DESTAQUE

Cientistas querem caçar mensagens criptografadas de extraterrestres com partículas de luz

Por
12 de Julho de 2021
Seria a comunicação quântica a chave para nos comunicarmos com alienígenas?
Créditos: GettyImages

Os cientistas passaram anos caçando vida alienígena tentando ouvir os sinais de rádio que bombardeiam nosso planeta do espaço sideral. Mas esse método de pesquisa tem uma falha: ele se baseia no que podemos localizar facilmente, ou seja, sinais de rádio. E se uma civilização alienígena altamente desenvolvida descobriu uma maneira de se comunicar em código criptografado usando partículas de luz?

Essa questão não é coisa de ficção científica. Na verdade, é o cerne de um estudo de pré-impressão recente que defende a expansão de nossa busca por vida extraterrestre para incluir a comunicação quântica. A comunicação quântica usa as propriedades da física quântica para retransmitir mensagens criptografadas do ponto A ao ponto B. Esta é uma tecnologia que os alienígenas podem já ter conquistado. Ravi Kopparapu, pesquisador do Goddard Spaceflight Center da NASA, explica ao site Inverse que os cientistas normalmente procuram por sinais de tecnologia alienígena com base no que temos agora na Terra.

Conforme a comunicação quântica se torna cada vez mais sofisticada aqui na Terra, seria uma boa opção adicioná-la ao arsenal. Kopparapu diz: “Eu diria que é uma boa maneira de se comunicar e enviar muitas informações para outra civilização. Portanto, é uma ideia interessante de se propor.” A ideia é essencialmente criar um foco para o chamado Quantum SETI (SETI Quântico). Por mais de 60 anos, a busca moderna por vida extraterrestre se concentrou na detecção de tecnoassinaturas de mundos alienígenas. O SETI (Busca por Inteligência Extraterrestre) é uma série de programas inter-relacionados em busca de vida inteligente além do nosso sistema solar.

Michael Hippke, pesquisador do Observatório Sonneberg e autor principal do estudo, escreve: “Eu defendo que pesquisas futuras também devam ter como alvo as comunicações quânticas. Elas são preferidas às comunicações clássicas no que diz respeito à segurança e eficiência da informação, e teriam escapado da detecção em todas as pesquisas anteriores.” O foco do SETI tem sido nos sinais de rádio. Mas agora que os humanos estabeleceram comunicação quântica entre as cidades na Terra, pode valer a pena procurar esses sinais criptografados além do nosso planeta também. Em 2017, a China inaugurou o primeiro telefone fixo de comunicação quântica de longa distância do mundo, conectando a capital da China com a cidade costeira de Xangai. Em sistemas quânticos, os dados são transferidos por meio de fótons – unidades de luz conhecidas como bits quânticos ou qubits.

As propriedades quânticas dos qubits são vinculadas aos pares, e esses pares são gerados em ordem aleatória. Os pares que são compartilhados entre as duas partes soletram uma frase secreta, que é então usada para criptografar uma transmissão de dados de acompanhamento. Os sistemas de comunicação quântica usam fótons únicos que são codificados em um estado de superposição quântica, onde as partículas podem ser pensadas como ondas. Esses fótons codificados são então enviados para locais distantes.


O SETI Óptico procura mensagens alienígenas através da luz. O SETI Quântico dá um passo adiante, procurando comunicações de luz criptografadas.
Fonte: SETI Institute

Por meio desse mecanismo de codificação e decodificação, duas partes distantes compartilham uma sequência de bits aleatórios chamados de “chaves secretas”, que são usados para criptografar e descriptografar essas mensagens confidenciais. Embora a comunicação quântica não tenha realmente criado raízes na Terra, uma civilização alienígena distante que é um pouco mais avançada do que os humanos já pode ter desenvolvido a tecnologia para enviar mensagens criptografadas por meio de fótons. As comunicações quânticas, via fótons, podem viajar grandes distâncias pelo universo, transcendendo de um sistema estelar para outro, da mesma forma que a poeira e os grãos interestelares podem alcançar planetas diferentes.

Para detectar esses sinais, o artigo sugere que os telescópios existentes possam ser usados para detectar fótons. O autor também sugere o uso de um contador de femtossegundos que revelaria os horários em que os fótons são enviados – mas esse dispositivo, infelizmente, ainda está para ser inventado. Alguns podem estar desconfiados de que, ao interceptarem uma mensagem codificada, os humanos estão se expondo na Terra. Essa civilização alienígena, segundo Kopparapu, pode já ter desenvolvido um telescópio espacial semelhante ao telescópio James Webb, que será lançado em outubro, e que seria capaz de detectar vida em mundos distantes do universo.

Ele diz: “Existem também outros tipos de atividades de civilização que podemos estar procurando, onde eles podem estar construindo estruturas enormes que podem ir na frente de uma estrela e bloquear sua luz, o que nos daria alguma pista sobre a estrutura e que tipo de objetos eles estariam construindo.” Kopparapu sugere que, se os humanos são capazes de interceptar um sinal de comunicação quântica, é provável que a civilização responsável pelo sinal já conheça nossa própria existência. Ele diz: “Se alguém está se comunicando com a tecnologia quântica, acho que já deve saber que estamos aqui.” O risco de expor a humanidade ao interceptar um código criptografado, pelo qual o remetente saberia que o sinal foi interceptado, não faz muita diferença neste momento. Kopparapu finalizou: “É como uma criança fechando os olhos e tentando se esconder. Não podemos nos esconder.”

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos