NOTÍCIA

É possível que alienígenas tenham enviado mensagens em DNA codificado?

Por Mel Polidori | 15 de Maio de 2019

Ilustração
Créditos: Getty imagens

É possível que alienígenas tenham enviado mensagens em DNA codificado?

Poderiam os micróbios que nos cercam realmente ser codificados com mensagens interestelares de alguma raça alienígena espacial? É uma questão que tem sido colocada há décadas por alguns membros da comunidade SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence). Mas, mais recentemente, foi abordado pelo veterano defensor do espaço, Robert Zubrin, na conferência "Breakthrough Discuss 2019", da Universidade da Califórnia em Berkeley.

Dado que agora somos capazes de sequenciar todo o genoma humano, não é tão absurdo pensar que podemos estar bem servidos para procurar padrões, até mensagens em filamentos de DNA bacteriano. Esses micróbios podem ser o canal perfeito para uma Enciclopédia Galáctica Interestelar.

A ideia é que, uma vez lançadas intencionalmente e ou mesmo de forma não intencional, as bactérias podem percorrer distâncias interestelares e potencialmente semear o universo com mensagens de quem as criptografou.

Uma bactéria individual - que normalmente varia em tamanho entre 0,2 a 1,5 micron - pode facilmente se replicar. Mas como poderiam micróbios tão pequenos superar naturalmente a gravidade de suas estrelas para fazer uma jornada interestelar?

Muito provavelmente através da leve pressão do fluxo de fótons de sua estrela. Zubrin, engenheiro astronáutico, fundador e presidente da The Mars Society, explica. Esse método de transmissão de bactérias funcionaria melhor para estrelas mais brilhantes, como estrelas do tipo espectral F-, G- e K-. No entanto, Zubrin observa que as estrelas M anãs vermelhas, o cosmos mais onipresente, podem ter dificuldade em empurrar suas bactérias para fora de seus sistemas solares.

No entanto, se uma colônia bacteriana fosse fortemente magnetizada, como Zubrin observou em um artigo publicado no popular blog do espaço, Centauri Dreams , ela poderia ser capaz de atuar como uma vela magnética em miniatura. Se assim for, teoricamente, captaria um vento solar de 500 km/s. Isso é mais que suficiente para expulsá-lo do Sistema Solar.

Em contraste, se uma vela solar microbiana fabricada fosse lançada da gravidade da Terra por um foguete e liberada no espaço próximo da Terra, ela seria expelida do Sistema Solar aproximadamente à velocidade da Terra ao redor do Sol, ou 30 quilômetros por segundo. Assim, viajaria um ano-luz a cada 10 mil anos e seria capaz de alcançar estrelas próximas em menos de 50 mil anos. E Zubrin diz que o ponto é que pelo menos algumas dessas bactérias sobreviveriam a essa viagem.

 

Estrutura do DNA (Wikipedia)

 

Mas elas não teriam tempo a seu favor para isso. Elas estariam sujeitas a altas doses tanto de raios cósmicos quanto de radiação ultravioleta que estaria perto do limite de sobrevivência para espécies microbianas resistentes, como Deinococcus radiodurans. Mas Zubrin está convencido de que, dos bilhões iniciais de células bacterianas enviadas, pelo menos algumas sobreviveriam e atravessariam; assim, preservando a mensagem no processo.

Pesquisadores aqui na Terra já provaram que podem codificar informações com sucesso no DNA bacteriano. Os microbiologistas da Universidade de Columbia e do The New York Genome Project demonstraram sua capacidade de codificar informações com uma densidade de 215.000 terabytes por grama de DNA.

“Pelas estimativas atuais, um grama de bactéria pode ser codificado com cerca de 900 terabytes de dados, ou o suficiente para preencher cerca de dois bilhões de livros de 200 páginas”, diz Zubrin. Se uma civilização alienígena enviasse uma extensa biblioteca de DNA codificado em uma suposta mensagem interestelar, eles basicamente poderiam nos fornecer uma Enciclopedia Galáctica de tudo o que eles conheciam e poderiam esperar saber.

 

O que estaria envolvido na realização de tal busca?

Zubrin espera que, enterrado em algum lugar no chamado DNA lixo das bactérias, possa haver um código alienígena de aminoácidos esperando para ser decodificado  por um criptologista de primeira linha.

Poderíamos procurar mensagens que possam ser encontradas nos genomas de organismos multicelulares, diz Zubrin. Mas ele diz que isso exigiria evidências de que eles carregam informações genéticas não úteis para as bactérias. Encontrar tais evidências exigiria o sequenciamento genético dos genomas terrestres para procurar por números mágicos (como Pi) ou outros traços anômalos.

Um bom lugar para começar a procurar por esses micróbios codificados seria concentrar as bactérias mostrando os sinais mais fortes da mais recente origem extraterrestre. Ele observou que elas podem ser encontradas por: sujeitar condições bacterianas ao espaço, para ver quais são adaptadas para o voo espacial; amostragem de aerogel para buscar micróbios no espaço; micróbios anômalos na estratosfera da Terra; micróbios nas atmosferas de Marte, Vênus ou a lua de Titã de Saturno; ou até mesmo procurando micronaves alienígenas em atmosferas planetárias.

 

Bactérias E.Coli (Wikipedia)

 

Nesse ponto, ninguém pode dizer se a evolução da vida na Terra teve ajuda externa da panspermia natural ou artificial - a teoria de que a vida se originou de micro-organismos ou precursores químicos da vida presentes no espaço exterior. Mas Zubrin parece convencido de que a vida apareceu em nosso planeta assim que foi fisicamente possível.

“De fato, a vida apareceu na Terra há 3,8 bilhões de anos, virtualmente imediatamente após o término da fase de bombardeamento de asteroides e cometas no Sistema Solar interno, que supostamente impediu a vida na Terra antes disso”, diz Zubrin. Assim, ele conclui que ou a vida evoluiu rápida e facilmente da química assim que teve uma chance, ou a vida já estava flutuando no espaço pronta para pousar e se multiplicar assim que as condições na Terra se tornaram habitáveis.

Como não encontramos evidências de pré-bactérias no registro fóssil da Terra, Zubrin acha que é altamente provável que a vida bacteriana tenha chegado aqui do espaço interestelar de uma só vez. “Eu não tenho conhecimento de nenhum organismo de vida livre na Terra que esteja equipado com sistemas de informação de DNA/RNA totalmente funcionais que sejam mais simples do que as bactérias. Se panspermia natural ou artificial estivesse ocorrendo, veríamos o mesmo tipo geral de vida em todos os lugares, sem evidência de uma história evolucionária prévia de formas mais simples", disse Zubrin.

Mas a panspermia pode ocorrer naturalmente, por acaso, da mesma forma que os meteoritos da Lua, Marte e do Cinturão de Asteroides aparecem aqui na Terra. Se encontrarmos micróbios em Marte com o mesmo sistema de informação que a Terra, mas nenhuma história evolutiva local anterior que suporte a panspermia, diz Zubrin. Mas ainda precisaríamos mostrar que era uma panspermia artificial, diz ele.

 

Quanto à civilização que enviou a mensagem do DNA?

Eles poderiam ser muito antigos e até mesmo já terem desaparecido.

Leia o artigo completo de Robert Zubrin na Centauri Dreams. 

 ______________________

 Fonte: Forbes

 

Conheça o  Curso

Portais Dimensionais: Os Universos Paralelos e os Seres Extraterrestres

www.portaisdimensionais.com.br

Inscrições abertas para o curso presencial e a distância

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 267 da revista

Comentários

Livros
recomendados

DVDs
recomendados

Edições
recomendadas