DESTAQUE

Elon Musk pode estar atraindo extraterrestres para a Terra

Por
01 de Abril de 2021
Em breve, a rede Starlink poderá ser considerada uma megaestrutura identificável por outras civilizações.
Créditos: Adobe Stock

Um novo artigo aceito para publicação no Journal of the British Interplanetary Society propõe que a rede de satélites Starlink, lançada pela empresa espacial privada SpaceX, de Elon Musk, estaria lentamente cercando a Terra e construindo uma “assinatura tecnológica” que poderia ser vista por extraterrestres – o que poderia levá-los até aqui.

Por Paul Seaburn

“No ano passado, em 24 de maio, a SpaceX lançou o primeiro conjunto de 60 satélites Starlink e até agora o número total é de aproximadamente 400, com o objetivo de chegar a pelo menos 12.000 no final de uma década, conforme anunciado por Elon Musk. Um número tão grande de satélites, distribuídos por quase toda a órbita da Terra, poderia ser considerado o primeiro protótipo de uma possível megaestrutura ao redor do planeta, que, em princípio, poderia ser visível do cosmos”, disse Zaza Osmanov.

Osmanov é professor de astrofísica na Universidade Livre de Tbilisi, Geórgia, e ficou intrigado com a descoberta da estrela Tabby (KIC 8462852), a 1.470 anos-luz de distância, cujo escurecimento foi atribuído por alguns à possibilidade de uma estrutura do tipo esfera de Dyson ao seu redor. Enquanto ela estava muito longe para ser vista com qualquer telescópio terrestre conhecido, Osmanov propôs que o Very Large Telescope (VLT), no Chile, e o rádio telescópio FAST, da China, poderiam detectar tal estrutura em torno de uma estrela a até 260 anos-luz de distância.

Partindo desse pressuposto, ele estima que levaria cerca de 800 anos para a constelação Starlink aparecer em qualquer pesquisa alienígena. “Extrapolando a ideia da constelação Starlink, assumimos que uma sociedade alienígena com índice K = 0.7 (como a nossa civilização) alcançará o Tipo I em 1000 anos, o que é suficiente para construir uma megaestrutura planetária e identificar outras em sistemas estelares diferentes”, afirma Osmanov.


Elon Musk poderia estar sinalizando para outras civilizações que há vida inteligente na Terra com a rede Starlink.
Fonte: Wikimedia Commons

O grande “se” no final de muitas explicações científicas detalhadas no artigo é a “civilização Tipo I”, que, de acordo com uma revisão do artigo na Forbes, é uma civilização planetária que pode aproveitar toda a energia que chega em um planeta de sua estrela-mãe. Nós, terráqueos, somos atualmente classificados como uma civilização do tipo 0.7 e Osmanov estima que não alcançaremos o Tipo I por cerca de 1.000 anos, com base em nosso uso de energia aumentando em 1% ao ano.

No entanto, outra civilização inteligente com uma vantagem sobre nós poderia ter um telescópio capaz de detectar megaestruturas, e possivelmente uma estrutura feita de satélites, como a rede Starlink, ao redor da Terra - uma “assinatura tecnológica” - e assumir a mesma coisa que muitos astrônomos fizeram quando foram apresentados ao escurecimento da estrela de Tabby: é um sinal de que há vida inteligente no planeta azul. E, se eles puderem ver isso, talvez possam captar as transmissões de televisão anunciando (ou reclamando) a rede de satélites, descubram quem a construiu e planejem fazer uma visita verdadeiramente “inteligente.”

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 277 da Revista UFO. Aproveite!

Fevereiro de 2020

UFOs no espaço até a Lua