nos contatando

Saiba mais:

Livro: Guia da Tipologia Extraterrestre

crédito: Revista UFO
Guia da Tipologia Extraterrestre
Guia da Tipologia Extraterrestre

Há séculos a espécie humana assiste à chegada de estranhos seres geralmente bípedes e semelhantes a nós, que descem de curiosos veículos voadores sem rodas, asas ou qualquer indício de forma de navegação. Quase sempre estas criaturas têm formato humanoide e não raro se parecem com uma pessoa comum, mas com um problema: elas não são daqui, não são da Terra. O que pouca gente sabe é que existem dezenas de tipos deles vindo até nós, alguns com o curioso aspecto de robôs, outros se assemelhando a animais e há até os que se parecem muito com entidades do nosso folclore. O Guia da Tipologia Extraterrestre faz uma ampla catalogação de todos os tipos de entidades já relatadas, classificando-as conforme sua aparência e características físicas diante de suas testemunhas, resultando num esforço inédito para se entender quem são nossos visitantes.

DVD: Buscando Vida Fora da Terra

Já está no ar a Edição 245 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2017

Múltiplos formatos e origens

UPDATED CACHE