DESTAQUE

Conquista inovadora: sonda Parker toca o Sol

Por
16 de Dezembro de 2021
A sonda solar Parker realizou um feito inédito.
Créditos: NASA

A sonda também registrou algumas evidências de um aumento potencial na potência dentro da coroa do Sol, o que é provavelmente indicativo de processos físicos desconhecidos que afetam o aquecimento e a dispersão.

A sonda Parker da NASA “tocou” o Sol pela primeira vez - ela entrou nas camadas superiores de sua atmosfera, a coroa. A informação foi relatada na terça-feira, 14 de dezembro, pela agência espacial norte-americana, observando que o aparelho havia feito medições de campos magnéticos e amostras de partículas na coroa solar. De acordo com a NASA, esta é uma nova etapa importante na missão e um passo gigantesco no estudo do Sol.

A sonda Parker foi lançada em 2018. Ela foi criada para estudar a coroa solar e o vento solar e há quatro conjuntos de instrumentos científicos a bordo da estação, no valor de cerca de US$1.5 bilhão. O equipamento é protegido por uma casca de fibra de carbono com 11.43cm de espessura, o que permite resistir a temperaturas de até 1.400 graus Celsius. A sonda solar Parker está se movendo tão rápido que minúsculas partículas de poeira que vêm ao longo do caminho são instantaneamente ionizadas e convertidas em plasma, junto com parte do material da superfície da espaçonave.

Esse processo de colisão do aparelho com a poeira cósmica foi estudado por pesquisadores americanos, que mostraram que a poeira ultrarrápida ao longo do tempo pode danificar o casco da sonda e atrapalhar o funcionamento de seus instrumentos. Apesar de seu alto brilho e proximidade, muitos aspectos da física do Sol permanecem obscuros. Os principais problemas não resolvidos incluem o mecanismo de aquecimento da coroa e a natureza dos ciclos de atividade, mas, além deles, há muitas questões mais específicas para as quais os cientistas ainda não sabem a resposta.

Assista acima às imagens da sonda Parker entrando na atmosfera solar.
Fonte: Twitter

De acordo com os dados recebidos da sonda, em 28 de abril de 2021, durante seu oitavo sobrevoo do Sol, a espaçonave entrou três vezes em sua coroa, permanecendo nela por cinco horas. Em um novo artigo, os cientistas descreveram os resultados das observações coletadas durante este mergulho. Todos os dados são de domínio público no arquivo da NASA.

O fato de a sonda ter entrado e saído da coroa várias vezes confirmou que a superfície crítica do Sol, o ponto de Alfvén, não era lisa, mas enrugada. A maior dobra na superfície é formada por uma grande estrutura magnética encontrada no lado visível interno da luminária. As observações diretas de espaçonaves podem dizer muito sobre a física do aquecimento coronal e a formação do vento solar.

Nas mais de uma dúzia de abordagens restantes, a sonda Parker continuará a mergulhar mais fundo na atmosfera e permanecerá nela por longos períodos. Por enquanto, sua abordagem mais próxima foi um pouco abaixo de 15 raios solares, que equivalem a aproximadamente 10 milhões de quilômetros.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos