DESTAQUE

Einstein e Oppenheimer teriam dissertado sobre alienígenas?

Por
13 de Agosto de 2019
Einstein e Oppenheimer
Créditos: Getty imagens

Em junho de 1947, Albert Einstein e J. Robert Oppenheimer, teriam juntos escrito um documento de seis páginas intitulado “Relationships with Inhabitants of Celestial Bodies” (Relacionamentos com Habitantes de Corpos Celestiais ). 

O documento diz que a presença de espaçonaves não identificadas já seria aceita como verdadeira pelos militares.  Este documento também trata de assuntos, como por exemplo, de onde ‘eles’ vêm, o que a lei dita a respeito disso, o que deveríamos fazer caso haja a colonização ou integração com os povos, e o porquê deles estarem aqui.

Finalmente, o documento fala sobre a presença de ‘astroplanos’ celestiais em nossa atmosfera, como resultado das ações dos experimentos militares em armamentos militares de cisão e fusão.

Se realmente Einstein e Oppenheimer o escreveram, esse material poderia significar a consideração de nossa situação e segurança futuras em potencial, devido às nossas ações.  Como poderíamos evitar esse perigoso destino?

Veja abaixo um trecho do documento traduzido:

"O relacionamento com homens extraterrestres basicamente não apresenta um novo problema do ponto de vista da lei internacional; mas a possibilidade de confrontar seres inteligentes que não pertencem à raça humana traria problemas, cujas soluções são difíceis de conceber. Em princípio, não há dificuldade alguma em aceitar a possibilidade de chegar a um entendimento com eles, e de estabelecer todos os tipos de relações. Se estes seres inteligente possuíssem uma cultura e uma organização política mais ou menos perfeitas, eles teriam um direito absoluto de serem reconhecidos como povos independentes e soberanos.

Uma outra possibilidade pode existir de que uma espécie de Homo sapiens poderia ter se estabelecida como uma nação independente em outro corpo celestial de nosso sistema solar, e evoluída culturalmente de forma independente à nossa. As condições de vida nesses corpos celestes, digamos na Lua, ou no planeta Marte, teria que ser de tal forma a permitir uma vida estável e de certo modo, independente do nosso ponto de vista econômico.

Muito tem sido especulado sobre as possibilidades da existência de vida fora da nossa atmosfera e além, sempre hipoteticamente.   Vamos presumir que a esteatita lunar possa existir e contenha até 13 por cento de água.  Através do uso de energia e maquinário levados para a Lua, talvez por uma estação espacial,  ela poderia ser quebrada, pulverizada e então levada a eliminar a água da cristalização.  Esta poderia ser coletada e então decomposta em hidrogênio e oxigênio, através do uso de uma corrente elétrica, ou de um tipo de onda de radiação do Sol.  O oxigênio poderia ser usado para respiração; o hidrogênio poderia ser usado como combustível.

Agora, chegamos à um problema da determinação do que fazer se os habitantes de corpos celestiais, ou entidades biológica extraterrestres (EBEs) desejassem se estabelecer aqui.

1. Se eles forem politicamente organizados e possuírem uma certa cultura similar à nossa, eles poderiam ser reconhecidos como um povo independente.

2. Se eles considerassem nossa cultura como não possuidora de uma unidade política, eles teriam o direito de nos colonizar.  É claro, esta colonização não poderia ser conduzida de forma clássica.  Uma forma superior de colonização teria que ser concebida, a qual deveria ser um tipo de tutela, possivelmente através de uma aprovação subentendida das Nações Unidas.  Mas legalmente teriam as Nações Unidas o direto de permitir tal tutela sobre nós desta forma?

Não podemos excluir a possibilidade de que uma raça de povos extraterrestres mais avançada tecnologicamente e economicamente pode tomar para si mesma o direito de ocupar outro corpo celestial.

 

A divisão de um corpo celestial em zonas e sua distribuição entre outros estados celestiais.

Uma entidade moral? A solução mais plausível parece ser esta: submeter um acordo fornecendo a absorção pacífica de uma raça celestial, de tal forma que nossa cultura permaneceria intacta, com garantias de que a presença deles não fosse revelada.

Isso meramente seria um caso de internacionalização dos povos celestiais, e a criação de uma instrumento de tratado internacional. A presença de ‘astroplanos’ celestiais em nossa atmosfera é um resultado direto de nossos testes com armamentos atômicos? A presença de naves espaciais não identificadas em nossa atmosfera (e possivelmente em órbita de nosso planeta) é agora, porém, aceita pelas nossas forças militares.

Os estrategistas militares prevêem o uso de naves espaciais com ogivas nucleares como a última palavra em armamento.  O ataque não mais vem de direções exclusivas, nem de um determinado país, mas do céu, com a impossibilidade prática de identificação do agressor. Quando satélites artificiais e mísseis encontrarem seu lugar no espaço, devemos considerar a ameaça potencial que uma nave espacial não identificada possa apresentar.  Devemos considerar o fato de que a identificação errada dessas naves espaciais por um míssil intercontinental em vôo de reentrada pode levar acidentalmente à uma guerra nuclear."

O documento completo em inglês, embora não tenha sido assinado pelos dois ilustres cientistas, pode ser examinado aqui

 

Saiba tudo sobre o UFO SUMMIT 2019 em www.ufosummit.com.br

O maior evento do ano da Ufologia Brasileira. Garanta a sua vaga!

 

     

Já está no ar a Edição 270 da Revista UFO. Aproveite!

Julho de 2019

Anunnaki: Aqueles que do céu desceram à Terra

UPDATED CACHE