DESTAQUE

Cientistas descobrem um objeto interestelar dentro do Sistema Solar

Por
28 de Outubro de 2017
O objeto A/2017 U1 é o primeiro visitante interestelar já identificado no Sistema Solar
Créditos: Arquivo

Em 18 de outubro último, por meio do Telescópio de Varredura Panorâmica e Sistema de Rápida Resposta (Pan- STARRS), localizado no Observatório Haleakala no Havaí, cientistas localizaram o que primeiro lhes pareceu um cometa, estimando seu tamanho com base nas observações em menos de 400 m. Contudo as características orbitais do objeto levaram os cientistas a pedir urgência em mais observações a seus colegas. Descobriu-se então que a órbita do corpo, designado C/2017 U1, tinha um formato hiperbólico com excentricidade de cerca de 1,2.

Cometas são divididos basicamente em dois grupos. Os de período curto, com órbitas que se completam no máximo em poucos séculos, provém do Cinturão Kuiper e visitam o Sol regularmente, dos quais o Halley é o exemplo mais conhecido. Sua órbita tem uma excentricidade de 0,967, com formato entre um círculo e uma parábola. Cometas de longo período têm sua origem a Nuvem de Oort, situada a centenas de Unidades Astronômicas do Sol, e completam suas órbitas em milhares ou milhões de anos. A excentricidade de suas órbitas é de no máximo 1,01, e esses números indicam que o objeto em questão é na verdade um visitante do espaço interestelar. O C/2017 U1 perdeu sua designação de cometa quando os astrônomos descobriram que ele não tinha a coma habitual de cometas, a nuvem de poeira e gás que se forma quando estes se aproxima do Sol, logo foi redesignado A/2017 U1.

Estudando sua órbita descobriram que ele veio de uma direção praticamente perpendicular à eclíptica, o plano geral das órbitas dos planetas de nosso Sistema Solar. O objeto cruzou esse plano em 2 de setembro a aproximadamente 92.000 km/h, dentro da órbita de Mercúrio, antes de fazer sua passagem mais próxima do Sol uma semana depois. Em 14 de outubro aproximou-se até 24 milhões de km da Terra, a cerca de 156.000 km/h. O A/2017 U1 teve sua trajetória de chegada a nosso sistema calculada, e ele parece ter vindo da Constelação de Lyra. Há então a possibilidade de ele ter vindo de Alpha Lyrae estrela a 25 anos-luz de distância e mais conhecida como Vega, destaque do livro de ficção científica Contato, de Carl Sagan. O A/2017 U1 está diminuindo de brilho rapidamente enquanto se encaminha para fora do Sistema Solar, e os astrônomos continuam suas observações para colher a maior quantidade possível de informações desse visitante interestelar.

crédito: NASA
A trajetória do asteroide A/2017 U1, que já se encaminha para fora do Sistema Solar
A trajetória do asteroide A/2017 U1, que já se encaminha para fora do Sistema Solar

Confira um vídeo sobre a descoberta


O Minor Planet Center monitora asteroides e outros corpos

Explicação para o Sinal Uau envolvendo cometas é contestada

Tablete de pedra de 13.000 anos descreve impacto de cometa

Completam-se vinte anos do descobrimento do cometa Hale-Bopp

Cientistas teriam encontrado condições favoráveis à vida em cometa

Rosetta encontra módulo Philae na superfície de cometa

Missão da NASA irá coletar amostras de asteroide

Falsa notícia de UFO orbitando asteroide se espalha

Próximo objetivo da nave New Horizons se revela mais misterioso do que antes se considerava

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Buscando Vida Fora da Terra

crédito: Revista UFO
Buscando Vida Fora da Terra
Buscando Vida Fora da Terra

Enquanto cientistas de diversas áreas buscam respostas para a origem e o futuro da humanidade terrestre, a exobiologia vasculha vastas regiões do universo à procura de outras formas de vida. Com exuberantes imagens obtidas pela NASA e usando avançados recursos de computação gráfica, este documentário mostra como seriam as espécies que encontraremos no espaço e deixa claro que esta é apenas uma questão de tempo.

Já está no ar a Edição 237 da Revista UFO. Aproveite!

Agosto de 2016

Visões diferentes para a mesma questão