DESTAQUE

Whitley Strieber: De abduções alienígenas até a extração de almas

Por
18 de Fevereiro de 2021
Whitley Strieber relatou seu caso de abdução com detalhes em seu livro Comunhão.
Créditos: Timothy Greenfield-Sanders

Quando o livro “Comunhão”, de Whitley Strieber, foi publicado em 1987, ele se tornou um grande sucesso. A enorme atenção dada ao livro era algo que os ufólogos jamais tinham visto antes. Em grande parte, a comunidade ufológica fala consigo mesma e com mais ninguém. Strieber mudou isso. E praticamente da noite para o dia.

Por Nick Redfern

Enquanto a maioria dos autores de livros sobre abduções alienígenas, na década de 80, focava exclusivamente nos cientistas extraterrestres que estavam aqui para roubar nosso DNA, Strieber não o fez. Certamente, o autor cavou fundo nessa questão particular; no entanto, ele não se esquivou de alguns dos aspectos muito mais controversos de suas próprias experiências com o que ele chamou não de alienígenas ou extraterrestres, mas de Visitantes. Era um termo que usava por uma razão muito boa: ele não tinha certeza de que seus captores eram alienígenas, pelo menos não da maneira como interpretamos a palavra. Talvez, ele sugeriu, eles representassem algo tão estranho que estariam completamente além de nossa compreensão atual.

Como Strieber observou, os visitantes tinham um profundo interesse pela alma humana; aquela parte solitária de nós que, acreditam bilhões, nunca morre. Pouco depois do livro Comunhão chegar às estantes, Strieber revelou que, como resultado do número fenomenal de cartas que havia recebido, ele foi capaz de afirmar definitivamente que a alma humana estava inextricavelmente ligada ao quebra-cabeça das abduções. Em seu livro de 1988, “Transformação”, que foi um seguimento direto de “Comunhão”, Strieber relatou uma série de encontros traumáticos envolvendo abduzidos que sentiam que os visitantes/greys tinham a habilidade de extrair a alma humana imortal do corpo físico. Não apenas isso: eles o faziam em inúmeras ocasiões, regularmente.

Strieber recebeu uma resposta dos visitantes, oferecendo uma explicação para suas conexões com a alma. Disseram-lhe duas coisas: em primeiro lugar, que eles reciclam almas e, segundo, que viver na Terra é semelhante a estar em uma escola, na qual aprendemos, crescemos e evoluímos a cada reciclagem subsequente. É um cenário que provoca imagens de alguma fábrica enorme e bizarra, continuamente despachando velhas almas para novos corpos quase no estilo de uma esteira rolante. Talvez seja exatamente isso que esteja acontecendo, embora de uma forma muito estranha, quase insondável, que ainda temos que aceitar, ou mesmo entender.


Após a publicação do livro Comunhão, Strieber chocou a comunidade ufológica ao crer que a alma humana teria relação direta com as abduções.
Fonte: Editora Avon.

Strieber não foi o único que percebeu que o fenômeno de abdução alienígena era muito mais estranho do que muitos imaginavam, talvez ainda mais estranho do que a maioria jamais poderia imaginar. Um deles foi o professor John E. Mack, de Harvard. Ecoando as palavras de Strieber em um grau notável, Mack disse que dos muitos e variados abduzidos que ele ajudou e aconselhou, alguns sentiram que as entidades que encontraram eram nada menos do que ladrões de almas. Em seu livro “Passport to the Cosmos”, Mack descreveu a história de um abduzido chamado Greg.

Nas próprias palavras de Mack: “Greg me disse que o terror de seus encontros com certos seres reptilianos foi tão intenso que ele temeu ser separado de sua alma. ‘Se eu fosse ser separado de minha alma’, disse ele, ‘eu não teria nenhuma sensação de ser. Acho que toda a minha consciência iria embora. Eu deixaria de existir’”.

Fonte

Já está no ar a Edição 281 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2020

Marcados por extraterrestres