DESTAQUE

Enquanto os EUA liberam 3 vídeos de UFOs, o Chile registra mais de 200 casos

Por
27 de Setembro de 2019
Durante a celebração do bicentenário, os falcons da Força Aérea passaram prestando homenagem a La Moneda, registrando um objeto estranho no céu, em 2010.
Créditos: QuePasa/Carlos Montes

Na semana passada, o governo dos Estados Unidos e seu Departamento de Operações Navais confirmaram a existência e a veracidade de uma série de três vídeos de objetos voadores não identificados (UFOs). No Chile, os UFOs não são mais mencionados. O conceito evoluiu e hoje falamos de fenômenos aéreos anômalos, cujo registro é responsável pelo Comitê de Estudos de Fenômenos Aéreos Anômalos (CEFAA). 

A agência  faz parte da Direção Geral de Aeronáutica Civil, DGAC, e é responsável por estudar, coletar, analisar e classificar esse tipo de fenômeno no espaço aéreo do Chile, de Arica ao Polo Sul. Ele ficou encarregado de continuar o trabalho da Comissão Chilena de Estudos dos Fenômenos Espaciais Não Identificados, nascida em 1968.

No Chile, segundo dados oficiais do CEFAA, nos últimos dois anos (2018 e 2019), foram registrados 201 casos. 128 no ano passado e 73 até o momento durante este ano. A classificação dos fenômenos aéreos anômalos é dividida em quatro tipos: inexplicável, pendente, explicada e falsa.

Tabela de casos

O principal objetivo desse comitê é apoiar a segurança das operações aéreas no país. " Em 3 de outubro de 1997, este órgão foi oficialmente criado, após a investigação da Comissão de 1968, criando o Comitê de Estudos de Fenômenos Aéreos Anormais sob a Direção Geral de Aviação Civil", disse Hugo Camus, diretor do CEFAA.

Nos escritórios do serviço metereorológico do Chile começou a investigação oficial sobre o Fenômeno UFO.

É definido como inexplicável, aqueles casos em que, após aparar todas as arestas, hipóteses e possíveis explicações investigadas, não é possível concluir a origem do fenômeno. Pendente refere-se a estudos em cujos relatórios, as testemunhas não forneceram as informações solicitadas dentro dos prazos estipulados e também aqueles cuja resolução aguarda resultados pelo Comitê.

Enquanto os casos explicados, são aqueles que identificam uma origem com uma causa reconhecível, após a investigação correspondente. Por fim, situações classificadas como falsas são aquelas relatadas com testes, imagens ou vídeos alterados ou com informações inexistentes.

"Anualmente, mais de 500 mil operações aéreas, com mais de 22 milhões de passageiros, são registradas em aeroportos de todo o país.  Portanto, nosso objetivo é colaborar para que esses passageiros viajem com segurança e conforto ”, acrescenta Camus.

O gráfico explica a porcentagem de casos expicados, pendentes, inexplicáveis e falsos no perído de 2018-2019.

O CEFAA possui um Departamento de Programação e Controle, que recebe relatórios executivos mensais e detalhes das investigações realizadas, incluindo aquelas que chegaram a uma conclusão final. 

“O conceito que usamos, Fenômenos Aéreos Anômalos e Fenômenos Aéreos Não Identificados, é um conceito muito mais amplo que o OVNI. Em 1947, um piloto civil norte-americano avistou nove objetos, que foram disseminados por todo o mundo. Esse marco marcou a história contemporânea desse tipo de fenômeno, daí o conceito de disco voador. Mais tarde, ele negou”, explica Camus.

"Então, nos 52 e 53 anos, em um projeto que precedeu o projeto Blue Book da Força Aérea da América do Norte, um jovem capitão apontou que o conceito de discos voadores não era concreto e não era o que melhor refletia o que estava sendo observado. Nasceu o conceito de um objeto voador não identificado, UFO”, acrescenta.

Nos anos 80, Richard Haines, um psicólogo que participou de estudos desse tipo de fenômeno, disse que “esse conceito de UFO era curto diante dos avistamentos. Ele sugeriu que, em vez de UFO, falasse sobre fenômenos aéreos não identificados e, em seguida, fenômenos aéreos anormais. Evoluiu-se depois disso porque os fenômenos são muito mais amplos que um mero objeto voador não identificado”, explica o profissional.

Objetos, pássaros e insetos que levam a conclusões falsas sobre UFOs.

Muitos casos ocorrem com base nos erros das pessoas. “As pessoas confundem o planeta Vênus, confundem o movimento da Estação Espacial Internacional, os satélites Iridium, que possuem antenas fotovoltaicas, que às vezes você pode ver durante o dia, que é algo luminoso que percorre o espaço e as pessoas acham estranho", aponta Camus.

Todos os casos que chegam diariamente, por telefone ou site, são investigados esgotando todas as instâncias e hipóteses. “Lembro-me de um caso de maio de 2018, o famoso Caso Livor, em que as tripulações de seis aviões comerciais, na costa de Antofagasta nos informaram que haviam visto uma série de luzes na área. Concluímos que eles viram barcos de pesca de lulas gigantes, de origem chinesa e européia, que usavam geadas gigantes do mar . Essa foi a explicação ”, lembra o diretor da CEFAA.

O tema do iminente desacobertamento ufológico que toma conta do Brasil e de demais países será abordado UFO Summit Brazil 2019, em novembro, por diversas capitais.

Entenda o que está acontecendo na Ufologia Mundial nesse momento: 

Reconhecimento de UFOS

O perigo da tecnologia é a causa de manter contato secreto com aliens

Alerta para iminente revelação UFO

Participe do UFO SUMMIT BRAZIL 2019 e esteja preparado para novas revelações:

Informações e inscrições
www.ufosummit.com.br

Fonte: Latercera 
Colaboração: Andrea Simondini

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 272 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2019

ETs em nossos dormitórios