NOTÍCIA

Descoberto exoplaneta próximo que pode ser o melhor candidato a abrigar vida extraterrestre

Por Equipe UFO | 18 de Novembro de 2017

Concepção artística do exoplaneta habitável Ross 128b
Créditos: ESO/M. Kornmesser

Um novo estudo, a ser publicado no periódico Astronomy & Astrophysics, detalha a descoberta de Ross 128b. Esse exoplaneta orbita a estrela Ross 128, que a uma distância de 11 anos-luz é uma das mais próximas de nosso Sistema Solar. A descoberta está sendo chamada de uma aposta melhor para encontrar vida extraterrestre do que Proxima b, localizado bem mais próximo, a 4,2 anos-luz. Isso porque Proxima Centauri é uma anã vermelha muito ativa, liberando potentes flares e outras emissões que podem esterilizar mundos próximos, destruindo suas atmosferas e tornando impossível a presença de massas de água líquida e consequentemente de seres vivos.

Já Ross 128 é muito mais estável e "quieta" no jargão dos cientistas. O exoplaneta recém-encontrado tem massa mínima de 1,35 vezes a da Terra e completa uma órbita em 9,9 dias. Ross 128b recebe 1,38 vezes mais irradiação do que a Terra recebe do Sol, e modelos teóricos apontam que um planeta como esse, caso tenha água líquida na superfície, forma nuvens de grande altitude. Estas, por sua vez, refletem para o espaço parte dessa energia, permitindo temperaturas de superfície temperadas e adequadas para a existência de rios, lagos e oceanos, ambiente favorável ao desenvolvimento da vida. Existe, porém, a possibilidade de que esse mundo seja mais semelhante à Vênus, quente demais para abrigar atividade biológica. O planeta foi encontrado graças a um dos mais prolíficos instrumentos caçadores de mundos alienígenas, o Buscador de Planetas pela Velocidade Radial Altamente Acurado (HARPS) do telescópio de La Silla no Chile.

O método utilizado é o da velocidade radial, medindo a influência que a gravidade do planeta tem sobre a estrela que este orbita. O HARPS pode medir deslocamentos com precisão de 3,5 km/h, e o estudo foi realizado pela equipe liderada por Xavier Bonfils, do Instituto de Planetologia e Astrofísica de Grenoble e da Universidade dos Alpes de Grenoble, na França. Um detalhe que deve ser destacado é a estranha detecção de um sinal de rádio em julho último, supostamente proveniente do sistema de Ross 128. Conforme a descrição, eram pulsos quase periódicos e não polarizados, com características de forte dispersão. Contudo observações posteriores pelo radiotelescópio de Arecibo, que fez a primeira detecção, e também pelo Arranjo de Telescópios Allen (ATA), permitiram concluir que provavelmente se tratou da detecção do sinal de algum satélite geoestacionário. Tais engenhos orbitam a Terra a 35.800 km de distância do equador, e Ross 128 está situada próxima do equador celeste. Quanto a Ross 128b, esse planeta será estudado detalhadamente pela próxima geração de instrumentos que devem entrar em serviço na próxima década, como o Telescópio Extremamente Grande do consórcio ESO (ELT), o Telescópio de Trinta Metros (TMT) e o Grande Telescópio Magalhães (GMT).

Confira o artigo detalhando a descoberta

Site do ELT

Site oficial do TMT

Saiba mais sobre o telescópio GMT

Estranhos sinais de rádio captados em estrela a 11 anos-luz

Exoplaneta Proxima b pode realmente abrigar vida alienígena

Confirmada a existência de planeta em órbita da estrela mais próxima do Sol

Quatro exoplanetas foram encontrados orbitando estrela similar ao Sol

Encontrado exoplaneta próximo capaz de sustentar vida

Publicado um catálogo com os planetas que podem abrigar vida extraterrestre

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Planetas Alienígenas

crédito: Revista UFO
Planetas Alienígenas
Planetas Alienígenas

A ciência tem comprovado, em um ritmo cada vez maior, que apenas em nossa galáxia existem bilhões de planetas com possibilidade de abrigar vida. Destes, é enorme a quantidade de mundos que podem conter vida inteligente em seus sistemas, sociedades que apenas esperam ser encontradas. Este DVD confirma que o cosmos está repleto de vida inteligente, fazendo ser apenas uma questão de tempo que nós, terrestres, conheçamos nossos semelhantes lá fora. E este conhecimento será transformador para a população mundial.

Saiba mais sobre este assunto na edição 217 da revista

Comentários