NOTÍCIA

Estranhos sinais de rádio captados em estrela a 11 anos-luz

Por Equipe UFO | 19 de Julho de 2017

Os cientistas buscam respostas para os sinais vindos de Ross 128
Créditos: Arquivo

Ross 128 é uma estrela anã vermelha situada a somente 11 anos-luz do Sol, cerca de 2.800 vezes menos luminosa que este, e onde ainda não foram encontrados planetas em órbita. Contudo, o radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico, de 1.000 pés de extensão, ou 305 metros, captou o que os cientistas descrevem como "sinais muito peculiares" vindos desse sistema. Conforme afirma Abel Mendez, diretor do Laboratório de Habitabilidade Planetária da Universidade de Porto Rico: "Os sinais consistem de pulsos quase periódicos e não polarizados, com características de forte dispersão".

O cientista ainda acrescenta: "Acreditamos que os sinais não são interferências locais de radiofrequência, pois eles são únicos a Ross 128, já que observações de estrelas próximas a ela, imediatamente antes e depois da captação, não mostraram nada similar". Os sinais foram descobertos em um período de dez minutos nos quais o radiotelescópio ficou apontado para a estrela. Arecibo é muito utilizado em observações do programa de Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI), e também na observação de galáxias distantes, além de emitir ondas do tipo de radar para estudar asteroides próximos à Terra.

Três explicações para os sinais se encontram entre as mais prováveis conforme os cientistas: emissões solares do tipo flare de Ross 128; emissões de outro objeto cósmico no mesmo campo de visão da observação, que é muito grande no radiotelescópio de Arecibo; e algum tipo de transmissão de um satélite em órbita da Terra, passando próximo ao campo de detecção do telescópio. Contudo essas explicações têm problemas, pois flares desse tipo emitem sinais em frequências mais baixas. Mendez aponta que não existem outros objetos próximos a Ross 128 que pudessem ser os responsáveis, e pulsos como os captados nunca foram observados em qualquer satélite. E Mendez ainda alerta: "Caso esteja pensando na possibilidade de uma civilização alienígena, esta explicação tem probabilidade muito menor que outras mais viáveis".

BUSCANDO RESPOSTAS EM ROSS 128

crédito: Arquivo
O radiotelescópio de Arecibo está sendo utilizado na pesquisa
O radiotelescópio de Arecibo está sendo utilizado na pesquisa

Uma nova campanha de observação de Ross 128 e seus arredores deveria começar em 16 de julho com o radiotelescópio de Arecibo. Abel Mendez diz: "Sucesso seria encontrar o sinal de novo, se não encontrarmos nada o mistério irá se aprofundar". Outros radiotelescópios, de acordo com ele, talvez não sejam sensíveis o bastante para captar os sinais, com exceção do imenso radiotelescópio Fast, da China. Contudo, este ainda não está operacional pois está passando pelo processo de calibragem. O SETI pretende utilizar seu Arranjo de Telescópios Allen, uma rede de 42 antenas, para observar Ross 128, e Seth Shostak, astrônomo sênior do Instituto SETI, afirmou acreditar que os sinais se devem a interferência terrestre. Arecibo estava sendo utilizado para analisar anãs vermelhas a fim de entender sua atividade e como podem abrigar exoplanetas habitáveis, além de buscar por mundos alienígenas ainda não descobertos. Abel Mendez escreveu no Twitter em 17 de julho que haviam captado importantes informações na observação de Ross 128, e espera-se para breve uma resposta para este mistério.

Acompanhe o Twitter de Abel Mendez

Visite o site do Laboratório de Habitabilidade Planetária

Cientistas rastreiam origem de misteriosa rajada de ondas de rádio

Misteriosas emissões de rádio podem ser de alienígenas impulsionando naves estelares

Projeto Breakthrough Listen divulga seus primeiros resultados

China pretende ser a primeira nação a detectar vida alienígena

Sinais misteriosos captados via rádio intrigam a comunidade científica

Explicação para o Sinal Uau envolvendo cometas é contestada

Saiba mais:

Livro: Guia da Tipologia Extraterrestre

crédito: Revista UFO
Guia da Tipologia Extraterrestre
Guia da Tipologia Extraterrestre

Há séculos a espécie humana assiste à chegada de estranhos seres geralmente bípedes e semelhantes a nós, que descem de curiosos veículos voadores sem rodas, asas ou qualquer indício de forma de navegação. Quase sempre estas criaturas têm formato humanoide e não raro se parecem com uma pessoa comum, mas com um problema: elas não são daqui, não são da Terra. O que pouca gente sabe é que existem dezenas de tipos deles vindo até nós, alguns com o curioso aspecto de robôs, outros se assemelhando a animais e há até os que se parecem muito com entidades do nosso folclore. O Guia da Tipologia Extraterrestre faz uma ampla catalogação de todos os tipos de entidades já relatadas, classificando-as conforme sua aparência e características físicas diante de suas testemunhas, resultando num esforço inédito para se entender quem são nossos visitantes.

DVD: Buscando Vida Fora da Terra

Saiba mais sobre este assunto na edição 245 da revista

Comentários