DESTAQUE

Conheça os primeiros resultados da investigação de campo do agroglifo de Ipuaçu de 28 de outubro

Por
01 de Novembro de 2020
Agroglifo de Ipuaçu de 28 de outubro
Créditos: Revista UFO

Uma figura geométrica relativamente complexa foi descoberta na propriedade do senhor Diego Griebler, em Ipuaçu, oeste de Santa Catarina, na manhã da quarta-feira, 28 de outubro.

O fato foi primeiramente noticiado à Equipe UFO pelo colaborador da Revista UFO Marcelo Franzosi, morador da região. A Equipe noticiou o acontecimento por meio de suas redes sociais no mesmo dia e aguardou o desenrolar dos acontecimentos. 

Na manhã de 01 de novembro, o editor da Revista UFO A. J. Gevaerd e a gerente Jacqueline Koppe Diniz se deslocaram de Curitiba até a localidade, cerca de 400 km, que fica a meio caminho entre Ipuaçu e Abelardo Luz, às margens da estrada sem pavimento SC-479.

O local foi alcançado por volta de 13h00 e estava no aclive de uma plantação de trigo prestes a ser colhida. A pesquisa in loco revelou uma figura de tamanho considerável, composta por vários elementos. 

OS CÃES LATIRAM DURANTE A NOITE

Consultados, os vizinhos mais próximos, cuja residência se encontra a cerca de 2 km de distância em linha reta, em outro aclive, tendo em relação do agroglifo uma depressão no terreno, e apartados pela citada estrada, disseram nada ter visto de incomum, mas que seus cães ficaram muito agitados na noite anterior à descoberta, 27 de outubro.

“Os cães latiram muito durante à noite”, disseram os moradores, acrescentando que chovera muito na noite que precedeu à descoberta do agroglifo.

Chegando ao local e fazendo as primeiras análises da figura, nota-se um padrão comum com outros registros anteriores, feitos na mesma localidade, Ipuaçu, e seu entorno. A figura é composta de um círculo de cerca de 50 m de diâmetro, dentro do qual estavam um triângulo e três arcos, formados pela dobra das plantas de trigo quase na altura do solo.

Não havia nenhum sinal de ação humana. O agroglifo, diferentemente de tantos outros registrados na localidade, estava a cerca de 500 m da citada estrada de chão batido, difícil de se ver e de ser alcançado. Em casos anteriores, sempre estavam à beira das estradas, pavimentadas ou não.

INTELIGÊNCIA NÃO HUMANA

O agroglifo pareceu ter sido produzido por uma inteligência não humana, ainda a ser determinada, devido à sua relativa perfeição – não se pode esperar que uma figura feita sobre uma colheita e um terreno irregular seja totalmente geométrica.

Enquanto o círculo externo e os arcos tinham uma largura de dois metros de plantas uniformemente dobradas, lado a lado, e não sobrepostas umas às outras, os lados do triângulo tinham uma largura exata de 1,2 m.

As medidas do triângulo são: sua base tinha 45 m enquanto seus lados tinham 42,5 metros. Portanto, o triângulo não foi produzido exatamente no ponto central do círculo, mas pouco acima.

Os arcos internos da figura, se sobrepostos com o círculo externo, se encaixam com perfeição e uma aplicação deste raciocínio leva à uma figura que, se completa, teria quatro círculos de cerca de 50 m cada.

É notável como todas as partes curvas do agroglifo tenham as plantas dobradas em sentido horário e largura de 2 m, enquanto as linhas retas do triângulo, também dobradas em sentido horário, tenham apenas 1,2 m, o que se pode ver nas filmagens e fotos.

CONCLUSÕES

A dificuldade – ou impossibilidade – de atribuir a geração do agroglifo à ação humana se dá por vários fatores. Primeiro, a total ausência de ação humana. Segundo, o difícil acesso ao local onde foi produzido, em comparação com outras áreas em que seria bem mais fácil e razoável produzi-lo, se esta fosse a intenção dos falsários.

Terceiro, a chuva intensa da noite anterior à descoberta, que inviabiliza a produção de uma figura como a descoberta, sem nenhum traço de lama. E, quarto: o que ganhariam falsários que o produzissem? Qual seria sua motivação? Por que não escolheram lugar de mais fácil acesso?

Assista ao vídeo aqui: 

 

Veja, abaixo, algumas fotos feitas no local:

Relatório formulado por A. J. Gevaerd, editor da Revista UFO. Ipuaçu, 01 de novembro de 2020.

Esta pesquisa contou com a colaboração de Fabiano Lauser Timm, Bruno Campestrini e Laís Chiodelli. No vídeo, as imagens cedidas por Fabiano Lauser Timm foram produzidas por Jean Carlos Bertosso.

Já está no ar a Edição 280 da Revista UFO. Aproveite!

Outubro de 2020

Intervenção extraterretre