DESTAQUE

Colorido, brilhante e seguro: é o passeio virtual pelo centro da Via Láctea

Por
04 de Junho de 2020
O interior de Sagitário A*
Créditos: NASA

Na imaginação popular, um buraco negro é um túnel engolidor de matéria, cujo “final” pode não existir ou pode ser a porta de entrada para um outro universo. Há cientistas que pensam que nosso universo tenha se formado assim, que sejamos feitos de matéria que veio de um outro cosmos. Será verdade?

 Agora, uma nova experiência de realidade virtual permite que você voe de perto, mas com segurança, em direção ao buraco negro supermassivo incorporado no coração de nossa galáxia, a Via Láctea.

A aventura de visualização é chamada Galactic Center VR e é baseada em dados do Chandra X-Ray Observatory da NASA, além de outros telescópios. A última iteração permite que os espectadores vejam 500 anos de evolução no Sagitário A* (Sgr A*), o buraco negro no Centro da Via Láctea. Você pode ver a experiência gratuitamente no Steam ou Vivepoint.


Oservatório Chandra. Crédito: NASA

A simulação Sgr A* é baseada na modelagem de 25 objetos extremamente brilhantes e massivos, chamados estrelas Wolf-Rayet . Da mesma forma que as supernovas, ou explosões estelares, as estrelas Wolf-Rayet empurram suas camadas externas de material para o espaço.  No Sgr A*, essa atividade de extração de estrelas produz ventos supersônicos e o material é captado pela gravidade do buraco negro.

"Quando os ventos das estrelas Wolf-Rayet colidem, o material é aquecido a milhões de graus por choques - semelhantes aos estrondos sônicos, e produzem grandes quantidades de raios-X", disse a NASA em comunicado . "O centro da galáxia está muito distante para Chandra detectar exemplos individuais dessas colisões, mas o brilho geral dos raios X desse gás quente é detectável pela visão nítida dos raios X do observatório".


A visualização exibe cerca de três anos-luz de espaço centralizados em Sgr A* , mas o buraco negro não é mostrado em escala. É ampliado em cerca de 10.000 vezes para torná-lo mais visível. Os usuários podem percorrer a simulação em diferentes direções, jogando com aspectos como a velocidade de reprodução e o número de ventos Wolf-Rayet mostrados. 

A visualização mostra as estrelas Wolf-Rayet em branco, com suas órbitas representadas em cinza. As emissões de raios X são mostradas em azul e ciano, e o material eólico é retratado em vermelho e amarelo. A sobreposição de materiais eólicos e emissões de raios-X é mostrada em roxo.

Chandra é um dos dois grandes observatórios restantes da NASA que foram lançados no espaço nas décadas de 90 e 2000 para observar fenômenos astronômicos em diferentes comprimentos de onda da luz. Os outros observatórios são o Telescópio Espacial Hubble , o Observatório Gamma Ray Compton, desativado em 2000 e o Telescópio Espacial Spitzer, aposentado no início deste ano.

Fonte: Space.com

Veja abaixo, um video em 360° do centro da Via Láctea:

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre