DESTAQUE

Estados Unidos dizem que a Rússia acabou de testar uma arma antissatélites em órbita

Por
25 de Julho de 2020
Satélite sobre a Terra
Créditos: Extreme Tech

Pode até parecer coisa de ficção científica, mas não é. A Rússia está testando armas para derrubar satélites em orbita. O que era teoria da conspiração, virou realidade e ninguém sabe como isso vai terminar.

 De acordo com o site The Drive, o chefe da Força Espacial dos Estados Unidos, o mais novo ramo das Forças Armadas daquele país, disse publicamente pela primeira vez que o governo russo realizou dois testes de armas antissatélite em órbita nos últimos três anos. 

Essas revelações acontecem menos de seis meses depois que os militares norte-americanos expressaram preocupação com um satélite russo que parecia estar sombreando o satélite espião americano KH-11.

O chefe de operações espaciais, John "Jay" Raymond, principal oficial uniformizado da Força Espacial, revelou os dois testes em uma entrevista à revista Time. Raymond também é atualmente chefe do serviço espacial US Space Command (Spacecom). 

Essa peça, publicada em 23 de julho de 2020, oferece uma visão detalhada de onde está a Space Force agora e para onde espera ir no futuro e vale a pena ler na íntegra

 "A Rússia está desenvolvendo recursos em órbita que buscam explorar nossa dependência de sistemas espaciais", disse Raymond à Time. Ele explicou que, em 15 de julho de 2020, um satélite identificado como Cosmos 2543 lançou um projétil que poderia ser usado para destruir outra nave espacial.

O Kremlin descreve o Cosmos ou Kosmos 2543, como um "verificador de aparelhos espaciais", que ostensivamente se destina a fazer exatamente o que o nome diz, inspecionar outros satélites. E ele não é o único em órbita neste momento.

Isso oferece às autoridades russas uma maneira de investigar problemas ou avaliar danos a outros ativos espaciais em órbita. No entanto, devido ao seu pequeno tamanho e alto grau de manobrabilidade, tem havido preocupações de longa data de que esses inspetores orbitais pudessem funcionar como espiões.

E não apenas isso, mas que pudessem atuar como satélites assassinos capazes de se aproximar e, em seguida, interromper ou destruir outras plataformas espaciais por quaisquer outros meios, incluindo interferência de guerra eletrônica ou uma arma de energia direcionada, como um feixe de microondas de alta potência. 

Eles também poderiam manipular um satélite de maneira a desativá-lo ou lançar ataques cinéticos, atingindo o alvo ou lançando projéteis, sendo este último algo que a Força Espacial agora diz que o Kremlin está testando ativamente. 

A destruição de vários satélites pode ser uma característica essencial de qualquer futuro conflito de larga escala, especialmente durante os estágios de abertura. 

As Forças Armadas dos Estados Unidos, entre outras, dependem fortemente de sistemas espaciais para uma ampla gama de funções, incluindo alerta precoce, coleta de informações, comunicações e compartilhamento de dados, navegação e orientação de armas e muito mais.

Vale a pena notar que outro satélite inspetor, o Cosmos 2542, lançado pelo governo russo em novembro de 2019, implantou o Cosmos 2543 na órbita do mês seguinte. 

A Time diz que as Forças Armadas norte-americana apelidaram esses satélites de "bonecas", em uma referência aos tradicionais bonecos matryoshka russos.

Como tudo isso vai evoluir não sabemos, mas o que ficou claro na matéria do The Drive é que as atividades bélicas espaciais, a famosa Guerra nas Estrelas do presidente Ronald Reagan está ganhando corpo quase 40 anos após seu famoso discurso na Assembleia da ONU.

Teóricos da conspiração veem esses movimentos como sinais de algo pior está a caminho. Militares veem esses movimentos como parte de um sistema de ataque que se constrói aos poucos e que precisa ser acompanhado e parado, se possível. Como isso vai terminar, ninguém sabe, mas todos nós prendemos o fôlego.

 

Fonte: The Drive  

Já está no ar a Edição 270 da Revista UFO. Aproveite!

Julho de 2019

Anunnaki: Aqueles que do céu desceram à Terra