DESTAQUE

Elon Musk e a vida no Sistema Solar: a questão é o tipo de vida que se procura

Por
16 de Outubro de 2020
Haverá vida em outro mundo do Sistema Solar? Elon Musk acha que não
Créditos: Science

Elon Musk, o todo poderoso CEO da Space-X, a recordista de foguetes reaproveitáveis que tornou possível à NASA retornar o lançamento de astronautas voltou gerar notícias com seus tweets. Dessa vez, esquecendo-se de que a Terra é habitada.

 “Não parece haver vida neste Sistema Solar”, escreveu o bilionário e CEO da SpaceX Elon Musk em um tweet recente, respondendo a uma correspondência de fãs de um australiano de 13 anos. Obviamente ele não desconsiderava nosso planeta na resposta, mas a internet não perdoa e as pessoas já começaram a fazer piadas com a resposta.

Musk admitiu, porém, que ainda pode haver uma chance de que a vida esteja escondida em outro lugar em nosso sistema, mesmo que tenha pouca semelhança com o tipo de vida a que estamos acostumados. “Talvez sob o gelo da Europa ou bactérias extremófilas abaixo da superfície de Marte”, acrescentou Musk.

O bilionário excêntrico também indicou ao garoto a entrada da Wikipedia para a equação de Drake. Em suma, a equação tenta estimar o número de civilizações extraterrestres em nossa galáxia. 

Formulada pela primeira vez por Frank Drake em 1961, a equação requer que você insira variáveis, cujas estimativas variam amplamente. Mas se tornou um mapa do que ainda precisamos descobrir antes de podermos dizer de uma vez por todas se estamos sozinhos em nossa galáxia.

Mais perto de casa, os astrobiólogos têm algumas ideias sobre onde procurar vida em nosso próprio sistema. Como Musk aponta, luas geladas como Enceladus, de Saturno, ou a lua de Júpiter Europa poderiam ser capazes de abrigar vida em oceanos profundos do subsolo, protegidos da radiação espacial e outras condições hostis por uma espessa camada de gelo.

Muitas possibilidades, mas nenhuma confirmação


Elon Musk Foto divulgação

Os cientistas descobriram que as condições nesses oceanos podem ser favoráveis. Por exemplo, os pesquisadores encontraram traços de compostos orgânicos em plumas que explodiram da superfície de Enceladus, parecendo ser os blocos de construção dos aminoácidos, os precursores das formas de vida baseadas na Terra.

Outros pesquisadores concluíram que os oceanos de Europa poderiam ter uma composição química semelhante à água salgada da Terra, tornando-a mais hospitaleira do que pensávamos inicialmente. Alguns chegaram a afirmar que a vida em Europa poderia ser incrivelmente inteligente.

“Se há algo em Marte, é provável que seja muito pequeno, como bactérias”, disse Monica Grady, reitora da Liverpool Hope University, no Reino Unido, em fevereiro. “Mas acho que temos uma chance melhor de ter formas de vida ligeiramente superiores na Europa, talvez semelhantes à inteligência de um polvo”.

Por falar em Marte, a série de rovers da NASA nos trouxe pistas tentadoras sobre o que poderíamos encontrar uma vez que viajássemos para o Planeta Vermelho, um empreendimento extremamente perto do coração de Musk.

Evidências extraordinárias


Planeta Terra, o único habitado de nosso sistema? Crédito: NASA

Alguns até acreditam que há muito encontramos vida em Marte durante as missões Viking da NASA, em meados dos anos 70. Na época, a amostra de solo marciano da sonda Viking liberava dióxido de carbono radioativo quando misturada com um reagente, um sinal da existência de microrganismos para o ex-cientista da NASA Gilbert Levin.

A conclusão de Levin, no entanto, tem se mostrado controversa, com o cientista sendo forçado a publicar suas descobertas por conta própria devido aos periódicos mais conceituados que o rejeitaram.

Mais recentemente, os pesquisadores ficaram surpresos ao encontrar fosfina na atmosfera de Vênus - um sinal de que pode haver vida microbiana escondida em suas nuvens. Mas é muito cedo para dizer algo com certeza.

“Como Carl Sagan disse, 'alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias'”, disse o astrobiólogo Dirk Schulze-Makuch da Washington State University em um comunicado.

Schulze-Makuch e sua equipe identificaram “tiofenos” em leituras coletadas pelo rover Curiosity da NASA, compostos especiais encontrados no carvão, petróleo bruto e trufas brancas na Terra. Uma descoberta consistente com a vida inicial em Marte.

“Acho que a prova realmente exigirá que enviemos pessoas para lá, e um astronauta olha através de um microscópio e vê um micróbio em movimento”, acrescentou.

 

Fonte: Futurism

Já está no ar a Edição 279 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2020

Segredos ufológicos nos corredores do Pentágono