DESTAQUE

Comparação entre imagens de telescópios mostra o que podemos esperar do James Webb

Por
11 de Maio de 2022
O telescópio espacial James Webb continua nos dando aperitivos de suas capacidades.
Créditos: NASA

A comparação entre a mesma imagem tirada pelo telescópio Spitzer e o James Webb nos mostra um salto tecnológico que poderá nos revelar maravilhas do espaço sideral. O telescópio espacial James Webb mudará completamente a maneira como vemos o universo.

O instrumento de infravermelho do novo telescópio espacial James Webb (JWST), ou MIRI, forneceu uma prévia de suas capacidades para observar as maravilhas do universo. Com os quatro instrumentos científicos alinhados, os pesquisadores criaram uma imagem de comparação sobrepondo uma foto mais antiga de uma região do espaço tirada com um telescópio diferente, com uma nova visão do JWST. Os resultados são fascinantes e mal podemos esperar que o Webb complete seus testes necessários e comece a explorar o cosmos.

Parte da Grande Nuvem de Magalhães é visível na imagem de teste MIRI (a 7.7 mícron). De acordo com a Agência Espacial Europeia (ESA), o campo estelar desta pequena galáxia satélite da Via Láctea forneceu um ambiente denso para testar o desempenho do JWST. A imagem MIRI em close-up é comparada a uma imagem da Infrared Array Camera (a 8.0 mícron) obtida pelo telescópio espacial Spitzer, da NASA, no passado. O observatório Spitzer foi o primeiro a obter imagens de alta resolução no infravermelho próximo e médio.


Acima, a sobreposição de fotos do Spitzer e do James Webb, revelando uma qualidade de imagem muito superior.
Fonte: NASA

Seremos capazes de ver o céu infravermelho com maior clareza graças ao novo espelho primário do Webb e detectores aprimorados, permitindo ainda mais descobertas e observando o cosmos como nunca fizemos antes. A imagem do gás interestelar no MIRI do JWST mostra detalhes que escaparam aos olhos dos especialistas no passado. Um bom exemplo de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, que desempenham um papel vital no equilíbrio térmico do gás interestelar e sua química, é mostrado na nova fotografia.

Estudar a forma como as estrelas nascem e os sistemas protoplanetários se formam com o MIRI fornecerá aos astrônomos novos insights quando o Webb iniciar as observações. Para começar as observações científicas neste inverno, a equipe do JWST está atualmente montando e testando os instrumentos do telescópio. A NASA, a ESA e a Agência Espacial Canadense estão colaborando na missão. Aguardemos por mais imagens fascinantes do espaço profundo.

Fonte

Já está no ar a Edição 287 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2022

A noite oficial dos UFOs no Brasil