DESTAQUE

Empresa japonesa quer ser courrier espacial e construir uma base na Lua já a partir de 2022

Por
21 de Agosto de 2020
Capsula Hakuto-R
Créditos: ispace.com

A startup ispace vai acelerar o desenvolvimento de sua base lunar para ser uma empresa de entregas espaciais, levando equipamentos científicos e comerciais, como robôs e rovers, à Lua

 A startup japonesa ispace – assim mesmo, com minúsculas, cujo nome pronuncia-se como I-space – acaba de levantar USD 28 milhões por meio do Incubate Fund, e pretende usar o dinheiro para acelerar o desenvolvimento de uma base lunar.

A base que deve receber os dois primeiros lançamentos da empresa, programados para acontecer em 2022 e 2023.

O plano da ispace é ser uma empresa de entregas espaciais, levando com seu foguete HAKUTO-R equipamentos científicos e comerciais, como robôs e rovers, à Lua.

Agências espaciais podem se beneficiar deste serviço. Uma delas seria a NASA, que planeja uma série de missões lunares no futuro próximo. No setor privado, a ispace já tem clientes como a Takasago Thermal, que quer levar e testar sua tecnologia de eletrólise na Lua.

A seguradora Mitsui Sumitomo também pode decolar com a companhia, uma vez que está desenvolvendo um produto especial para cobrir missões comerciais lunares.

Por todos esses motivos, a ispace se autodenomina a “Fedex” do espaço, em uma referência à gigante americana de entregas expressas.

 

O futuro chegou?


Base na Lua. Crédito: Revista UFO

Com o novo aporte, o investimento total na companhia chega a USD 125 milhões, provenientes de fundos como o Takasago Thermal Engineering Co., o Mitsui Sumitomo e do novato Space Frontier Fund, focado em atividades espaciais, criado em maio de 2020, com o capital inicial da Toyota, Mitsubishi, Mizuho Bank e outros.

A ispace foi fundada em 2010, como uma iniciativa para concorrer ao Lunar XPrize, prêmio financiado pelo Google. A competição premiaria em USD 20 milhões, a primeira empresa que conseguisse pousar na Lua e explorar uma superfície de 500 m em nosso satélite.

Em 2018, a premiação foi encerrada sem um vencedor, mas algumas equipes continuaram suas pesquisas, apostando no crescente interesse governamental da exploração lunar e na queda do preço da tecnologia para essas missões.

É o caso da ispace, que ficou entre as cinco finalistas na competição. Além de levar equipamentos para a Lua, a startup japonesa pretende ainda explorar suas duas missões para a coleta e venda de dados.

Através da recém-anunciada plataforma Blueprint Moon, a ipsace vai comercializar as informações de imagens, ambientais e químicas que reunir com seus lançamentos, para ajudar outras empresas que tentam estruturar suas próprias missões.

“O novo investimento e o lançamento da nossa plataforma de dados lunares não apenas apoiam o desenvolvimento constante dos negócios da ispace, como também provam que somos capazes de liderar o crescimento da economia lunar, expandindo a presença humana no espaço e criando um mundo mais sustentável”, disse o fundador e CEO da companhia Takeshi Hakamada, em comunicado oficial.

 

Vale a pena visitar o site da ispace e conhecer as propostas da empresa para suas atividades lunares. Se realmente ela for capaz de cumprir o que pretende, o futuro chegou e nós vamos precisar atualizar nossos conceitos. Aguardemos.

Com informações do site Neofeed, por favor clique aqui para ler a matéria original

Clique aqui conhecer o site da ispace

Asista, abaixo, o vídeo de apresentação da empresa ispace:

Já está no ar a Edição 278 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2020

Miscigenação com aliens