DESTAQUE

ESA construirá primeira instalação para contenção de vida extraterrestre

Por
24 de Setembro de 2016
A missão orbital Exomars deve chegar a Marte em outubro
Créditos: ESA

A primeira fase da missão Exomars da Agência Espacial Europeia (ESA) se encontra rumando para Marte e o objetivo final no projeto, a ser atingido pela metade dos anos 2020, é trazer para a Terra amostras de solo marciano que possam conter exemplares de vida marciana, se esta existir. A missão deve entrar em órbita do Planeta Vermelho em outubro, e entre os primeiros objetivos está o de confirmar o achado da Mars Express, também da ESA, que detectou emissões sazonais em Marte em 2003.

Evidentemente, trazer amostras de Marte a fim de serem analisadas em laboratórios terrestres significa que as referidas amostras não podem ser esterilizadas. Devem ser acondicionadas em um recipiente capaz de aguentar as agruras do voo espacial e a reentrada em nossa atmosfera, a fim de que os cientistas encontrem as amostras intactas. Porém, como disse Sara Russel, do Museu de História Natural de Londres: "Temos que ter um plano para o caso de existirem formas de vida". Como se sabe a tripulação da Apollo 11, a primeira a retornar da Lua em julho de 1969, foi mantida em um ambiente hermeticamente fechado para que os cientistas se certificassem de que os astronautas não haviam sido expostos a algum material ou patógeno em nosso satélite natural. Depois, claro, foi comprovado que não existe vida na Lua.

Sara Russel é coordenadora do projeto Euro-Cares, que está desenvolvendo tecnologias e procedimentos para a Instalação Europeia de Curadoria de Amostras, um sofisticado laboratório preparado para transportar e analisar as amostras trazidas de outros mundos. Ela comenta: "As chances de trazer micro-organismos marcianos acredita-se ser pequena, mas evidentemente temos que pensar no pior e nos preparar". Um dos piores cenários seria o da cápsula de retorno cair de forma desgovernada, em um local não previsto ou até mesmo nas proximidades ou dentro de um centro urbano, e a preocupação é grande no sentido de que uma amostra dessas, e o que estiver dentro dela, não contamine o ambiente terrestre. A questão foi apresentada por Russel: "Se encontrarmos indícios de vida em Marte e colhermos uma amostra, devemos esterilizá-la, ou a preservamos para que possamos caracterizá-la e aprender com ela?".

PRECAUÇÃO E CUIDADO NO ESTUDO DE AMOSTRAS DE VIDA ALIENÍGENA

crédito: NASA
O então presidente Richard Nixon conversa com os astronautas da Apollo 11 em quarentena após retornarem da Lua
O então presidente Richard Nixon conversa com os astronautas da Apollo 11 em quarentena após retornarem da Lua

Levará ainda uma década a fim de que tenhamos uma missão de retorno de amostras de Marte, e Sara Russel questiona se cápsulas de reentrada resistentes e de custo razoável poderão ser desenvolvidas a tempo. Ela diz: "Temos que pensar no risco de um pouso problemático ou queda, e garantir que a cápsula seja projetada de forma a que nada possa sair dela". A empresa Space UK está desenvolvendo a cápsula e seu compartimento de contenção terá múltiplas camadas e será totalmente impermeável. Missões não tripuladas já trouxeram de volta amostras da Lua, em 2006 a nave Stardust da NASA chegou com amostras de um cometa e a nave Hayabusa do Japão obteve amostras do asteroide Itokawa em 2010. Contudo, Marte será o primeiro mundo habitável de onde serão enviadas amostras para a Terra e a comunidade científica começa a discutir os protocolos para lidar com essa nova fronteira de pesquisas.

visite o site da Euro-Cares

Site oficial da missão Exomars

Europa e Rússia lançam nave que irá procurar vida em Marte

ESA elege local de aterrissagem para o seu primeiro rover em Marte

NASA lançará sonda para analisar interior de Marte em 2018

Fundador da SpaceX diz que humanos precisam colonizar Marte para sobreviver

Marte possui água corrente na superfície na atualidade

NASA comemora dez anos dos primeiros rovers em Marte

Curiosity encontra mais elementos para vida em Marte

Missão Viking a Marte completa 40 anos

Saiba mais:

Livro: Guia da Tipologia Extraterrestre

crédito: Revista UFO
Guia da Tipologia Extraterrestre
Guia da Tipologia Extraterrestre

Há séculos a espécie humana assiste à chegada de estranhos seres geralmente bípedes e semelhantes a nós, que descem de curiosos veículos voadores sem rodas, asas ou qualquer indício de forma de navegação. Quase sempre estas criaturas têm formato humanoide e não raro se parecem com uma pessoa comum, mas com um problema: elas não são daqui, não são da Terra. O que pouca gente sabe é que existem dezenas de tipos deles vindo até nós, alguns com o curioso aspecto de robôs, outros se assemelhando a animais e há até os que se parecem muito com entidades do nosso folclore. O Guia da Tipologia Extraterrestre faz uma ampla catalogação de todos os tipos de entidades já relatadas, classificando-as conforme sua aparência e características físicas diante de suas testemunhas, resultando num esforço inédito para se entender quem são nossos visitantes.

DVD: Buscando Vida Fora da Terra

Já está no ar a Edição 77 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2014

O primeiro de muitos passos