DESTAQUE

Descoberto no México o maior e mais antigo monumento maia

Por
04 de Junho de 2020
Local sob o qual se encontra o maior monumento Maia já descoberto
Créditos: phys.org

Do chão, é impossível dizer que aquele platô é algo extraordinário. Mas do céu, com visão a laser, e abaixo da superfície, com datação por radiocarbono, fica claro que o maior e mais antigo monumento maia foi descoberto. E ele é imenso.

 Localizado em Tabasco, no México, perto da fronteira noroeste da Guatemala, o recém descoberto local de Aguada Fénix esteve escondido sob a superfície, oculto por seu tamanho e baixo perfil até 2017. O monumento mede cerca de 1,4 km de comprimento, varia entre nove e 5 m de altura e inclui nove amplas calçadas.

O sitio foi descoberto por uma equipe internacional liderada pelos professores Takeshi Inomata e Daniela Triadan da Escola de Antropologia da Universidade do Arizona, com o apoio do programa Agnese Nelms Haury da mesma universidade e sob a autorização do Instituto Nacional de Antropologia e História do México.

Eles usaram a tecnologia de detecção e alcance da luz (lidar), que usa equipamentos emissores de laser colocados em um avião e faz voos sobre a área a ser estudada. Os raios laser penetram no dossel das árvores, e seus reflexos na superfície do solo revelam as formas tridimensionais de características arqueológicas. 

A equipe, então, escavou o local e 69 amostras de carvão datadas por radiocarbono determinaram que o sitio foi construído entre 1000 e 800 a.C., ouseja, tem cerca de 3.000 anos.

 Até agora, o local maia de Ceibal, construído em 950 a.C., era o mais antigo centro cerimonial confirmado. O edifício monumental de Aguada Fénix acabou sendo o maior conhecido em toda a história maia, excedendo em muito as pirâmides e os palácios dos períodos posteriores. As descobertas da equipe foram publicadas hoje na revista Nature .

"Usando os dados de lidar de baixa resolução coletados pelo governo mexicano, percebemos essa enorme plataforma. Depois, usamos o lidar de alta resolução e confirmamos a presença de um grande edifício", disse o professor Inomata. 

"A área é desenvolvida - não é a selva, as pessoas moram lá, mas esse local não era conhecido justamente por ser tão plano e enorme. Ele parece uma paisagem natural. Mas, com o lidar, vemos que suas formas não são naturais, eles foram cuidadosamente planejadas”, completou o cientista

Projeto comunitário


Imagens lidar de alta definição do sítio Crédito: Takeshi Inomata

"Sempre houve debate sobre se a civilização olmeca levou ao desenvolvimento da civilização maia ou se os maias se desenvolveram de forma independente", disse Inomata. "Então, nosso estudo se concentra em uma área chave entre os dois".

O período em que a Aguada Fénix foi construída marca uma lacuna no poder: após o declínio de San Lorenzo e antes de a ascensão de outro centro olmeca, La Venta. 

Durante esse período, houve uma troca de novas ideias, como estilos de construção e arquitetura, entre várias regiões do sul da Mesoamérica. O extenso platô e as grandes calçadas sugerem que o monumento foi construído para ser usado por muitas pessoas.

"Durante períodos posteriores, havia governantes poderosos e sistemas administrativos nos quais as pessoas foram ordenadas a fazer o trabalho. Mas esse site é muito mais cedo e não vemos evidências da presença de elites poderosas. Acreditamos que é mais resultado do trabalho comunitário", afirmou o cientista.

 

Fonte: Phys.org 

Veja, abaixo, um documentário sobre a civilização Maia:

Já está no ar a Edição 276 da Revista UFO. Aproveite!

Janeiro de 2020

A Ufologia e seus demônios