DESTAQUE

Cientistas planejam para 2021 uma expedição para estudar os UFOs registrados pelos Estados Unidos

Por
14 de Outubro de 2020
Concepção artística de objeto em forma de Tic-Tac registrado por pilotos da Marinha dos Estados Unidos
Créditos: History Channel

Cientistas europeus e americanos querem levantar dados sobre os fenômenos aéreos não identificados (UAPs) e estudá-los de forma a trazê-los para dentro do escopo da ciência, livrando o fenômeno do tabu de ser "extraterrestre", mas sem descartar essa possibilidade.

Muito embora os Estados Unidos não sejam os “donos dos UFOs”, conforme protestou um pesquisador da América do Sul há alguns meses, eles são os donos da narrativa sobre os UFOs e a nação mais forte do planeta. O que o país faz sinaliza uma tendência de ação para muitos outros.

Assim, quando Marinha dos Estados Unidos admitiu que ocorriam encontros entre seus pilotos de guerra e objetos não identificados, todo mundo prestou atenção e o assunto passou a ser tratado com mais seriedade.

Ainda vemos algumas piadas na mídia junto com uma grande dificuldade por parte dos jornalistas para levarem o assunto a sério, mas a verdade é que o tom com que se trata a matéria mudou, ganhando uma aura mais respeitosa.

Os objetos recentemente observados supostamente têm acelerações que variam de quase 100 a milhares de G, muito mais altas do que um piloto humano poderia suportar, além de não perturbarem o ar e não produzirem estrondos sônicos em seus deslocamentos. 

 

Aquilo que os ufólogos sabem há anos

Tudo isso criou um apelo crescente para que esse fenômeno seja estudado cientificamente, até mesmo usando satélites, para buscar por possíveis futuros eventos envolvendo UAP.

Philippe Ailleris é controlador de projetos do Centro de Tecnologia e Pesquisa Espacial da Agência Espacial Europeia na Holanda. Ele também é a principal força por trás do Unidentified Aerospace Phenomena Observations Reporting Scheme, um projeto para facilitar a coleta de relatórios UAP vindos de astrônomos amadores e profissionais.

Há uma necessidade para o estudo científico de UAPs e um requisito para reunir evidências confiáveis, algo que não poderia ser tão facilmente ignorado pela ciência, disse Ailleris ao site Space.com. 

"Ninguém sabe onde e quando um UAP pode potencialmente aparecer, daí a dificuldade da pesquisa científica neste domínio".

Nos últimos anos, assistimos a avanços rápidos nas tecnologias de informação e comunicação, com ferramentas e software abertos, computação em nuvem e inteligência artificial de aprendizado profundo, que oferecem ao cientistas novas possibilidades de coletar, armazenar, manipular e transmitir dados. 

Trabalhando no setor espacial, ocorreu a Ailleris que os satélites civis de observação da Terra poderiam ser usados ??para procurar UAPs. Uma via é acessar imagens gratuitas coletadas pelos satélites Copernicus da União Europeia, um programa de observação da Terra coordenado e gerenciado pela Comissão Europeia em parceria com a ESA.

Além disso, há cada vez mais espaçonaves de varredura da Terra sendo lançadas para tomar o pulso do nosso mundo. Esse trabalho não está mais limitado aos principais países ou potências. Atores privados também entraram no cenário da visão do planeta.

"Esta evolução estimulará ideias com visão de futuro em diferentes domínios, incluindo tópicos controversos. E por que não o campo de pesquisa da UAP?" sugere o cientista

 

UAPx


Logotipo da Expedição para estudo de UAPs. Crédito: Space.com

Trabalhando com Ailleris para empregar imagens de satélite para detectar e monitorar UAPs está Kevin Knuth, um ex-cientista do Centro de Pesquisa Ames da NASA no Vale do Silício da Califórnia. Ele agora é professor associado de física na Universidade de Albany, em Nova York.

"Estamos estudando o uso de satélites para monitorar a região do oceano ao sul da Ilha Catalina, onde ocorreram os encontros de Nimitz em 2004", disse Knuth, referindo-se aos avistamentos UAP relatados por pilotos e operadores de radar baseados no porta-aviões USS Nimitz.

A área também será alvo de uma expedição em 2021 realizada por Knuth e outros pesquisadores. O objetivo da excursão é "fornecer evidências científicas inatacáveis de que os objetos UAP são reais, os objetos UAP são localizáveis e os objetos UAP são conhecíveis", de acordo com o site do projeto , chamado UAPx. 

A equipe UAPx inclui veteranos militares e físicos, bem como cientistas pesquisadores e observadores treinados que usarão equipamento especializado para observar qualquer suposto UAP.

"Esperamos detectar UAPs, determinar suas características, padrões de voo e quaisquer padrões de atividade que nos permitam estudá-los de forma mais eficaz", disse Knuth ao Space.com. 

"Além de monitorar uma região, também estamos estudando o uso de satélites para obter confirmação independente de avistamentos proeminentes e para obter informações quantificáveis sobre esses UAPs", explicou ele. 

"Eu certamente acho que os UFOs merecem ser estudados, assim como faríamos com qualquer outro problema na ciência", disse Jacob Haqq-Misra, astrobiólogo do Blue Marble Space Institute of Science em Seattle, Washington. 

 

Terrestre ou extraterrestre

Em agosto, Haqq-Misra ajudou a organizar um workshop interdisciplinar patrocinado pela NASA, denominado TechnoClimes 2020, que buscou priorizar e orientar futuros estudos teóricos e observacionais de tecnossignaturas não radioelétricas.

Em outras palavras, buscavam manifestações observacionais de tecnologia, particularmente aquelas que poderiam ser detectadas por meios astronômicos ou outros. 

Haqq-Misra disse que seu conhecimento sobre os UAPs vem do domínio público, como os vídeos da Marinha lançados recentemente e os comentários do Departamento de Defesa. Mas, fora isso, ele não conduziu nenhuma de suas próprias investigações sobre o problema. 

"Eu também permaneço agnóstico quanto a qualquer hipótese particular que possa explicar os UFOs, pelo menos até que tenhamos mais dados a considerar", disse Haqq-Misra. 

"A hipótese da inteligência não humana é popular, mas não tenho necessariamente qualquer indicação de que seja mais provável do que qualquer outra hipótese neste momento".

 

Quando os dados falam

Ravi Kopparapu é um cientista planetário do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, que estuda a habitabilidade planetária, modelagem climática e química no contexto da caracterização da atmosfera de exoplanetas. 

Ele vê os fenômenos UFO como um problema cientificamente interessante, impulsionado em parte por observações que parecem desafiar as leis da física. 

Dito isso, Kopparapu disse que teme trazer o termo extraterrestre para a conversa. "Isso porque não há absolutamente nenhuma evidência concreta de que eu saiba que indique que eles sejam extraterrestres", explicou ele. 

"Há um problema fundamental para estudar cientificamente os UAP, que é não termos coleta de dados adequada sobre esse fenômeno que possa ser compartilhada entre os cientistas interessados para verificar as afirmações e filtrar eventos verdadeiramente inexplicáveis".

Além disso, todo o tópico da UAP foi muito difamado por estar associado aos ETs, e essa associação impede uma investigação científica completa pela comunidade científica. Há um tabu em torno das alegações de que seja extraterrestre. 

"Acho que as pessoas pensam imediatamente em 'alienígenas' quando ouvem UFOs e UAPs, e quero que os cientistas não caiam nessa", disse Kopparapu. "Seja estritamente agnóstico e não deixe que ideias preconcebidas turvem os julgamentos. Tenha a mente aberta. Considere isso como um problema de ciência. Se descobrir que eles têm explicações mundanas, que seja".

Kopparapu e seus colegas estão propondo uma abordagem agnóstica e totalmente imparcial para estudar a UAP. "Deixe os dados nos conduzirem ao que são", disse ele.

Para ler o excelente artigo original pulbicado no site Space.com, por favor clique aqui

Assista, abaixo, um video sobre os encontros do USS Nimitz:

Já está no ar a Edição 279 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2020

Segredos ufológicos nos corredores do Pentágono